A contribuição do modelo social da deficiência para a compreensão do Transtorno do Espectro Autista

Autores

  • Solange Cristina da Silva Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Marivete Gesser Universidade Federal de Santa Catarina
  • Adriano Henrique Nuernberg

Palavras-chave:

Modelo Social da Deficiência, Transtorno do Espectro Autista, Estudos sobre Deficiência, Educação Especial,

Resumo

O objetivo deste artigo é o de identificar contribuições do modelo social da deficiência para a compreensão do Transtorno do Espectro Autista, considerado, hoje, no Brasil, uma condição de deficiência. O estudo se caracterizou como uma pesquisa de cunho bibliográfico e de caráter conceitual. Para tanto, utilizou-se principalmente de referências da área da Educação, Psicologia e Sociologia que permitiram fomentar o debate sobre a compreensão do autismo. Os resultados do estudo apontaram que o modelo social da deficiência pode contribuir significativamente para repensar o conceito de deficiência e as práticas voltadas a essa população em várias áreas como Arte, Educação, Psicologia, dentre outras. O entendimento da deficiência como uma variação humana, o questionamento acerca dos processos de normatização e homogeneização vivenciados pelas pessoas com deficiência, a ênfase na singularidade e interseccionalidade dessa experiência e a defesa do direito de participação em igualdade de condições são alguns pontos de destaque.

Referências

APA – AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual de Transtornos Mentais DSM-5. Porto Alegre: Artmed, v. 1, 2014. Disponível em: <http://c026204.cdn.sapo.io/1/c026204/cld-file/1426522730/6d77c9965e17b15/b37dfc58aad8cd477904b9bb2ba8a75b/obaudoeducador/2015/DSM V.pdf>. Acesso em: 27 mai. 2017.

ARAÚJO, A. C.; NETO, F. L. A Nova Classificação Americana Para os Transtornos Mentais – o DSM-5. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva. São Paulo, v. XVI, n. 1, p. 67–82, 2014. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbtcc/v16n1/v16n1a07.pdf>. Acesso em: 27 mai. 2017.

BAGLIERI, S. et al. Disability Studies in Education: The Need for a Plurality of Perspectives on Disability. Remedial and Special Education, [s. l.], v. 32, n. 4, p. 267–278, 2011. Disponível em: <http://rse.sagepub.com/cgi/doi/10.1177/0741932510362200>. Acesso em: 27 mai. 2017.

BERGER, R. J. Introducing Disability Studies. Estados Unidos da América: Lynne Rienner Publisher, 2013.

BRASIL. Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Protocolo Facultativo sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Brasília: SEDH,

CORDE, 2007. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=424-cartilha-c&category_slug=documentos-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 27 mai. 2017.

BRASIL. LEI No 12.764 de 27 de dezembro de 2012. 2012. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm>. Acesso em: 28 mai. 2017.

CAMPOS, K. P. B. et al. João em situação de autismo: o que fazem e dizem as crianças na Educação Infantil. Revista Educação, Artes e Inclusão. Florianópolis, v. 13, n. 2, p.110–1352017. Disponível em: <http://www.revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/8554>. Acesso em: 14 abr. 2018.

CARVALHO, R. C.; MARQUEZAN, R. Representações sociais sobre a deficiência em documentos oficiais. Revista Educação. Santa Maria/RS, v. 28, n. 2, p. 1-5, jul/dez., 2003. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/4169/2505>. Acesso em: 18 abr. 2018.

DIAS, A. Por uma genealogia do capacitismo: da eugenia estatal à narrativa capacitista social. Anais do II Simpósio Internacional de Estudos sobre Deficiência. São Paulo, p. 5–14, 2013.

DINIZ, D. Modelo Social da Deficiência: A Crítica Feminista. SérieAnis. Brasília, v. 28, p. 1–8, 2003. Disponível em: <http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/15250/1/ARTIGO_ModeloSocialDeficiencia.pdf>. Acesso em: 27 mai. 2017.

DINIZ, D. O Que é Deficiência. São Paulo: Editora Brasiliense; 2007. 96 pp. (Coleção Primeiros Passos, 324)

DONVAN, J.; ZUCKER, C. Outra sintonia: a história do autismo. 1a ed. São Paulo: Companhia das Letras (Original In a Different Key: The Story of Autism: Tradução Luiz A. de Araújo), 2017. 664 p.

FELDMAN, C. Relatos sobre autismo: um estudo sobre narrativas em primeira pessoa. 2013. Rio de Janeiro, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: <http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=6315>. Acesso em: 27 mai. 2016. Acesso em: 05 jun. 2017.

GABEL, S. L.; CONNOR, D. Theorizing Disability Implications and Applications for Social Justice in Education Disability Studies in Education. International Journal of Inclusive Education. Reino Unido, 2008. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/244988407_Theorizing_Disability_Implications_and_Applications_for_Social_Justice_in_Education_Disability_Studies_in_Education>

GESSER, M.; NUERNBERG, A. H.; TONELI, M. J. F. A contribuição do modelo social da deficiência à psicologia social. Psicologia & Sociedade. Belo Horizonte, v. 24, n. 3, p. 557–566, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822012000300009&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em: 27 mai. 2017.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Editora Atlas S. A., 2002.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6a ed. São Paulo: Editora Atlas S. A., 2008.

GILSON, S. F.; DEPOY, E. Multiculturalism and Disability: A critical perspective. Disability & Society. Reino Unido, v. 15, n. 2, p. 207–218, 2000. Disponível em: <http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09687590025630>. Acesso em: 29 mai. 2017.

HUGHES, J. M. F. Changing Conversations Around Autism: A Critical, Action Implicative Discourse Analysis of U.S. Neurodiversity Advocacy Online. University of Colorado, Colorado, 2015. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2017.

KAPP, S. K. et al. Deficit, difference, or both? Autism and neurodiversity. Developmental Psychology. Washington, v. 49, n. 1, p. 59–71, 2013. Disponível em: <http://doi.apa.org/getdoi.cfm?doi=10.1037/a0028353>. Acesso em: 10 mai. 2017.

KITTAY, E. F. The Ethics of Care, Dependency, and Disability. Ratio Juris, v. 24, n. 1, p. 49–58, 2011. Disponível em: <http://evafederkittay.com/wp-content/uploads/2015/01/The-ethics-of-care.pdf>. Acesso em: 19 set. 2017.

KRCEK, Taylor E. Deconstructing Disability and Neurodiversity: Controversial Issues for Autism and Implications for Social Work. Journal of Progressive Human Services. Reino Unido, v. 24, n. 1, p. 4–22, 2013. Disponível em: < https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/10428232.2013.740406>. Acesso em: 18 out. 2017.

MARTINS, B. S. et al. A emancipação dos estudos da deficiência. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 98, p. 45–64, 2012. Disponível em: <https://journals.openedition.org/rccs/5014>. Acesso em: 28 set. 2017.

MELLO, A. G. de. Deficiência, incapacidade e vulnerabilidade: do capacitismo ou a preeminência capacitista e biomédica do Comitê de Ética em Pesquisa da UFSC. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 10, p. 3265–3276, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232016001003265&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em: 19 set. 2017.

MELLO, A. G. de; NUERNBERG, A. H.; BLOCK, P. Não é o corpo que nos discapacita, mas sim a sociedade: a interdisciplinaridade e o surgimento dos estudos sobre deficiência no Brasil e no mundo. In: SCHIMANSCKI, E.; CAVALCANTE, F. G (org). Pesquisa e extensão: experiências e perspectivas interdisciplinares. Ponta Grossa: Editora da UEPG, 2014. 264 p.

MUCCINI, P. Estudantes com surdocegueira na Universidade: mapeando barreiras e facilitadores que perpassam o processo de inclusão acadêmica. 2017. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017. Disponível em: . Acesso em: 4 mar. 2018.

Nova Classificação de Doenças, CID – 11, unifica Transtorno do Espectro do Autismo: 6A02. Tismoo, 2018. Disponível em: <http://tismoo.us/saude/diagnostico/nova-classificacao-de-doencas-cid-11-unifica-transtorno-do-espectro-do-autismo-6a02/>. Acesso em: 20 set. 2018.

NUERNBERG, A. H. Os Estudos sobre Deficiência na Educação. Educação & Sociedade, v. 36, n. 131, p. 555–558, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302015000200555&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em: 28 mai. 2017.

O’DELL, L. et al. Critical autism studies: exploring epistemic dialogues and intersections, challenging dominant understandings of autism. Disability & Society, v. 31, n. 2, p. 166–179, 2016. Disponível em: <https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09687599.2016.1164026?journalCode=cdso20>. Acesso em: 20 out. 2017

OLIVER, M. Understanding disability: from theory to practice. 2a ed. United Kingdom: Macmillan Education UK, 2009.

ORTEGA, F. Deficiência, autismo e neurodiversidade. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, n. 1, p. 67–77, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232009000100012&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em: 24 out. 2017.

ORTEGA, F. O sujeito cerebral e o movimento da neurodiversidade. Mana, v. 14, n. 2, p. 477–509, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132008000200008&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em: 18 out. 2017.

PEREIRA, A. M. B. A. Viagem ao Interior da Sombra: Deficiência, Doença Crônica e Invisibilidade numa Sociedade Capacitista. 2008. Universidade de Coimbra, Portugal, 2008.

PFEIFFER, D. The Philosophical Foundations of Disability Studies. Ohio State University Libraries, v. 22, 2002. Disponível em: <http://dsq-sds.org/article/view/341/429>. Acesso em: 29 mai. 2017.

SAVARESE, R. J. et al. Parent & Sibling Roundtable: Neurodiversity and Caregiving. Ohio State University Libraries, v. 30, 2010. Disponível em: <http://dsq-sds.org/article/view/1061/1236>. Acesso em: 18 out. 2017.

SHAKESPEARE, T.; WATSON, N. The social model of disability: an outdated ideology? Journal Research in Social Science and Disability, v. 2, p. 9–28, 2002. Disponível em: <http://www.um.es/discatif/PROYECTO_DISCATIF/Textos_discapacidad/00_Shakespeare2.pdf>. Acesso em: 16 jun. 2017.

SILBERMAN, S. Autism awareness is not enough: Here’s how to change the world. In: Loud hands: Autistic people, speaking. Washington: The Autistic Press, p. 358–386, 2012.

SINCLAIR, J. Don’t Mourn For Us. Autism Network International, v. 1, n. 1, 2012.

SINGER, J. Why can´t you be normal for once in your life?’ From a ‘problem with no name’ to the emergence of a new category of difference. In: Disability discourse. Buckingham, Philadelphia: Open University Press, p. 59–67, 1999.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6. ed. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1998.

WALKER, N. Neurodiversity: Some Basic Terms & Definitions. 2014. Disponível em: <http://neurocosmopolitanism.com/neurodiversity-some-basic-terms-definitions/>. Acesso em: 8 nov. 2017.

WOLBRING, G. Expanding Ableism: Taking down the Ghettoization of Impact of Disability Studies Scholars. Societies, 2 (3), p. 75-83, 2012. Disponível em: <https://pdfs.semanticscholar.org/1e64/78147e301f9875a144ab58d4fed09a502c5a.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2017.

WOLBRING, G. The Politics of Ableism. Development, v. 51, n. 2, p. 252–258, june, 2008. Disponível em: <http://www.palgrave-journals.com/doifinder/10.1057/dev.2008.17>. Acesso em: 19 set. 2017.

WOODS, R. Exploring how the social model of disability can be re-invigorated for autism: in response to Jonathan Levitt. Disability & Society, p. 1–6, 2017. Disponível em: <https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/09687599.2017.1328157>. Acesso em: 21 jun. 2017.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. ICD - 11 International Classification of Diseases 11th Revision: The global standard for diagnostic health information. 2018. Disponível em: <https://icd.who.int/>. Acesso em: 10 jul. 2018.

ZAKS, Z. Building the Enterprise: Designs for a Neurodiverse World. In: NeuroTribes: The Legacy of Autism and the Future of Neurodiversity. New York: Avery Publishing, p. 286–292, 2015.

Downloads

Publicado

2019-04-01