Dinâmica da abscisão de estruturas reprodutivas em acessos de feijoeiro comum

Autores

  • Nicole Orsi Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, SP.
  • Caroline Moraes Universidade Federal de Santa Catarina, Campus de Curitibanos.
  • Ana Carolina da Costa Lara-Fioreze Universidade Federal de Santa Catarina, Campus de Curitibanos.
  • Samuel Luiz Fioreze Universidade Federal de Santa Catarina, Campus Curitibanos.

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712012021010

Palavras-chave:

Phaseolus vulgaris L., abscisão, flores, vagens, ajuste

Resumo

Genótipos do pool gênico andino e mesoamericano podem apresentar comportamentos contrastantes para a fixação de estruturas reprodutivas. O objetivo deste estudo foi determinar a dinâmica associada à abscisão de estruturas reprodutivas para acessos de feijoeiro comum dos pools gênicos andino e mesoamericano em condições de cultivo protegido. O experimento foi conduzido em casa de vegetação, utilizando-se sete acessos de feijoeiro da Embrapa Arroz e Feijão e o delineamento experimental foi em blocos casualizados. As avaliações feitas foram o número de dias para o início da floração, período de floração, número de flores emitidas por planta, número de botões florais, flores e frutos abortados por planta, número total de frutos por planta e número de sementes por planta. Observou-se significância para as características de dias para início do florescimento, período de floração, porcentagem de vagens abortadas e número de vagens colhidas. Os acessos mesoamericanos que apresentaram maior aborto também produziram mais flores, o que sugere que o aborto de estruturas reprodutivas pode ser um ajuste natural da planta. Acessos andinos com menor período reprodutivo, apresentaram maior aborto de frutos. A dinâmica de abscisão da flor e da vagem no feijoeiro mostrou-se amplamente variável dependendo dos diferentes pools gênicos e genótipos avaliados, devido ao hábito de crescimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASCOUGH GD et al. 2005. Flower abscission: environmental control, internal regulation and physiological responses of plants. South African Journal of Botany 71: 287-301.

CABRAL PDS et al. 2011. Diversidade genética de acessos de feijão comum por caracteres agronômicos. Revista de Ciência Agronômica 42: 898-905.

DRUN RP et al. 2017. Parâmetros produtivos do feijão vermelho em função do tamanho de sementes. Colloquium Agrariae 13: 41-48.

FERREIRA DF. 2011. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia 35: 1039-1042.

EGLI DB & BRUENING WP. 2006. Temporal profiles of pod production and reproductive success in soybean. European Journal of Agronomy 24: 11-18.

FAKIR MAS et al. 2011. Flowering pattern and reproductive efficiency in mungbean. International Journal of Agriculture & Biology 13: 966-970.

FARLOW PJ. 1981. Effect of low temperature on number and location of developed seed in two cultivars of Phaseolus vulgaris French bean (L). Australian Journal of Agricultural Research 32: 325-330.

GOMES AA et al. 2000. Acumulação de biomassa, características fisiológicas e rendimento de grão em cultivares de feijoeiro irrigado e sob sequeiro. Pesquisa Agropecuária Brasileira 35: 1927-1937.

HOFFMANN JÚNIOR L et al. 2007. Resposta de cultivares de feijão à alta temperatura no período reprodutivo. Ciência Rural 37: 1543-1548.

HUFF A & DYBING D. 1980. Factors affecting shedding of flowers in soybean (Glycine max (L.) Merrill). Journal of Experimental Botany 31: 751-762.

IZQUIERDO J & HOSFIELD GL. 1981. A collection receptacle for field abscission studies in common beans (Phaseolus vulgaris L.). Crop Science 21: 622- 625.

LIU F et al. 2003. Loss of pod set caused by drought stress is associated with water status and ABA content of reproductive structures in soybean. Functional Plant Biology 30: 271-280.

MADRIZ P et al. 2015. Aborto de estructuras reproductivas de cultivares de caraota (Phaseolus vulgaris L.) evaluadas em cuatro localidades de Venezuela. Revista de la Facultad de Agronomía 41: 19-32.

MARTINS SM et al. 2017. Genetic control of number of flowers and pod set in common bean. Genetics and Molecular Research 16: 1-14.

MONDAL MMA et al. 2011. Deflowering effect on vasculature and yield attributes in raceme of mungbean [Vigna radiata (L.) Wilczek]. Australian Journal of Crop Science 5: 1339-1344.

MONTERROSO VA & WIEN HC. 1990. Flower and pod abscission due to heat stress in beans. Journal of the American Society for Horticultural Science 115: 631-634.

PERKSEN E. 2007. Dynamics of flower appearance, flowering, pod and seed setting performance and their relations to seed yield in common bean (Phaseolus vulgaris L.). Pakistan Journal of Botany 39: 485-496.

REIS WP et al. 1985. Arranjos e populações do feijoeiro na consorciação com o milho. Pesquisa Agropecuária Brasileira 20: 575-584.

SALGADO FHM et al. 2011. Comportamento de genótipos de feijão, no período da entressafra, no sul do Estado de Tocantins. Bioscience Journal 27: 52-58.

SANTOS HG et al. 2013. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 4.ed. Brasília: Embrapa. 353p.

SEXTON R & ROBERTS JA. 1982. Cell biology of abscission. Annual Review of Plant Physiology 33: 133-162.

SILVA HT. 2005. Descritores mínimos indicados para caracterizar cultivares/variedades de feijão comum (Phaseolus vulgaris L.). Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão. 32p.

SILVA VR et al. 2006. Variação na temperatura do solo em três sistemas de manejo na cultura do feijão. Revista Brasileira de Ciência do Solo 30: 391-399.

SINGH SP et al. 1991. Genetic diversity in cultivated common bean: II. Marker-Based analysis of morphological and agronomic traits. Crop Science 31: 23-29.

TANKSLEY SD. 1993. Mapping polygenes. Annual Review of Genetics 27: 205-233.

TISCHNER T et al. 2003. Genetics of seed abortion and reproductive traits in soybean. Crop Science 43: 464-473.

WIENS D. 1984. Ovule survivorship, brood size, life history, breeding systems, and reproductive success in plants. Oecologia 64: 47-53.

WIEBOLD WJ & PANCIERA MT. 1990. Vasculature of soybean racemes with altered intraraceme competition. Crop Science 30: 1089-1093.

YAMAN M. 1994. The effect of different planting dates on yield and flower drops in dry bean cultivars. Proceedings of the Field Crops Congress of Turkey 1: 325-327.

ZILIO M et al. 2011. Contribuição dos componentes de rendimento na produtividade de genótipos crioulos de feijão (Phaseolus vulgaris L.). Revista Ciência Agronômica 42: 429-438.

Downloads

Publicado

2021-03-29

Como Citar

ORSI, N.; MORAES, C.; LARA-FIOREZE, A. C. da C.; FIOREZE, S. L. Dinâmica da abscisão de estruturas reprodutivas em acessos de feijoeiro comum. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 20, n. 1, p. 010 - 018, 2021. DOI: 10.5965/223811712012021010. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/17965. Acesso em: 21 set. 2023.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)