O que performances e seus estudos têm a ensinar para a teoria da performatividade de gênero?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573101402021e0200

Palavras-chave:

Performatividade de gênero. Performance. Estudos queer.

Resumo

O texto problematiza a distinção entre performance de gênero e performatividade de gênero através de uma performance artística de Pêdra Costa e de vários textos dos estudos da performance. O autor defende que, ao invés de contrapor performance e performatividade, é necessário enfatizar o que existe entre essas duas dimensões que, em especial na arte feminista e/ou das dissidências sexuais e de gênero, são indissociáveis.

Biografia do Autor

Leandro Colling, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Bolsista de Produtividade em Pesquisa 2 do CNPQ, doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia. É professor associado III do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências (IHAC) Professor Milton Santos, professor permanente do Programa Multidisciplinar de Pós-graduação em Cultura e Sociedade e professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo, da Universidade Federal da Bahia, e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Humanas e Sociais (PPGCHS), da Universidade Federal do Oeste da Bahia. É um dos criadores e integrante do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Culturas, Gêneros e Sexualidades (NuCuS).

Referências

AUSTIN, John Langshaw. Quando dizer é fazer. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

BERNSTEIN, Ana. Atos da fala, representação teatral e teorias da performance. Revista Folhetim, Rio de Janeiro, n. 20, p. 58-71, 2004.

BONFITTO, Matteo. Entre o ator e o performer: alteridades, presenças, ambivalências. São Paulo: Perspectiva, 2013.

BUTLER, Judith e ATHANASIOU, Athena. Desposesión: lo performativo en lo político. Buenos Aires: Eterna Cadena Editora, 2017b.

BUTLER, Judith. Os atos performativos e a constituição do gênero: um ensaio sobre fenomenologia e teoria feminista. Chão da Feira, Caderno n. 78, p. 1-16, 2018. Disponível em:

http://chaodafeira.com/wp-content/uploads/2018/06/caderno_de_leituras_n.78-final.pdf. Acesso em: 4 jan. 2019.

BUTLER, Judith. Cuerpos aliados y lucha política – hacia uma teria performativa de la asamblea. Buenos Aires: Paidós, 2017a.

BUTLER, Judith. Cuerpos que importan: sobre los límites materiales y discursivos del "sexo”. Buenos Aires: Paidós, 2008.

BUTLER, Judith. Críticamente subversiva. In: JIMÉNEZ, Rafael M. Mérida. Sexualidades transgresoras. Una antología de estudios queer. Barcelona: Icária editorial, 2002, p. 55-80.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.

CARLSON, Marvin. Performance – uma introdução crítica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

COHEN, Renato. Performance como linguagem. Criação de um tempo-espaço de experimentação. São Paulo: Editora Perspectiva, 2002.

COLLING, Leandro; ARRUDA, Murilo Souza; NONATO, Murillo Nascimento. Perfechatividades de gênero: a contribuição das fechativas e afeminadas à teoria da performatividade de gênero. Cad. Pagu, Campinas, n. 57, p. 1-34, 2019.

COSTA, Pêdra. The Kuir Sauvage. Concinnitas, Rio de Janeiro, ano 17, v. 01, n. 28, p. 355 a 359, setembro de 2016. – Disponível em https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/concinnitas/article/view/25926/18565. Acesso em: 4 abr. 2020.

FABIÃO, Eleonora. Programa performativo: o corpo-em-experiência. Ilinx, Campinas,

n. 4, p. 1-11, 2013.

FÉRAL, Josette. Além dos limites: teoria e práticas do teatro. São Paulo: Perspectiva, 2015.

FÉRAL, Josette. Performance e performatividade: o que são os estudos performáticos? In: MOSTAÇO, Edélcio; OROFINO, Isabel; BAUMGÄRTEN, Stephan e COLLAÇO, Vera. Sobre performatividade. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2009, p. 49-86.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

GOLDBERG, Roselle. A arte da performance - do futuro ao presente. Lisboa: Orfeu Negro, 2007.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da paródia. Ensinamentos das formas de arte do século XX. Lisboa: Edições 70, 1985.

KAPROW, Allan. Entre el arte y la vida. Ensayos sobre el happening. Barcelona: Ediciones Alpha Decay, 2016.

LEITE, Janaina Fontes. Autoescrituras performativas. São Paulo: Perspectiva, 2017.

LEHMANN, Hans-Thies. Teatro pós-dramático. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MOSTAÇO, Edélcio. Fazendo cena, a performatividade. In: MOSTAÇO, Edélcio; OROFINO, Isabel; BAUMGÄRTEN, Stephan e COLLAÇO, Vera. Sobre performatividade. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2009, pp. 15-48.

MULHERES RADICAIS: ARTE LATINO-AMERICANA, 1960-1985. São Paulo: Pinacoteca de São Paulo, 2018.

NAVARRO, Pablo Pérez. Parodias de la parodia en Martha Nussbaum y Celia Amorós. In: SOLEY-BELTRAN, Patrícia e SABSAY, Leticia. Judith Butler en disputa – lecturas sobre la performatividad. Barcelona, Madrid: Egales, 2012, pp. 27-58.

SCHECHNER, Richard. Performance e antropologia de Richard Schechner. Seleção de ensaios organizada por Zeca Ligiéro. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012.

SCHECHNER, Richard. Performance studies: an introduction. Nova York: Routledge, 3ª ed., 2013.

Downloads

Publicado

2021-04-28

Como Citar

Colling, L. (2021). O que performances e seus estudos têm a ensinar para a teoria da performatividade de gênero?. Urdimento - Revista De Estudos Em Artes Cênicas, 1(40). https://doi.org/10.5965/1414573101402021e0200