Características fisiológicas de plantas hibernais com potencial fitorremediador sob influência dos herbicidas fomesafen e sulfentrazone

Autores

  • Carla Alves Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Leandro Galon Professor da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Câmpus Erechim/RS
  • Cinthia Maethê Holz Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Rosilene Rodrigues Kaizer Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Fábio Luis Winter Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Germani Concenço Pesquisador em Herbologia da Embrapa Clima Temperado
  • Felipe Nonemacher Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Gismael Francisco Perin Universidade Federal da Fronteira Sul

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711812019001

Palavras-chave:

fomesafen, Lupinus albus, sulfentrazone, Vicia sativa

Resumo

O emprego de espécies vegetais para fitorremediação de solos contaminados com herbicidas persistentes, como os inibidores da enzima protoporfirinogênio oxidase (PROTOX), é uma alternativa interessante dos pontos de vista econômico e ambiental. O objetivo deste trabalho foi avaliar a influência de fomesafen e sulfentrazone nas características relacionadas à fisiologia de espécies hibernais com potencial para aplicação como fitorremediadoras de solo contaminado por esses herbicidas. Dois experimentos foram instalados em casa de vegetação, um com o herbicida fomesafen e outro com o sulfentrazone, no delineamento de blocos casualizados com quatro repetições. Foram testadas doses dos herbicidas fomesafen (0,0; 0,125; 0,250; e 0,5 kg ha-1) e sulfentrazone (0,0; 0,3; 0,6; e 1,2 kg ha-1), marcas comerciais Flex® e Boral 500®, respectivamente, aplicadas na pré-emergência das espécies com potencial fitorremediador (aveia-preta, ervilhaca, nabo e cornichão). Aos 45 dias após a emergência das plantas, foram avaliados o índice de clorofila, a eficiência de carboxilação (EC- mol CO2 m-2 s-1), a condutância estomática de vapores de água (Gs - mol m-1 s-1), a concentração interna de CO2 (Ci - µmol mol-1), a taxa de transpiração (E - mol H2O m-2 s-1), a quantidade de CO2 consumido (QT - µmol mol-1), o uso eficiente da água (UEA - mol CO2 mol H2O-1), a temperatura da folha ΔT (ºC), a taxa fotossintética (A - µmol m-2 s-1) e a massa seca (g vaso-1) da parte aérea. Observou-se que a ervilhaca apresenta os melhores resultados para todas as variáveis avaliadas, demonstrando assim potencial para ser testada como fitorremediadora de solos contaminados com os herbicidas fomesafen e sulfentrazone.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Alves, Universidade Federal da Fronteira Sul

Biológica e atual mestranda no PPGCTA da UFFS.

Leandro Galon, Professor da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Câmpus Erechim/RS

Engenheiro Agronomo pela FAEM/UFPEl, Mestre em Fitossanidade pelo DFS/FAEM/UFPel, Doutor e Pós Doutor pelo DFT/UFV, e atual professor da área de Herbologia da UFFS.

Cinthia Maethê Holz, Universidade Federal da Fronteira Sul

Acadêmica de Agronomia da UFFS, Câmpus Erechim

Rosilene Rodrigues Kaizer, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutora em Bioquimica e atual professora do PPGCTA da UFFS, Câmpus Erechim

Fábio Luis Winter, Universidade Federal da Fronteira Sul

Acadêmico de Agronomia da UFFS, Câmpus Erechim

Germani Concenço, Pesquisador em Herbologia da Embrapa Clima Temperado

Dr. em Fitotecnia e atual e pesquisador em Herbologia da Embrapa Clima Temperado

Felipe Nonemacher, Universidade Federal da Fronteira Sul

Acadêmico de Agronomia da UFFS, Câmpus Erechim

Gismael Francisco Perin, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutor em Engenharia Agrícola e atual professor da UFFS, Câmpus Erechim

Referências

ARTUZI JP & CONTIERO RL 2006. Herbicidas aplicados na soja e produtividade do milho em sucessão. Pesquisa Agropecuária Brasileira 41:1119-1123.

BELO AF et al. 2011. Atividade fotossintética de plantas cultivadas em solo contaminado com picloram. Planta Daninha 29: 885-892.

BELO AF et al. 2016. Atividade fotossintética de plantas cultivadas em solo contaminado com sulfentrazone. Revista Brasileira de Herbicidas 15: 165-174.

BRASIL. 2018. Ministério da Agricultura e Pecuária. Agrofit. Disponível em: www.agricultura.gov.br. Acesso em: 20 mai. 2018.

BLANCO FMG & VELINI ED 2005. Persistência do herbicida sulfentrazone em solo cultivado com soja e seu efeito em culturas sucedâneas. Planta Daninha 23:693-700.

BLANCO FMG et al. 2010. Persistência do herbicida sulfentrazone em solo cultivado com cana-de-açúcar. Bragantia 69: 71-75.

BRODRIBB TJ & HILL RS 2000. Increases in water potential gradient reduce xylem conductivity in whole plants. Evidence from a low-pressure conductivity method. Plant Physiology 123: 1021-1028.

BRODRIBB TJ & HOLBROOK NM 2003. Stomatal closure during leaf dehydration, correlation with other leaf physiological traits. Plant Physiology 132: 2166-2173.

CARMO ML et al. 2008. Influência do período de cultivo de Panicum maximum (cultivar Tanzânia) na fitorremediação de solo contaminado com picloram. Planta Daninha 26: 315-322.

CARRETERO DM. 2008. Efeito da inibição da protoporfirinogênio IX oxidase sobre trocas gasosas e fluorescência da clorofila a em plantas de soja (Glycine max L. Merrill). Dissertação (Mestrado em Fisiologia Vegetal). Viçosa: UFV. 57p.

CQFS-RS/SC. 2004. Comissão de Química e Fertilidade do Solo. Manual de adubação e calagem para os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 10.ed. Porto Alegre. 400p.

COBUCCI T et al. 1998. Effect of imazamox, fomesafen and acifluorfen soil residue on rotational crops. Weed Science 46:258-263.

COCHARD H et al. 2002. Unraveling the effects of plant hydraulics on stomatal closure during water stress in walnut. Plant Physiology 128:282-290.

CONCENÇO G et al. 2007. Uso da água em biótipos de azevém (Lolium multiflorum) em condição de competição. Planta Daninha 25:449-455.

CONCENÇO G et al. 2009. Uso da água por plantas de arroz em competição com biótipos de Echinochloa crusgalli resistente e suscetível ao herbicida quinclorac. Planta Daninha 27: 249-256.

CORRÊA MJP & ALVES PLCA 2010. Efeitos da aplicação de herbicidas sobre a eficiência fotoquímica em plantas de soja convencional e geneticamente modificada. Ciência e Agrotecnologia 34: 1136-1145.

DAN HA et al. 2011. Atividade residual de herbicidas aplicados em pós-emergência na cultura da soja sobre o milheto cultivado em sucessão. Planta Daninha 29: 663-671.

DUKE SO et al. 1991. Protoporphyrinogen oxidase-inhibiting herbicides. Weed Science 39: 465-473.

EMBRAPA. 2013. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa Solos. 154p.

GALON L et al. 2010. Eficiência de uso da água em genótipos de cana-de-açúcar submetidos à aplicação de herbicidas. Planta Daninha 28: 777-784.

GALON L et al. 2014. Influência de herbicidas do grupo das imidazolinas em características fisiológicas de plantas cultivadas no inverno. Pesquisa Agropecuária Gaúcha 20: 42-51.

GUO J et al. 2003. Adsorption, desorption and mobility of fomesafen in Chinese soils. Water, Air, and Soil Pollution 148: 77-85.

HESS FD 2000. Light-dependent herbicides: an overview. Weed Science 48: 160-170.

INOUE MH et al. 2008. Lixiviação e degradação de diuron em dois solos de textura contrastante. Acta Scientiarum Agronomy 30: 631-638.

MADALÃO JC et al. 2012. Uso de leguminosas na fitorremediação de solo contaminado com sulfentrazone. Pesquisa Agropecuaria Tropical 42: 390-396.

MADALÃO JC et al. 2017. Action of Canavalia ensiformis in remediation of contaminated soil with sulfentrazone. Bragantia 76:292-299.

MOOSAVI SG & SEGHATOLESLAMI MJ 2013. Phytoremediation: A Review. Advance in Agriculture and Biology 1: 5-11.

OHMES GA et al. 2000. Sulfentrazone dissipation in a Tennessee soil. Weed Technology 14: 100-105.

OLIVEIRA JR RS. 2001. Atividade residual de imazaquin e alachlor+atrazine para plantio sequencial de canola. Ciência Rural 31: 219-224.

OLIVEIRA JR RS et al. 2011. Sorption-desorption of aminocyclopyrachlor in selected brazilian soils. Journal of Agricultural and Food Chemistry 59: 4045-4050

PEREIRA FAR et al. 2000. Seletividade de sulfentrazone em cultivares de soja e efeitos residuais sobre culturas sucessivas em solos de cerrado. Revista Brasileira de Herbicidas 1: 219-224.

PIRES FR et al. 2005. Fitorremediação de solos contaminados com tebuthiuron utilizando-se espécies cultivadas para adubação verde. Planta Daninha 23:711-717.

PROCÓPIO SO et al. 2004. Seleção de plantas com potencial para fitorremediação de solos contaminados com o herbicida trifloxysulfuron sodium. Planta Daninha 22: 315-322.

RAUCH BJ et al. 2007. Dissipation of fomesafen in New York state soils and potential to cause carryover injury to sweet corn. Weed Technology 21: 206-212.

REIS MR et al. 2014. Aspectos fisiológicos e crescimento do girassol após aplicação de herbicidas em pré-emergência. Revista Agro@mbiente On-line 8:352-358.

RODRIGUES BN & ALMEIDA FS 2011. Guia de herbicidas. 6.ed. Londrina. 697p.

SANTOS EA et al. 2007. Fitoestimulação por Stizolobium aterrimum como processo de remediação de solo contaminado com trifloxysulfuron-sodium. Planta Daninha 25: 259-265.

SILVA AA et al. 2007. Herbicidas: Classificação e mecanismo de ação. In: Silva AA & Silva JF (Eds.). Tópicos em manejo de plantas daninhas. Viçosa: UFV. p.83-147.

SILVA LOC et al. 2012. Ação de Eleusine coracana na remediação de solos contaminados com picloram. Planta Daninha 30: 627-632. SILVEIRA HM et al. 2012. Características fotossintéticas de cultivares de mandioca tratadas com fluazifop-p-butyl e fomesafen. Revista Agro@mbiente On-line 6: 222-227.

SZMIGIELSKI AM. et al. 2009. Development of a laboratory bioassay and effect of soil properties on sulfentrazone phytotoxicity in soil. Weed Technology 23: 486-491.

TAIZ L et al. 2017. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6. ed. Porto Alegre: Artmed. 888p.

TORRES LG et al. 2012. Alterações nas características fisiológicas de cultivares de cana-de-açúcar submetida à aplicação de herbicidas. Planta Daninha 30: 581-587.

VARGAS L et al. 2014. Glyphosate influence on the physiological parameters of Conyza bonariensis biotypes. Planta Daninha 32: 151-159.

Downloads

Publicado

2019-02-08

Como Citar

ALVES, C.; GALON, L.; HOLZ, C. M.; KAIZER, R. R.; WINTER, F. L.; CONCENÇO, G.; NONEMACHER, F.; PERIN, G. F. Características fisiológicas de plantas hibernais com potencial fitorremediador sob influência dos herbicidas fomesafen e sulfentrazone. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 18, n. 1, p. 1-12, 2019. DOI: 10.5965/223811711812019001. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/9738. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)