Weeds interference periods in the common bean crop

Authors

  • Juliano José Schiessel Universidade Federal de Santa Catarina, campus Curitibanos
  • Guilherme Romani de Mello Universidade Federal de Santa Catarina, campus Curitibanos.
  • Jaqueline Schmitt Universidade Federal de Santa Catarina, campus Curitibanos.
  • Luis Felipe Pastorello Universidade Federal de Santa Catarina, campus Curitibanos.
  • Felipe Bratti Universidade Federal de Santa Catarina, campus Curitibanos.
  • Antonio Mendes de Oliveira Neto Instituto Federal Catarinense (IFC), campus Rio do Sul.
  • Naiara Guerra Universidade Federal de Santa Catarina, campus Curitibanos.

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711842019430

Keywords:

Phaseolus vulgaris, coexistence, competition.

Abstract

This work aimed to determine weed interference on common bean crop productivity (Phaseolus vulgaris). The experiment was carried out in the agricultural crop-year of 2016/2017 in the county of Curitibanos, SC. The experimental design was a randomized block design with twelve treatments and five replications. The treatments were arranged in a factorial scheme 2 x 6. The first factor was represented by two interference models being a period of coexistence or period before interference (PAI), and another control period or total period of interference prevention (PTPI). The second factor consisted of 6 growing seasons in which the crop cohabited or was kept free of the presence of weeds (0, 7, 15, 30, 60, 102 days after emergence - DAE). The following parameters were evaluated: the plant stand count at 2.0 meters, number of pods per plant, the mass of a hundred grains, and the final yield. Our results demonstrated that the critical period of interference prevention (PCPI) was situated between 5 and 54 DAE. Weed interference during the whole cycle of the bean crop reduced the number of plants, the number of pods per plant, and the yield of the cv. IPR Tangará, being the last variable in 80.4%.

References

BARBOSA FR & GONZAGA ACO. 2012. Informações Técnicas para o Cultivo do Feijoeiro Comum na Região Central-brasileira: 2012-2014. Santo Antônio de Goiás: EMBRAPA. 247p. (Documentos 272).

BARROSO AAM et al. 2010. Interferência entre espécies de planta daninha e duas cultivares de feijoeiro em duas épocas de semeadura. Bragantia 69: 609-616.

BORCHARTT L et al. 2011. Períodos de interferência de plantas daninhas na cultura do feijoeiro-comum (Phaseolus vulgaris L.). Ciência Agronômica 42: 725-734.

CONAB. 2017. Companhia Nacional de abastecimento. 12 Levantamento de safra. Disponível em: <http://www.conab.gov.br/OlalaCMS/uploads/arquivos/17_09_12_10_14_36_boletim_graos_setembro_2017.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2018.

COSTA DS et al. 2013. Weed management and its relation to yield and seed physiological potential in common bean cultivars. Pesquisa Agropecuária Tropical 43: 147-154.

EMBRAPA. 2013. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed. Brasília. 353p.

EPAGRI. 2012. Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina. Informações técnicas para o cultivo de feijão na região Sul brasileira. Florianópolis: Comissão Técnica Sul-Brasileira de Feijão. 157p.

FERREIRA DF. 2011. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia 35: 1039-1042.

FREITAS FCL et al. 2009. Interferência de plantas daninhas na cultura do feijão-caupi. Planta Daninha 27: 241-247.

IAPAR. 2009. Instituto Agronômico do Paraná. Cultivar de Feijão IPR Tangará. Grupo carioca de porte ereto e alto potencial de rendimento.

INCAPER. 2010. Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural. Informações técnicas para o cultivo do feijoeiro-comum na região central-brasileira: 2009 - 2011. Vitória: (Documentos 191).

LUNKES JA. 1997. Manejo integrado de plantas daninhas na cultura do feijão. In: FANCELLI AL & DOURADO-NETO D. (Ed.). Tecnologia da produção do feijão irrigado. Piracicaba: ESALQ. p. 9-19.

MANOS MGL et al. 2013. Informações Técnicas para o Cultivo do Feijoeiro Comum na Região Nordeste Brasileira. Aracaju: EMBRAPA. 201p. (Documentos 181).

MARQUES RF. 2012. Período de interferência de plantas daninhas e seletividade a herbicidas na cultura do Crambe (Crambe abyssinica Hoechst). Dissertação (Mestrado em Agronomia). Dourados: UFGD. 72p.

MESCHEDE DK et al. 2002. Período crítico de interferência de Euphorbia heterophylla na cultura da soja, sob baixa densidade de semeadura. Planta Daninha 20: 381-387.

MESCHEDE DK et al. 2004. Período anterior a interferência de plantas daninhas em soja: estudo de caso com baixo estande e testemunhas duplas. Planta Daninha 22: 239-246.

NICHELATI FD 2015. Interferência de plantas daninhas na cultura da canola. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Agronomia). Curitibanos: UFSC. 43p.

PARREIRA MC. 2009. Influência das plantas daninhas na cultura do feijoeiro em função do espaçamento e da densidade de plantas. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Jaboticabal: UNESP. 54p.

PARREIRA MC et al. 2012. Modeling of weeds interference periods in bean. Planta Daninha 30: 713-720.

PESSÔA UCM et al. 2017. Desempenho fisiológicos e crescimento do feijão-caupi, sob manejos de plantas daninhas. Revista Verde 12: 246-250.

PITELLI RA & DURIGAN JC. 1984. Terminologia para períodos de controle e de convivência das plantas daninhas em culturas anuais e bianuais. In: Congresso Brasileiro de Herbicidas e Plantas Daninhas. Resumos ... Belo Horizonte: SBHDE. 37p.

PITELLI RA 1985. Interferência das plantas daninhas nas culturas agrícolas. Informe Agropecuário 11: 16-27.

PITELLI RA 1987. Competição e controle das plantas daninhas em áreas agrícolas. Série Técnica IPEF 4: 1–24.

PITELLI RA & PITELLI RLCM. 2008. Biologia e ecofisiologia das plantas daninhas. In: VARGAS L & ROMAN ES. (Ed.) Manual de Manejo e Controle de Plantas Daninhas. Passo Fundo: EMBRAPA. pp.11-38.

PORTO RFB. 2015. Eficácia do herbicida trifluralina no controle de caruru-de-mancha (Amaranthus viridis) na cultura do feijão. Científica Eletrônica de Agronomia 28: 71-80.

SALGADO TP et al. 2007. Interferência das plantas daninhas no feijoeiro carioca (Phaseolus vulgaris). Planta Daninha 25: 443-448.

SANTOS AB et al. 2003. Resposta do feijoeiro ao manejo de nitrogênio em várzeas tropicais. Pesquisa Agropecuária Brasileira 38: 1265-1271.

SCHOLTEN R et al. 2011. Período anterior à interferência das plantas daninhas para a cultivar de feijoeiro ‘Rubi’ em função do espaçamento e da densidade de semeadura. Acta Scientiarum Agronomy 33: 313-320.

SEAB. 2016. Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento. Feijão - Análise da Conjuntura Agropecuária. Curitiba. Disponível em: http://www.agricultura.pr.gov.br/arquivos/File/deral/Prognosticos/2017/Feijao_2016_17.pdf Acesso em: 20 fev. 2018.

SHIMADA MM et al. 2000. Componentes do rendimento e desenvolvimento do feijoeiro de porte ereto sob diferentes densidades populacionais. Bragantia 59: 181-187.

SIGMAPLOT. 2008. Statistics for user's guide, Chicago: Systat Software Inc. 578p.

VICTORIA FILHO R. 2007. Manejo integrado de plantas daninhas do feijoeiro visando ao controle de plantas daninhas. In: Seminário sobre Pragas, Doenças e Plantas Daninhas do Feijoeiro. Palestras ... Campinas: IAC. p. 59-67.

Published

2019-12-12

Issue

Section

Research Article - Science of Plants and Derived Products