O desenho universal para aprendizagem como um princípio do cuidado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984317815022019361

Palavras-chave:

desenho universal para aprendizagem, ética do cuidado, disability studies in education, feminist disability studies,

Resumo

Proporcionar práticas de ensino que contemplem a variação humana ainda é um grande desafio aos sistemas de ensino. Remover barreiras de acesso ao conhecimento sem eliminar os desafios necessários à aprendizagem torna-se imprescindível para a garantia da participação social de pessoas com deficiência nesse sistema. O objetivo que se tem com este artigo é o de apresentar o Desenho Universal para a Aprendizagem (DUA) como uma atitude de cuidado que pode contribuir para a efetivação de processos educativos inclusivos em todos os níveis de ensino. Para tanto, foi realizada uma revisão de literatura sobre o DUA dialogando-se com o campo dos Disabilities Studies in Education e com as teóricas da segunda geração do modelo social da deficiência, vislumbrando algumas intersecções entre esses campos teóricos. O estudo apontou que a organização do ensino na perspectiva do DUA, por remover as barreiras que se interpõem entre o sujeito e o conhecimento, pode ser caracterizada como uma estratégia de cuidado voltada à garantia do direito à educação a estudantes com e sem condições de deficiência. Dessa forma, pode-se caracterizar o DUA como uma estratégia política pautada no rompimento com currículos capacitistas, os quais homogeneízam e excluem as diferenças.

Biografia do Autor

Geisa Letícia Kempfer Böck, Universidade do Estado de Santa Catarina

Professora Doutora do Laboratório de Educação Inclusiva - LEdI, do Centro de Educação a Distância da UDESC, Membro do grupo de pesquisa Educação, artes e inclusão da UDESC e do Núcleo de Estudos sobre Deficiência - UFSC.

Marivete Gesser, Programa de Pós Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina

Professora Doutora do PPGP/UFSC. É coordenadora do NED - Núcleo de Estudos sobre Deficiência - no qual vem estudando deficiência com base em uma perspectiva interseccional e política. Também é membro do Laboratório de Psicologia Escolar e Educacional da UFSC; do Margens (Núcleo de Estudos Modos de Vida, Família e Relações de gênero); e do GT da ANPPEP Psicologia, Política e Sexualidades.Estuda os seguintes temas: estudos sobre deficiência, gênero e deficiência, deficiência e direitos humanos, processos educativos e constituição do sujeito, educação inclusiva.

Adriano Henrique Nuernberg, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor PhD Aposentado do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina, vinculado ao Núcleo de Estudos sobre Deficiência - NED/UFSC. Pesquisador do campo dos Disabilities Studies e do Feminist Disability Studies

Referências

BAGLIERI, S.; BEJOIAN, L. M.; BRODERICK, A. A.; CONNOR, D. J.; VALLE, J. W. [Re]claiming “inclusive education” toward cohesion in educational reform: disability studies unravels the myth of the normal child. Teachers College Record, v. 113, n. 10, p. 2122-2154, 2011.

BRASIL. Decreto n. 9.034, de 20 de abril de 2017. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/d9034.htm>. Acesso em: 28 fev. 2020.

______. Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm>. Acesso em: 28 fev. 2020.

______. Decreto n. 8.368, de 2 de dezembro de 2014. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/decreto/d8368.htm>. Acesso em: 28 fev. 2020.

______. Lei n. 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm>. Acesso em: 28 fev. 2020.

______. Lei n. 12.711, de 29 de agosto de 2012. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm>. Acesso em: 28 fev. 2020.

______. Decreto n. 6.949, de 25 de agosto de 2009. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm>. Acesso em: 28 fev. 2020.

______. Constituição Federativa do Brasil. 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 28 fev. 2020.

CAST. Universal Design for Learning Guidelines version 2.0. Wakefield, MA: Author, 2011.

CONNOR, D. J.; GABEL, S. L. “Cripping” the curriculum through academic activism: working toward increasing global exchanges to reframe (dis)ability and education. Equity et Excellence in Education. London, v. 46, n. 1, p. 100-118, 2013.

DAVY, L. Philosophical inclusive design. Intellectual disability and the limits of individual autonomy in moral and political theory. Cambridge University Press, Hypatia, v. 30, n. 1, p. 132-148, 2015.

DIAS, A. Por uma genealogia do capacitismo: da eugenia estatal à narrativa capacitista social. i: I Simpósio Internacional de Estudos sobre Deficiência. SEDPcD/Diversitas/USP. Anais ... São Paulo: Programa Cidade Legal, 2013.

DINIZ, D. Modelo social da deficiência: a crítica feminista. Série Anis, Brasília, v. 28, p. 1-10, julho. 2003.

GARLAND-THOMSON, R. Integrating disability, transforming feminist theory. NWSA Journal. Indiana, v. 14, n. 3, p. 1-32, 2002.

KITTAY, E. F. The ethics of care, dependence, and disability. A internacional journal of jurisprucence and philosophy of law. USA, v. 24, n. 1, p. 49-58, 2011.

MARTINS, B. S.; FONTES, F. Deficiência e emancipação social: para uma crise da normalidade. Coimbra: Almedina, 2016.

MELLO, A. G. de. Deficiência, incapacidade e vulnerabilidade: do capacitismo ou a preeminência capacitista e biomédica do Comitê de Ética em Pesquisa da UFSC. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 10, p. 3265-3276, 2016.

MORRIS, J. Impairment and disability: constructing an ethics of care that promotes human rights. Cambridge University Press, Hypatia, v. 16, n. 4, p. 1-16, 2001.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Convenção internacional sobre os direitos das pessoas com deficiência. Nova Iorque: ONU, 2006.

RAO, K.; OK, M. W.; BRYANT, B. R. A review of research on universal design educational models. Remedial and special education, v. 35, n. 3, p. 153-166, 2014.

RAPPOLT-SCHLICHTMANN, G.; DALEY, S.; LIM, S.; LAPINSKI, S.; ROBINSON, K. H; JOHNSON, M. Universal design for learning and elementary school science: exploring the efficacy, use, and perceptions of a web-based science notebook. Journal of educational psychology, v. 105, n. 4, p. 1210-1225, 2013.

SAWAIA, B. B. O sofrimento ético-político como categoria de análise da dialética exclusão/inclusão In: SAWAIA, B. B. As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 97-118.

SHAKESPEARE, T.; WATSON, N. The social model of disability: an outdated ideology? In: BARNARTT, Sharon; ALTMAN, Barbara (Orgs.). Exploring theories and expanding methodologies: where we are and where we need to go. Research in social science and disability. Emerald Group Publishing Limited, 2015. p. 9-28.

SWAIN, J.; FRENCH, S.; BARNES, C.; THOMAS, C. Disabling barriers, enabling environments. Londres: Sage, 2004.

UNITED STATES OF AMERICA. PL n. 110-315. Higher education opportunity act of 2008, section 103, additional definitions (23) and (24), 122 STAT, 2008. Disponível em: <https://www.govinfo.gov/content/pkg/PLAW-110publ315/pdf/PLAW-110publ315.pdf>. Acesso em: 28 fev. 2020.

VALLE, J. W.; CONNOR, D. J. Ressignificando a deficiência: da abordagem social às práticas inclusivas na escola. Porto Alegre: AMGH, 2014.

WOLBRING, G. The Politics of Ableism. Society for international development, v. 51 (2), p. 252-258, junho, 2008.

ZIRBEL, I. Uma teoria político-feminista do cuidado. 2016. 260f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFSC, Florianópolis, 2016.

Downloads

Publicado

2020-04-01

Edição

Seção

DOSSIÊ: INCLUSÃO E DEFICIÊNCIA: PERSPECTIVAS MÚLTIPLAS