Avaliação da fertilidade de gemas de variedades de uvas viníferas cultivadas em região de elevada altitude de Santa Catarina

Douglas André Würz, Adrielen Tamiris Canossa, Juliana Reinehr, Ricardo Allebrandt, Betina Pereira de Bem, Marcus Outemane, Leo Rufato, Aike Anneliese Kretzschmar

Resumo


Observa-se na região de elevada altitude de Santa Catarina baixo índice de fertilidade de gemas de variedades de uvas viníferas, sendo as variações na produtividade umas das maiores fontes de dúvidas na produção vitivinícola. Nesse contexto, tem-se como objetivo deste trabalho, avaliar a fertilidade de gemas de variedades viníferas em região de elevada altitude de Santa Catarina. O presente estudo foi realizado na safra 2016/2017. Os ramos e as gemas foram retiradas de um vinhedo comercial, localizado no município de São Joaquim. Foram retirados ramos e gemas das variedades Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Merlot, Chardonnay e Sauvignon Blanc. Após a poda das videiras, realizada em agosto de 2017, foram coletados 20 ramos de um ano de cada variedade para se determinar em fitotron a fertilidade de gemas. As gemas foram colocadas em um ambiente com 60% de umidade relativa, temperatura de 25 °C e 12 horas de luz por dia com intensidade de 300-400 μE m-2 s-1. Após a brotação das gemas, as gemas foram classificadas em férteis ou não férteis de acordo com a presença ou ausência da inflorescência. Para as variedades viníferas avaliadas, observou-se maior fertilidade de gemas na posição apical do ramo, e a menor fertilidade de gemas na posição basal do ramo. A variedade Cabernet Sauvignon foi a que apresentou a menor fertilidade de gemas entre as cinco variedades viníferas avaliadas, enquanto as variedades Sauvignon Blanc, Chardonnay e Merlot foram as mais férteis. Por apresentarem maior fertilidade de gemas na posição apical, recomenda-se para essas variedades o sistema de poda longa, com objetivo de aumentar o número de cachos por gema, e consequentemente elevar os índices de produtividade dos vinhedos.

 


Palavras-chave


Vitis vinifera L., poda longa, produtividade.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDREINI L et al. 2009. Study on the morphological evolution of bud break in Vitis vinifera L. Vitis 48: 153-158.

BEM BP et al. 2016. Effect of four training systems on the temporal dynamics of downy mildew in two grapevine cultivars in southern Brazil. Tropical Plant Pathology 41: 370-379.

BRIGHENTI AF 2014. Avaliação de variedades de videira (Vitis vinifera L.) autóctones italianas no terroir de São Joaquim – SC. Tese (Doutorado em Recursos Genéticos Vegetais). Florianópolis: UFSC. 184p.

BRIGHENTI AF et al. 2013. Caracterização fenológica e exigência térmica de variedades de uvas viníferas em São Joaquim, Santa Catarina – Brasil. Ciência Rural 43: 1162-1167.

BRIGHENTI AF et al. 2015. Comparação entre as regiões vitícolas de São Joaquim – SC, Brasil e San Michele all’Adige – TN, Itália. Revista Brasileira de Fruticultura 37: 281-288.

BRIGHENTI AF et al. 2017. Ecophysiology of three Italian cultivars subjected to two pruning methods in Santa Catarina, Brazil. Acta Horticulturae, 1157: 381-388.

CIPRIANI R. 2012. Comportamento produtivo e fotossintético das variedades Verdicchio, Nebbiolo, Rebo e Chardonnay sob dois sistemas de poda em Água Doce, SC, Brasil. Dissertação (Mestrado em Recursos Genéticos Vegetais). Florianópolis: UFSC. 69p.

LEÃO PCS & SILVA EEG. 2003. Brotação e fertilidade de gemas em uvas sem sementes no Vale do São Francisco. Revista Brasileira de Fruticultura 25: 375-378.

MAFRA SHM et al. 2011. Atributos químicos do solo e estado nutricional de videira Cabernet Sauvignon (Vitis vinifera L.) na Serra Catarinense. Revista de Ciências Agroveterinárias 10: 44-53.

MALINOVSKI LI et al. 2016. Viticultural performance of Italian grapevines in high altitude regions of Santa Catarina State, Brazil. Acta Horticulturae 1115: 203-210.

MARCON FILHO JL et al. 2015. Raleio de cachos sobre o potencial enológico da uva 'Cabernet Franc' em duas safras. Ciência Rural 45: 2150-2156.

MULLINS MG et al. 2007. Biology of the grapevine. Cambridge: University Press. 239p.

MUNHOZ B et al. 2016. Fertilidade e Análise de gemas das videiras Greco di Tufo, Codadi Volpe e Viognier cultivadas em São Joaquim – Santa Catarina. Revista Agropecuária Catarinense 29: 68-72.

POUGET R. 1981. Action de la temperature sur la differentiation des inflorescences et desfleurs durant les phases de pre-debourrement et de post-debourrementdesbourge nos latents de lavigne. Journal international des sciences de la vigne et du vin 15: 65-79.

ROSA AM et al. 2014. Fertilidade e reserva de carbono e nitrogênio em gemas de ramos das viníferas ‘Cabernet Sauvignon’ e ‘Nebbiolo’. Revista Brasileira de Fruticultura 36: 576-585.

SÁNCHEZ LA & DOKOOZLIAN NK. 2005. Bud micro climate and fruit fulness in Vitis vinifera L. American Journal of Enology and Viticulture 56: 319-329.

POTTER RO. 2004. Solos do Estado de Santa Catarina. Rio de Janeiro: Embrapa. 726p. (Boletim de pesquisa e desenvolvimento 46).

TONIETTO J & CARBONNEAU A. 2004. A multicriteria climatic classification system for grape-growing regions worlwide. Agricultural and Forest Meteorology 124: 81-97.

VASCONCELOS MC et al. 2009. The flowering process of Vitis vinifera: a review. American Journal of Enology and Viticulture 60: 411-434.

VIANNA LF et al. 2016. Caracterização agronômica e edafoclimáticas dos vinhedos de elevada altitude. Revista de Ciências Agroveterinárias 15: 215-226.

WATT AM et al. 2008. Development of inflorescence primordia in Vitis vinifera L. cv. Chardonnay from hot and cold climates. Australian Journal of Grape Wine and Research 14: 46-53.

WINKLER AJ. 1965. Viticultura. México: Continental. 792p.

WÜRZ DA et al. 2017a. New wine-growing regions of Brazil and their importance in the evolution of Brazilian wine. BIO Web of Conferences 9: 1-4.

WÜRZ DA et al. 2017b. Agronomic performance of ‘Cabernet Sauvignon’ with leaf removal management in a high-altitude region of Southern Brazil. Pesquisa Agropecuária Brasileira 52: 869-876.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711812019081

Apontamentos



______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171