Adubação nitrogenada e pulverização foliar de Azospirillum brasilense em trigo: efeitos na nutrição mineral e produtividade

Autores

  • Marcos Renan Besen Universidade Estadual de Maringá http://orcid.org/0000-0002-1825-0097
  • Antonio Feijo Goes Neto Universidade Estadual de Maringá
  • Michel Esper Neto Universidade Estadual de Maringá http://orcid.org/0000-0003-3241-3996
  • Eder Junior de Oliveira Zampar Universidade Estadual de Maringá
  • Eunápio José de Oliveira Costa Universidade Estadual de Maringá
  • Vitor Rodrigues Cordioli Universidade Estadual de Maringá
  • Tadeu Takeyoshi Inoue Universidade Estadual de Maringá
  • Marcelo Augusto Batista Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711942020483

Palavras-chave:

auxina, bactérias diazotróficas, eficiência de uso do nitrogênio, nutrição mineral, Triticum aestivum

Resumo

O uso de Azospirillum brasilense apresenta potencial em melhorar a eficiência de uso do nitrogênio (N), sendo necessário melhor compreensão de formas alternativas de inoculação, visto que o tratamento químico de sementes pode comprometer a eficiência das bactérias. O objetivo foi avaliar os efeitos do A. brasilense aplicado via foliar associado a adubação nitrogenada na cultura do trigo. O experimento foi implantado em Lidianópolis, no estado do Paraná, Brasil, em blocos completos com tratamentos ao acaso e quatro repetições, sendo os tratamentos: quatro doses de A. brasilense via foliar (0, 200, 400 e 600 ml ha-1) e quatro doses de N (0, 40, 80 e 120 kg N ha-1). Foram avaliados os teores nutricionais, componentes de rendimento, qualidade e produtividade. Não houve interação entre os fatores, tampouco efeito isolado dos tratamentos para comprimento da espiga, número de espiguetas por espiga, espigas por m², massa de mil grãos e peso de hectolitro. Todavia as doses de A. brasilense, aumentaram a absorção de Ca e Mg até a dose de 283 e 380 ml ha-1, respectivamente. De modo similar, o N aplicado aumentou os teores foliares de cálcio, magnésio, além de cobre até a dose de 61, 47 e 49 kg ha-1 de N, respectivamente. O N também incrementou o número de grãos por espiga e a produtividade até a dose 56 e 54 kg N ha-1, respectivamente, porém a eficiência de uso de N diminuiu com o aumento da dose. A produtividade se correlacionou com número de grãos por espiga e teores foliares de manganês e cobre. Os resultados demonstram que a inoculação com A. brasilense foliar foi favorável a maior absorção de macronutrientes catiônicos divalentes, e o N fundamental para aumento da produtividade, sendo as melhores respostas obtidas entre as doses de 47 a 61 kg ha-1.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Renan Besen, Universidade Estadual de Maringá

Doutorando em Agronomia pela Universidade Estadual de Maringá, com area de concentração em Solos e Nutrição de Plantas.

Antonio Feijo Goes Neto, Universidade Estadual de Maringá

Doutorando em Agronomia PGA/UEM

Michel Esper Neto, Universidade Estadual de Maringá

Doutorando em Agronomia PGA/UEM

Eder Junior de Oliveira Zampar, Universidade Estadual de Maringá

Mestrando em Agronomia PGA/UEM

Eunápio José de Oliveira Costa, Universidade Estadual de Maringá

Mestre em Agronomia PGA/UEM

Vitor Rodrigues Cordioli, Universidade Estadual de Maringá

Graduando em Agronomia UEM

Tadeu Takeyoshi Inoue, Universidade Estadual de Maringá

Departamento de Agronomia - Solos e Nutrição de Plantas PGA/UEM

Marcelo Augusto Batista, Universidade Estadual de Maringá

Departamento de Agronomia- Solos e Nutrição de Plantas PGA/UEM

Referências

ABITRIGO 2017. Associação Brasileira da Indústria do Trigo. Importação e Exportação. Disponível em: http://www.abitrigo.com.br/estatisticas-importacao-e-exportacao.php. Acesso em: 02 fev. 2020.

ARAÚJO EO et al. 2013. Estado nutricional do milho em resposta à aplicação de nitrogênio e à inoculação com Azospirillum brasilense e Herbaspirillum seropedicae. In: XII Seminário Nacional Milho Safrinha. Resumos... Dourados: EMBRAPA & UFGD. p.1-4.

BASHAN Y & de-BASHAN L. 2010. How the plant growth-promoting bacterium Azospirillum promotes plant growth: A critical assessment. Advances in Agronomy 108: 77-136.

BESEN MR et al. 2018. Fontes minerais de nitrogênio na sucessão milho-trigo em sistema de plantio direto. Journal of Agronomical Sciences 7: 87-102.

CASANOVAS EM et al. 2002. Azospirillum inoculation mitigates water stress effects in maize seedlings. Cereal Research Communications 30: 343-350.

CASSÁN F et al. 2009. Cadaverine production by Azospirillum brasilense and its possible role in plant growth promotion and osmotic stress mitigation. European Journal of Soil Biology 45: 12-19.

CAZETTA DM et al. 2007. Resposta de cultivares de trigo e triticale ao nitrogênio no sistema de plantio direto. Científica 35: 155-157.

CEPEA. 2018. Centro de Pesquisas Econômicas da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. TRIGO/CEPEA: Oferta abundante pode pressionar rentabilidade do produtor em 2018. Disponível em: https://www.cepea.esalq.usp.br/br/releases/trigoperspec-2018-oferta-abundante-pode-pressionar-rentabilidade-do-produtor-em2018.aspx. Acesso em: 05 fev. 2020.

COELHO MAO et al. 2001. Composição mineral e exportação de nutrientes pelos grãos do trigo irrigado e submetido a doses crescentes e parceladas de adubo nitrogenado. Revista Ceres 48: 81-94.

CONAB. 2018. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da Safra Brasileira de Grãos 2018/19. Brasília: CONAB. Disponível em: https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/graos/boletim-da-safra-de-graos. Acesso em: 22 Mar. 2020.

CORREIA LV et al. 2020. Inoculation of wheat with Azospirillum spp.: A comparison between foliar and in-furrow applications. Journal of Agricultural Science 12: 194-199.

CREUS CM et al. 2004. Water relations and yield in Azospirillum-inoculated wheat exposed to drought in the field. Canadian Journal of Botany 82: 273-281.

DÍAZ-ZORITA M & CANIGIA MFV. 2009. Field performance of a liquid formulation of Azospirillum brasilense on dryland wheat productivity. European Journal of Soil Biology 45: 3-11.

DOBBELAERE SA et al. 2002. Effect of inoculation with wild type Azospirillum brasilense and A. irakense strains on development and nitrogen uptake of spring wheat and grain maize. Biology and Fertility of Soils 36: 284-297.

DOORENBOS J & KASSAN HA. 1979. Yield response to water. Paper 33. Rome: FAO Irrigation and Drainage. 193p.

ESPÍNDULA MC et al. 2010. Composição mineral de grãos de trigo submetidos a doses de sulfato de amônio e trinexapac-etil. Pesquisa Agropecuária Tropical 40: 513-520.

FAGERIA NK & BALIGAR VC. 2005. Enhancing nitrogen use efficiency in crop plants. Advances in Agronomy 88: 97-185.

FERNANDES MS. 2016. Integração de conhecimentos para uso eficiente do N na agricultura. In: MOREIRA FMS & KASUYA MCM (Eds.). Fertilidade e biologia do solo: integração e tecnologia para todos. Viçosa: SBCS. p.174-195.

FUKAMI J et al. 2016. Acessing inoculation methods of maize and wheat with Azospirillum brasilense. AMB Express 6: 1-13.

GALINDO FS et al. 2019. Micronutrient Accumulation with Azospirillum brasilense Associated with Nitrogen Fertilization Management in Wheat. Communication in Soil Science and Plant Analysis 50: 2429-2441.

GALINDO FS et al. 2015b. Épocas de inoculação com Azospirillum brasilense via foliar afetando a produtividade da cultura do trigo irrigado. Revista Tecnologia e Ciência Agropecuária 9: 43-48.

GALINDO FS et al. 2015a. Efeito de épocas de aplicação foliar de Azospirillum brasilense nos teores de nutrientes do trigo irrigado. Revista Tecnologia e Ciência Agropecuária 9: 37-42.

HEINEMANN AB et al. 2006. Eficiência de uso da radiação solar na produtividade do trigo decorrente da adubação nitrogenada. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 10: 352-356.

KIM YC et al. 2012. Enhancement of plant drought tolerance by microbes. In: AROCA R. (Ed.). Plant responses to drought stress: from morphological to molecular features. Berlin: Springer Verlag. p.383-413.

LIBARDI VCM & COSTA MB. 1997. Consumo d’água da cultura do trigo (Tricutum aestivum L.). Revista da FZVA 4: 16-23.

LIU K et al. 2000. Inward potassium channel in guard cells as a target for polyamine regulation of stomatal movements. Plant Physiology 124: 1315-1326.

MALAVOLTA E et al. 1997. Avaliação do estado nutricional das plantas: Princípios e aplicações. Piracicaba: POTAFOS. 319p.

MARKS BB et al. 2015. Maize growth promotion by inoculation with Azospirillum brasilense and metabolites of Rhizobium tropici enriched on lipo-chitooligosaccharides (LCOs). AMB Express 5:1-11.

MENDES MC et al. 2011. Avaliação da eficiência agronômica de Azospirillum brasilense na cultura do trigo e os efeitos na qualidade de farinha. Pesquisa Aplicada & Agrotecnologia 4: 95-110.

MORAGHAN JT & MASCAGNI Jr HJ. 1991. Environmental and soil factors affecting micronutrient deficiencies and toxities. In: MORTVEDT JJ et al. (Eds.). Micronutrients in Agriculture. Madison: SSSA Book Series. p.371-425.

MOREIRA FMS & SIQUEIRA JO. 2002. Microbiologia e Bioquímica do Solo. 2.ed. Lavras: Editora UFLA. 729p.

MOREIRA A et al. 2019. Copper fertilization in soybean-wheat intercropping under no-till management. Soil and Tillage Research 193: 133-141.

MUNARETO JD et al. 2018. Compatibility of Azospirillum brasilense with fungicide and insecticide and its effects on the physiological quality of wheat seeds. Semina: Ciências Agrárias 39: 855-864.

NOZAKI MH et al. 2014. Efeito do Azospirillum spp. em associação com diferentes doses de adubação mineral na cultura do trigo. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde 17: 27-35.

OFFEMANN LC. 2015. Inoculação via sementes e foliar de Azospirillum brasilense na cultura do trigo, associado à fertilização nitrogenada. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Marechal Cândido Rondon: UNIOSTE. 50p.

OKON Y & KAPULNIK Y. 1986. Development and function of Azospirillum-inoculated roots. Plant and Soil 90: 3-16.

PEREIRA LC et al. 2017. Rendimento do trigo (Triticum aestivum) em resposta a diferentes modos de inoculação com Azospirillum brasilense. Revista de Ciências Agrárias 40: 105-113.

RIBEIRO RH et al. 2018. Seed and leaf inoculation with Azospirillum brasilense and increasing nitrogen in wheat production. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 13: 1-8.

RONSANI SC et al. 2018. Adubação nitrogenada na produção de grãos e matéria seca de cultivares de trigo de duplo propósito. Revista de Ciências Agroveterinárias 17: 174-181.

ROLIM GS et al. 1998. Planilhas no ambiente Excel para os cálculos de balanços hídricos: normal, sequencial, de cultura e de produtividade real e potencial. Revista Brasileira de Agrometeorologia 6: 133-137.

SANTOS HG et al. 2013. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed. Brasília: Embrapa. 342p.

SILVA SR & PIRES JFL. 2017. Resposta do trigo BRS Guamirim à aplicação de Azospirillum, nitrogênio e substâncias promotoras do crescimento. Revista Ciência Agronômica 48: 631-638.

SBCS/NEPAR. 2017. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. Núcleo Estadual do Paraná. Manual de adubação e calagem para o estado do Paraná. Curitiba: SBCS. 482p.

TIEN TM et al. 1979. Plant growth substances produced by Azospirillum brasilense and their effect on the growth of pearl millet (Pennisetum americanum L.). Applied and Environmental. Microbiology 37: 1016-1024.

VERESOGLOU SD & MENEXES G. 2010. Impact of inoculation with Azospirillum spp. on growth properties and seed yield of wheat: a meta-analysis of studies in the ISI Web of Science from 1981 to 2008. Plant and Soil 337: 469-480.

YANG J et al. 2009. Rhizosphere bacteria help plants tolerate abiotic stress. Trends in Plant Science 14: 1-4.

WILSON DO et al. 1982. Changes in soybean seed oil and protein as influenced by manganese nutrition. Crop Science 22: 948-952.

Downloads

Publicado

2020-12-14

Como Citar

BESEN, Marcos Renan; GOES NETO, Antonio Feijo; ESPER NETO, Michel; ZAMPAR, Eder Junior de Oliveira; COSTA, Eunápio José de Oliveira; CORDIOLI, Vitor Rodrigues; INOUE, Tadeu Takeyoshi; BATISTA, Marcelo Augusto. Adubação nitrogenada e pulverização foliar de Azospirillum brasilense em trigo: efeitos na nutrição mineral e produtividade. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 19, n. 4, p. 483–493, 2020. DOI: 10.5965/223811711942020483. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/17760. Acesso em: 20 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Multiseções e Áreas Correlatas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)