Revista de Ciências Agroveterinárias https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria <p style="margin: 0cm; margin-bottom: .0001pt;">Periódico da área de Ciências Agrárias e Veterinárias e áreas correlatas, vinculado ao Centro de Ciências Agroveterinárias, da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc).<br /><strong>Periodicidade</strong>: trimestral<br /><strong>Ano de criação</strong>: 2002</p> pt-BR <p>Os autores que publicam nesta revista estão de acordo com os seguintes termos:</p> <p>a) Os autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista os direitos autorais da primeira publicação, de acordo com a <strong><a href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/"><span style="color: #2e2e2e;">Creative Commons Attribution Licence</span></a></strong>. Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons do tipo atribuição BY.</p> <p>b) Autores têm autoridade para assumir contratos adicionais com o conteúdo do manuscrito.</p> <p>c) Os autores podem fornecer e distribuir o manuscrito publicado por esta revista.</p> rca.cav@udesc.br (Editorial Management Team) portal.periodicos@udesc.br (Technical Support Team) sex, 25 mar 2022 18:08:19 -0300 OJS 3.2.1.1 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Avaliação do crescimento de mudas de Azadirachta indica A. Juss em diferentes substratos https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/20978 <p>A <em>Azadirachta indica </em>é uma árvore que possui vários benefícios socioeconômicos e ambientais. Entretanto, são escassos os estudos sobre a produção de mudas desta essência florestal. O presente trabalho teve como objetivo avaliar a influência de sete substratos no crescimento de mudas da <em>A. indica</em>, produzidas em vasos plásticos de polietileno. Os substratos foram constituídos de combinações de areia grossa, argila, cama de ave, esterco de bovino, matéria orgânica dos vegetais e serragem de madeira. O experimento foi instalado no Instituto de Investigação Agrária de Moçambique (IIAM), na Estação Agrária de Lichinga, segundo o delineamento de blocos completos casualizados, com cinco repetições. A partir dos 30 dias após a semeadura foram efetuadas medições quinzenais de altura e diâmetro do coleto. Aos 120 dias foram quantificadas as variáveis massa seca da parte aérea, radicular, total e os índices de qualidades das mudas. Para as variáveis analisadas, os melhores resultados foram obtidos com uso do substrato 25% areia grossa + 50% matéria orgânica dos vegetais + 25% cama de aves, sendo este substrato recomendado para a produção de mudas de <em>A. indica</em>.</p> Cremildo Riba Gouveia Dias, Mino Emílio, Caetano Miguel Lemos Serrote Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/20978 sex, 25 mar 2022 00:00:00 -0300 Biossíntese e acúmulo de desoxinivalenol em trigo submetido à aplicação de carragena https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21239 <p>As micotoxinas representam uma grande ameaça para humanos e animais, além de reduzirem a qualidade de alimentos/rações. Acredita-se que essas toxinas sejam biossintetizadas como mecanismo de defesa (resposta ao estresse) de fungos. A micotoxina de maior interesse para cereais de inverno é conhecida por desoxinivalenol (DON), um tricoteceno biossintetizado principalmente por <em>Fusarium graminearum</em>. Esse estudo traz dados de três anos (2018, 2019 e 2020) de pesquisa de campo (24 experimentos) conduzidos no Oeste de Santa Catarina e no Nordeste do Rio Grande do Sul, Brasil, utilizando um polissacarídeo sulfatado exclusivo de algas vermelhas, carragena, associado a fungicidas para ajudar na supressão da biossíntese e acúmulo de desoxinivalenol (DON) em grãos de trigo. Foi observada uma redução de 36,4% na contaminação por DON. As condições climáticas influenciaram no acúmulo de DON nos grãos de trigo. A carragena se demostrou como um composto biológico capaz de atenuar a biossíntese e acúmulo de DON em grãos de trigo independente das condições climáticas.</p> Rafael Dal Bosco Ducatti, João Americo Wordell Filho, Sergio Miguel Mazaro Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21239 sex, 25 mar 2022 00:00:00 -0300 Elaboração de etograma para poedeiras criadas em gaiolas https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21308 <p>A avicultura, no Brasil, evoluiu muito nas últimas décadas, sendo ainda proeminente, contribuindo de maneira significativa para o agronegócio brasileiro. Um dos fatores importantes para o sucesso da produção avícola é o monitoramento e o controle eficiente do ambiente de criação, que colaboram para a promoção de maior nível de bem-estar para as aves criadas em sistema de confinamento. O estudo do comportamento animal é, tradicionalmente, realizado através de observações visuais dos animais, o que consome tempo e gera decisões subjetivas e susceptíveis ao erro humano. O objetivo geral deste projeto foi elaborar um etograma e avaliar de maneira eficiente o comportamento de galinhas poedeiras alojadas em gaiolas, por meio de gravações digitais. Foram utilizadas aves da linhagem comercial <em>Hisex Brown</em> e <em>Hisex White</em> com 51 semanas de vida, criadas em gaiolas com capacidade para duas aves. Para analisar as imagens, foi proposto um etograma composto por 12 eventos comuns neste tipo de sistema, o qual registrou os seguintes comportamentos: “sentada”, “comendo”, “bebendo”, “explorando penas”, “bicagem não agressiva”, “bicagem agressiva”, “movimentos de conforto”, “ócio”, “postura”, “estereotipia”, “bico aberto” e “asas abertas”. A partir da avaliação deste etograma, percebeu-se que o comportamento “comendo” ocupou a maior parte do tempo das aves (58%), seguido pelo comportamento “parada” (17,3%) e “movimentos de conforto” (8,8%). Os outros 16% foram distribuídos entre os eventos: “bebendo”, “explorando penas”, “bicagem não agressiva”, “bicagem agressiva” e “bico aberto”. Nas condições de ambiência e temperatura em que o experimento foi realizado, as galinhas manifestaram comportamento de “bico aberto” em 100% do tempo no período da tarde, indicando clara situação de estresse calórico. Dessa maneira, o etograma funcionou como uma aferição indireta do grau de ambiência destes animais, o que reflete de maneira direta no atendimento aos preceitos de bem-estar animal, quesito fundamental para a produção moderna de ovos.</p> Joyce Augusta Ferreira, Jean Kaique Valentim, Luiz Carlos Machado, Helder Freitas de Oliveira Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21308 sex, 25 mar 2022 00:00:00 -0300 Comportamento etológico do gado Bos taurus, Bos indicus e crioulo Caqueteño em três sistemas de cobertura de árvores de Brachiaria decumbens paddocks no sopé da Amazônia na Colômbia https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/19844 <p>O estudo foi realizado no Centro de Pesquisa Amazônica CIMAZ - MACAGUAL da Universidade da Amazônia, Colômbia, com um clima de floresta tropical úmida (Af). O comportamento do gado <em>Bos taurus</em>, <em>Bos indicus</em> e Caqueteño crioulo, os animais foram observados em cercados com três níveis de densidade de cobertura arbórea dispersa. A pastagem era composta de <em>Braquiaria decumbens</em> com 35 dias de recrescimento. Observações diretas foram feitas das 9h às 17h com intervalos de 10 minutos entre o registro das atividades. A atividade mais executada durante o dia por todos os animais era o pasto sob o sol, e aqueles que mais pastam são os Caqueteño crioulo, seguido pelo <em>Bos indicus</em> e, finalmente, o <em>Bos taurus</em>. A ruminação foi a segunda atividade mais importante desempenhada pelo gado, tendo apresentado a mesma tendência. Nos cercados com um baixo nível de cobertura arbórea, os animais pastam mais à sombra; esta tendência é mais relevante entre o gado <em>B. taurus</em>. O gado crioulo Caqueteño dedica menos tempo ao consumo de água e descanso, passando mais tempo pastando, nos níveis de cobertura alta e média, interrompem o pastoreio ao meio-dia por um tempo mais curto em comparação com o <em>B. indicus</em> e <em>B. taurus</em>; depois das 14 horas, os crioulos aumentam vertiginosamente o pastoreio. No nível de cobertura alta, o pico de pastagem dos Caqueteño crioulos é às 9h e das 13h30, enquanto no nível médio de cobertura de árvores, o pico de pastagem era ao meio-dia, 13h30 e 16h30, no nível alto de cobertura de árvores, o pico para as três raças era às 11h. Nas 9-9h30 e 16-17h, as raças reduzem substancialmente a ruminação.</p> Sandra Milena Londoño-Paéz, Jose Alfredo Orjuela-Chaves, Faver Álvarez-Carrillo, Juan Carlos Suarez-Salazar, Lucena Vasquez-Gamboa, Jhoyner Felipe Ortiz-Meneses, Gustavo Adolfo Celis Parra Copyright (c) 2021 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/19844 sex, 25 mar 2022 00:00:00 -0300 Micorrização e respiração microbiana do solo sob o cultivo de maracujá e pinhão manso em diferentes regimes hídricos https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21384 <p>Os fungos micorrízicos arbusculares (FMAs) e a população microbiana do solo ocupam papel de destaque em amenizar os efeitos causados pelo estresse hídrico em diversas culturas, entretanto se faz necessário estabelecer parâmetros sobre a dinâmica da interação desses microrganismos com as plantas em condições de estresse. Diante do exposto, o trabalho teve por objetivo avaliar a micorrização e a respiração microbiana do solo cultivado com mudas de maracujá amarelo e pinhão manso submetidas a diferentes níveis de água. O experimento foi realizado em vasos na casa de vegetação localizada na Universidade Estadual de Goiás, unidade de Ipameri. O delineamento utilizado foi inteiramente casualizado, e analisado em um esquema fatorial 2 x 7 sendo duas espécies de plantas (maracujá e pinhão manso) e sete níveis de fornecimento de água (25%, 50%, 75%, 100%, 125%, 150% e 175%) em relação a capacidade de campo (CC) do solo com cinco repetições, totalizando 70 parcelas experimentais de cultivo. Foram avaliadas a respiração microbiana do solo (RM), número de esporos micorrízicos (ESP) e colonização micorrízica (CM). Em termos de RM os solos responderam de forma distinta a alteração da umidade do solo, onde a microbiota do solo com pinhão manso se mostrou mais adaptada até aos 175% da CC que do maracujá. A condição de excesso hídrico provocou uma diminuição no ESP do solo de ambas a culturas, porém com efeito sendo mais significativo na cultura do maracujá que apresentou uma média de 77,2 esporos 50 g<sup>-1 </sup>de solo. A CM do pinhão manso e do maracujazeiro foram afetadas negativamente com o aumento dos níveis de umidade do solo, porém o pinhão manso apresentou em média uma taxa de CM 38,5% maior que o maracujá. De maneira geral a microbiota do solo e os FMAs sob mudas de pinhão manso responderam melhor ao estresse hídrico.</p> Ane Gabriele Vaz Souza, Layanara Oliveira Faria, Gabriela Aparecida Beserra, Gabriela Gomes da Silva, Larissa Pacheco Borges, Fernanda Vaz Dias, Fábio Santos Matos, Talles Eduardo Borges dos Santos Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21384 sex, 25 mar 2022 00:00:00 -0300 Fitotoxicidade de subdoses do herbicida dicamba quando aplicado em pré-emergência da cultura da soja não-tolerante https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21419 <p>As cultivares transgênicas de soja oferecem novas alternativas para a elaboração de programas de manejo de plantas daninhas, pois permitem a aplicação de herbicidas anteriormente considerados não seletivos à cultura, dentre estes, o herbicida dicamba. No entanto, é sabido que as cultivares não tolerantes são extremamente sensíveis a esse herbicida, de modo que a presença do mesmo na área, por consequência de deriva de outras áreas ou limpeza incorreta de tanque, pode promover injúrias à cultura. Assim, este trabalho foi realizado com o objetivo de avaliar a suscetibilidade da soja não-tolerante ao dicamba quando submetida à deriva simulada deste herbicida em condição de pré-emergência da cultura. Três experimentos foram realizados, sendo dois em casa-de-vegetação e um em campo. O delineamento utilizado foi de blocos ao acaso, com quatro repetições. Em casa de vegetação, foram utilizadas as cultivares Agroeste AS 3590 IPRO e Nidera 7709 IPRO, simulando-se sete e seis doses de dicamba, respectivamente. A campo, foi utilizada a cultivar Monsoy 5917 IPRO, com seis doses. De forma geral, indiferente da variedade de soja, sintomas visuais foram observados nas plantas a partir da dose de 3,75 g ha<sup>-1</sup> de dicamba, sendo que a dose de 60 g ha<sup>-1</sup> foi considerada crítica. Abaixo desta dose, houve recuperação das plantas; no entanto, acima da mesma, houve redução na massa final das parcelas. Em campo, não foi registrada perda de produtividade da cultura da soja nas doses estudadas.</p> Saul Jorge Pinto de Carvalho, Túlio Braga Magalhães, Ramiro Fernando López Ovejero, Matheus Gabriel Palhano Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21419 sex, 25 mar 2022 00:00:00 -0300 Distribuição espacial da produção, qualidade e armazenamento de sementes de soja obtidas em várzea tropical https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21203 <p>Em um campo de produção de sementes de soja, as características relacionadas a qualidade das sementes não são uniformes e apresentam variação dentro da área de produção. O objetivo deste trabalho foi identificar a distribuição espacial da produção, da qualidade e do potencial de armazenamento de sementes de soja obtidas em condições de várzea tropical, na região de Lagoa da Confusão (Tocantins, Brasil). Adotou-se uma amostragem sistemática e malha amostral regular com distância de 100x100 m entre cada ponto (um ponto por hectare). Na colheita, as plantas foram trilhadas com as sementes sendo limpas, pesadas, secas e armazenadas até o momento das análises fisiológicas e sanitárias, realizadas à 50, 100, 150 e 200 dias após o armazenamento (DAA). Foi determinada a umidade atual do solo no momento da colheita. Os resultados mostraram que: a produtividade das sementes apresentou variação de 13,03% (195-342 g.m<sup>-</sup>²); os testes de germinação e do envelhecimento acelerado apresentaram aumento da variação com o tempo de armazenamento, com maior variabilidade neste último (24% a 96%) a 200 DAA; as propriedades analisadas apresentaram forte grau de dependência espacial, sendo possível identificar regiões com maior e menor qualidade de sementes de soja relacionadas ao vigor e também uma maior variação e distinção na área de estudo de acordo com o período de análises pós-colheita.</p> Edmar Vinicius de Carvalho, Patricia Resplandes Rocha dos Santos, Andressa Bruna Lima Morais, Wictor Matheus da Conceição de Jesus, Luigi Zanfra Provenci, Cezar Neucir Freiberger, Gustavo André Colombo Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21203 sex, 25 mar 2022 00:00:00 -0300 Fontes alternativas de nitrogênio para intensificação da produção do capim Zuri https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21146 <p>A intensificação de produção das pastagens no Brasil é altamente dependente da adubação nitrogenada. O objetivo foi avaliar a produtividade do capim Zuri, em manejo de cortes sucessivos, quando submetido ao consórcio com leguminosas forrageiras e incorporação de resíduos orgânicos em substituição à adubação com ureia. Foi utilizado o delineamento em blocos completos casualizados, com seis fontes de nitrogênio (ureia; esterco bovino; cama de frango; nabo forrageiro; amendoim forrageiro; calopogônio e soja perene), em quatro repetições. Os resíduos e a ureia foram aplicados no início do experimento e a semeadura das leguminosas forrageiras foi realizado no mesmo dia do capim. Foram realizados três cortes no capim, quando este atingiu 90 cm de altura. Avaliaram-se os seguintes parâmetros: altura, índice relativo de clorofilas, biomassa fresca e seca da parte aérea, concentração de nitrogênio, percentual de proteína e no terceiro corte, a quantidade de perfilhos e o perfilhamento. Observou-se também que houve boa produção do capim, expresso pelos índices de biomassa fresca e biomassa seca, bem como com a alta produção, independente do tratamento utilizado. É possível obter alta taxa de crescimento e desenvolvimento do capim Zuri, expresso pelo perfilhamento e produção de biomassa seca, com fornecimento de N com o uso de qualquer uma das fontes nitrogenadas utilizadas.</p> Janine Mesquita Gonçalves, Hugo Jayme Mathias Coelho Peron, Luis Carlos Dias Costa Copyright (c) 2021 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21146 sex, 25 mar 2022 00:00:00 -0300 Validação prática de modelos de infravermelho próximo para tomate: sólidos solúveis e acidez https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21197 <p>O tomate é a hortaliça mais produzida e consumida, tendo aceitabilidade tanto para o consumo in natura quanto para a industrialização. Apesar da ampla aceitação dos tomates, o consumidor apresenta como exigência para aquisição do fruto a qualidade, mensurada através de parâmetros como sólidos solúveis (SS) e acidez titulável (AT). Uma técnica de análise química, não destrutiva e não invasiva e de resposta rápida, é a de espectroscopia de absorção na região do infravermelho próximo que tem sido bastante utilizada em várias indústrias, desde agrícola a petroquímica. Considerando a produção em alta escala, a qualidade do tomate exigida pelos consumidores e por se tratar de uma técnica não destrutiva e não invasiva da espectroscopia no infravermelho próximo (Near Infrared Spectroscopy – NIR), faz-se necessário modelos testados em condições comerciais garantindo um modelo de infravermelho próximo para tomate facilitando a classificação. Realizou-se a validação de forma externa e prática dos modelos de infravermelho próximo para tomate in natura, comparando com os métodos destrutivos e conferindo a acurácia dos modelos na qualificação do fruto quanto aos teores de sólidos solúveis e acidez. O presente trabalho apresenta modelos do projeto executado de 2018 a 2019, construídos através dos aplicativos Model Builder e The Unscrambler e selecionados a partir de parâmetros como coeficiente de calibração, coeficiente da validação cruzada, erro médio do conjunto de calibração, e da validação cruzada e cálculo do desvio do resíduo de calibração. Os resultados foram obtidos através da previsão do modelo para os atributos sólidos solúveis (SS) e acidez titulável (AT), do tomate de mesa com maior variabilidade de produção. O modelo para SS apresenta potencialidade para uso comercial, seja na determinação de ponto de colheita, seja na quantificação de qualidade do vegetal. Já para AT, o NIR portátil não produziu um modelo aplicável pela limitação do comprimento de onda.</p> Fernanda Campos de Oliveira Aguiar , Bruna Ariel Dias Guariglia, Annelisa Arruda de Brito, Luiz Fernandes Cardoso Campos, Abadia dos Reis Nascimento, Gilmarcos de Carvalho Corrêa , Luís Carlos Cunha Junior Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21197 sex, 25 mar 2022 00:00:00 -0300 Resposta de cultivares de soja à redução na densidade de plantas no planalto norte catarinense https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21217 <p>A densidade de plantas é uma prática de manejo relevante para obtenção de altas produtividades na cultura da soja (<em>Glycine max </em>(L) Merrill). A tendência de diminuir a população de plantas é crescente devido ao alto custo das sementes. Desta forma, o objetivo do presente estudo foi avaliar o desempenho agronômico de diferentes cultivares de soja à redução na densidade de plantas no Planalto Norte Catarinense. O delineamento experimental foi de blocos ao acaso dispostos em parcelas subdivididas. Nas parcelas principais foram avaliadas cinco cultivares: AS3590 IPRO, BMX Ativa RR, BMX Zeus IPRO, M5838 IPRO e NS5445 IPRO. Nas subparcelas foram avaliadas quatro densidades populacionais: 120.000 plantas ha<sup>-1</sup>, 160.000 plantas ha<sup>-1</sup>, 200.000 plantas ha<sup>-1</sup> e a testemunha (densidade indicada pela detentora da cultivar). Foram realizadas avaliações de rendimento de grãos e seus componentes e os dados submetidos a análise de variância utilizando teste de F. Quando significativas, as médias dos efeitos principais foram comparadas pelo teste de Tukey, e em caso de interação, as médias foram comparadas por análise de regressão. Ambas as comparações foram ao nível de significância de 5%. A redução na população de plantas não afetou o número de vagens por área, o número de grãos por vagem, o índice de colheita e o rendimento de grãos. Por outro lado, a redução na densidade de plantas aumentou o número de vagens nos ramos e por planta. As cultivares de soja testadas suportaram reduções na população de plantas, sem afetar o rendimento de grãos e a produtividade. Desta maneira, a redução na densidade de plantas pode ser recomendada para a soja cultivada no Planalto Norte Catarinense.</p> André Felipe Hermann Deretti, Luis Sangoi, Marcos Cardoso Martins Junior, Paulo Sérgio Gularte, Valdeci Castagneti, Lucieli Santini Leolato, Hugo François Kuneski , Rafael Leandro Scherer, Jardel Berkenbrock, Lucas Duarte, Marcelo de Souza Nunes Copyright (c) 2022 Autores e Revista de Ciências Agroveterinárias https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/21217 sex, 25 mar 2022 00:00:00 -0300