O contexto inclusivo na escola: representação e estigma na perspectiva de duas professoras

Autores

  • Regina Finck Schambeck Universidade do Estado de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984317815022019168

Palavras-chave:

Contexto inclusivo, Educação especial, Representação Social, Estigma,

Resumo

Este artigo está relacionado à representação sobre o contexto inclusivo na escola sob a perspectivas de duas professoras que atuam no ensino fundamental. Traz reflexões sobre o contexto inclusivo e a inserção de alunos com deficiência, a partir de questionários abertos aplicados para as professoras, que contemplou categorias, a saber: o perfil das profissionais, práticas pedagógicas, experiências profissionais com inclusão e preconceito, estigma e representação na escola. Também fizeram parte do roteiro questões sobre as relações da criança com deficiência com os seus colegas, com as professoras, com a escola e com os pais. A partir da contextualização das práticas dessas professoras, foi realizada uma aproximação das suas falas, analisando-as e relacionando-as com as discussões teóricas sobre representação social e estigma. Foi possível identificar que, nos contextos investigados, ficou evidenciado que as práticas de sala de aula dessas professoras buscavam incluir os alunos, mas, ainda, apesar dos esforços empreendidos, persistiu nas unidadesescolares umacultura na qual não se pode eliminar todos os preconceitos ou convenções presentes na sociedade, inclusive aqueles que pressupõem que alunos com deficiência intelectual pouco poderão aprender no espaço educativo.

Biografia do Autor

Regina Finck Schambeck, Universidade do Estado de Santa Catarina

Licenciada em Educação Artística-Habilitação em Música pela Universidade do Estado de Santa Catarina, com mestrado e doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS. Atua no Departamento de Música, no Programa de Pós-Graduação em Música – PPGMUS como professora permanente e no Programa de Pós-Graduação em Educação - FAED como professora colaboradora. Desenvolve pesquisas na área de formação de professores, inclusão de alunos com deficiências e a repercussão das políticas públicas de educação especial.

 

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html. Acesso em: 24 abr. 2019.

BOOTH, Tony; Mel AINSCOW. Index para a inclusão: desenvolvendo a aprendizagem e a participação na escola. 2. ed. Trad. Mônica Pereira dos Santos. Bristol: Unesco/CSIE, 2005.

BOOTH, T; AINSCOW, M. Index para Inclusão: desenvolvendo a aprendizagem e a participação na escola. Tradução: Mônica Pereira dos Santos. 3. ed. LaPEADE, Rio de Janeiro, 2011.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOFFMAN, Ervin. A representação do eu na vida cotidiana. Trad. Maria Célia Santos Raposo. 3 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1985.

GOFFMAN, Ervin. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Trad. Márcia Bandeira de Mello leite Nunes. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara S.A. 1988.

GOFFMAN, Ervin. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GRAY, David E. Pesquisa no mundo real. 2a. ed. Porto Alegre: Penso, 2012.

HAGUIARA-CERVELLINI, Nadir. A musicalidade do surdo: representação e estigma. São Paulo: Plexus, 2003.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. Trad. Pedrinho A. Guareschi. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

MOSCOVICI, Serge. A representação social da psicanálise. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. 291p.

SANTA CATARINA. Resolução nº 112. Fixa normas para a Educação Especial no Sistema Estadual de Educação de Santa Catarina. Florianópolis, 2006.

SANTA CATARINA. Lei nº 17.143, de 15 de maio de 2017. Dispõe sobre a presença do Segundo Professor de Turma nas salas de aula das escolas de educação básica que integram o sistema estadual de educação de Santa Catarina. 2017. Disponível em: http://leis.alesc.sc.gov.br/html/2017/17143_2017_lei.html. Acesso em: 28 fev. 2019.

SANTOS, Mônica Pereira dos et al. Desenvolvendo o Index para Inclusão no contexto brasileiro: experiências de reflexão/ação sobre processos de inclusão e exclusão em Educação. Percurso Acadêmico, Belo Horizonte, v. 7, n. 14, p. 332-350, jul./dez. 2017.

SANTOS, Mônica Pereira dos et al. O Index para Inclusão como instrumento de pesquisa: uma análise crítica. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 20, n. 4, p. 485-496, out./dez. 2014.

SANTOS, Mônica Pereira dos. Index para inclusão. Ed. rev. Rio de Janeiro, set. 2002.

VALLE, Jan W.; CONNOR, David J. Ressignificando a deficiência: da abordagem social às práticas inclusivas na escola. Trad. Fernando de Siqueira Rodrigues. Porto Alegre: AMGH, 2014.

Downloads

Publicado

2020-04-01