Maize yield and economic return in integrated production system with doses of nitrogen

Authors

  • Marcos Renan Besen Universidade Estadual de Maringá
  • Ricardo Henrique Ribeiro Universidade Federal do Paraná
  • Marina Goetten Universidade Federal de Santa Catarina
  • Samuel Luiz Fioreze Universidade Federal de Santa Catarina
  • Claudia Aparecida Guginski-Piva Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Jonatas Thiago Piva Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711912020094

Keywords:

Zea mays L., nitrogen, no-tillage, residual effect, profit.

Abstract

Maize is highly demanding and responsive to nitrogen (N) fertilization, inserted in several production systems, with the recent highlight for integrated production systems. This study aimed to assess the effect of N rates on maize, as well as the economic aspect in an integrated production system. The experimental design was a randomized complete block design with four replicates. Four N rates in topdressing (0, 40, 80, and 120 kg ha-1) were assessed. Maize was cultivated under black oat and ryegrass mixed straw. Stem diameter, main ear insertion height, and ear parameters, except for the number of rows per ear, which increased linearly as a function of N rates, in turn, plant height responded quadratically until 81 kg N   ha-1. Grain yield increased significantly as a function of N, indicating a residual effect of winter fertilization and high N use efficiency in the production system. The highest grain yield and profitability were obtained at the rate of 120 kg N ha-1.

Author Biographies

Marcos Renan Besen, Universidade Estadual de Maringá

Doutorando em Agronomia pela Universidade Estadual de Maringá, com area de concentração em Solos e Nutrição de Plantas.

Ricardo Henrique Ribeiro, Universidade Federal do Paraná

Mestrando em Ciência do Solo

Marina Goetten, Universidade Federal de Santa Catarina

Engenheira Agrônoma

Samuel Luiz Fioreze, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor no curso de Agronomia,Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Campus Curitibanos, Centro de Ciências Rurais

Claudia Aparecida Guginski-Piva, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Professora do curso de Agronomia -Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC), Campos Novos

Jonatas Thiago Piva, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor adjunto do departamento de ciências biológicas e agronômicas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), campus Curitibanos

References

ASSMANN TS et al. 2010. Produção de gado de corte e de pastagem de aveia em sistema de integração lavoura-pecuária em presença e ausência de trevo e nitrogênio. Revista Brasileira de Zootecnia 39: 1387-1397.

BALIGAR VC et al. 1990. Soil-plant interaction on nutrient efficiency plants: an overview. In: BALIGAR RV & DUNCAN RR. (Ed). Crop as enhancers of nutrient use. San Diego: Academic. p.351-373.

BESEN MR et al. 2018. Fontes minerais de nitrogênio na sucessão milho-trigo em sistema de plantio direto. Journal of Agronomic Sciences 7: 87-102.

BESEN MR et al. 2019. Produtividade do milho em resposta à inoculação com Azospirillum brasilense e adubação nitrogenada em clima subtropical. Revista Brasileira de Milho e Sorgo 18: 219-230.

CAIRES EF & MILLA R. 2016. Adubação nitrogenada em cobertura para o cultivo de milho com alto potencial produtivo em sistema de plantio direto de longa duração. Bragantia 75: 87-95.

CANTERELLA H. 2007. Nitrogênio. In: NOVAIS RF et al. Fertilidade do solo. Viçosa: SBCS. p.375-470.

CONAB. 2015. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira de grãos. Brasília: Conab. 107p.

CRUZ JC et al. 2008. Cultivo do Milho. 4.ed. Sete Lagoas: Embrapa Milho e Sorgo. p.171-195.

EPAGRI/CEPA. 2018. Síntese Anual da Agricultura de Santa Catarina 2017-18. Florianópolis. Disponível em: http://webdoc.epagri.sc.gov.br/sintese.pdf. Acesso em: 04 nov. 2019.

ESCOSTEGUY PAV et al. 1997. Doses e épocas de aplicação de nitrogênio em cobertura na cultura do milho em duas épocas de semeadura. Revista Brasileira de Ciência do Solo 21: 71-77.

FERNANDES FCS et al. 2005. Dose, eficiência e uso de Nitrogênio por seis cultivares de milho. Revista Brasileira de Milho e Sorgo 4: 195-204.

GOES RJ et al. 2012. Nitrogênio em cobertura para o milho (Zea mays L.) em sistema plantio direto na safrinha. Revista Brasileira de Milho e Sorgo 11: 169-177.

GOES RJ et al. 2013. Características agronômicas e produtividade do milho sob fontes e doses de nitrogênio em cobertura no inverno. Revista Brasileira de Milho e Sorgo 12: 250-259.

HENTZ P et al. 2014. Ciclagem de Nitrogênio em Sistemas de Integração Lavoura-Pecuária. Ciência e Natura 36: 663-676.

IBGE. 2019. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Santa Catarina - Pecuária. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/pesquisa/18/0. Acesso em: 05 nov. 2019.

IFIA. 2016. International Fertilizer Industry Association. Fertilizer use by crop. 5.ed. Paris: IFA. Disponível em: http://www.fertilizer.org. Acesso em: 20 ago. 2018.

JOCHIMS F et al. 2016. O leite para o Oeste Catarinense. Agropecuária Catarinense 29: 18-21.

LANG CR et al. 2011. Integração Lavoura-Pecuária: eficiência de uso do nitrogênio na cultura do milho. Scientia Agraria 12: 53-60.

LOCATELLI JL et al. 2019. Uso de dejeto líquido de suínos permite reduzir a adubação mineral na cultura do milho? Revista de Ciências Agrárias 42: 628-637.

LOPES ECP et al. 2017. Estratégias de adubação nitrogenada na cultura do milho em sistema integrado de produção agropecuária. Revista Brasileira de Milho e Sorgo 16: 161-177.

NOVAKOWISKI JH et al. 2011. Efeito residual da adubação nitrogenada e inoculação de Azospirillum brasiliense na cultura do milho. Semina: Ciências Agrárias 32: 1687-1698.

QUEIROZ AM et al. 2011. Avaliação de diferentes fontes e doses de Nitrogênio na adubação da cultura do milho (Zea mays L.). Revista Brasileira de Milho e Sorgo 10: 257-266.

SANDINI IE et al. 2011. Efeito residual do nitrogênio na cultura do milho no sistema de integração lavoura-pecuária. Ciência Rural 41: 1315-1322.

SANTOS HG et al. 2013a. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed. Brasília: Embrapa. 342p.

SANTOS LPD et al. 2013b. Doses de nitrogênio na cultura do milho para altas produtividades de grãos. Revista Brasileira de Milho e Sorgo 12: 270-279.

SICHOCKI D et al. 2014. Resposta do milho safrinha à doses de Nitrogênio e de Fósforo. Revista Brasileira de Milho e Sorgo 13: 48-58.

SILVA DA & SOUZA LCF. 2007. Análise econômica de sucessões de culturas para milho, com níveis de nitrogênio em cobertura. Revista Brasileira de Milho e Sorgo 6: 256-262.

SILVA EC et al. 2005a. Doses e épocas de aplicação de nitrogênio na cultura do milho em plantio direto sobre Latossolo Vermelho. Revista Brasileira de Ciência do Solo 29: 353-362.

SILVA EC et al. 2005b. Épocas e formas de aplicação de nitrogênio no milho sob plantio direto em solo de cerrado. Revista Brasileira de Ciência do Solo 29: 725-733.

SILVEIRA ER et al. 2012. Grazing intensity and nitrogen in oat dry mass and yield of corn crop livestock systems. Semina: Ciências Agrárias 33: 1323-1331.

SIMIONI FJ et al. 2017. Indicadores de eficiência técnica e econômica do milho cultivado em sistema plantio direto no Estado de Santa Catarina, Brasil. Revista Ceres 64: 232-241.

VILELA L et al. 2011. Sistemas de integração lavoura pecuária na região do Cerrado. Pesquisa Agropecuária Brasileira 46: 1127-1138.

Published

2020-04-03

Issue

Section

Research Article - Multisections and Related Areas