Performance, Espaço, Presença, Exposição e Controle: Curadorias, Expografia e performatividade em Artes do Corpo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573101402021e0116

Resumo

O presente texto trata das chamadas “artes do corpo”, abrangendo discussões das artes cênicas, coreográficas e da arte da performance, esboçando uma conceituação do termo “expor”, propondo-o como conceito que define graus de controle sobre a exibição e a fruição de obras de arte nestes gêneros. A hipótese é de que a arte da performance é hoje a linguagem na qual os elementos expositivos mais se engendram com melhor adequação no que concerne à definição do termo “expor”. De forma transversal também trata de questões ligadas às curadorias e expografias, de mudanças de paradigmas na presença do corpo nas artes e da produção de sentido estético pela materialidade dos elementos que constituem a obra de arte.

Biografia do Autor

Rogério Salatini de Almeida, Universidade de São Paulo (USP)

Bacharel em Dança pela PUC/SP, Especialista em Gestão Cultural – Cultura, Desenvolvimento e Mercado pelo SENAC/SP, Mestre em Artes Visuais pela ECA/USP e Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais pela ECA/USP. http://www.rogeriosalatini.wordpress.com 

Referências

AFFONSO, Betty Arantes. Terminologia Instável. 2016. Disponível em: https://silo.tips/download/terminologia-instavel. Acesso em: 20 jan. 2021.

AGRA, Lúcio de Sá Leitão. Performance e Documento, ou o que chamamos por esses nomes?. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v.4, n.1, p.60-69, 2014.

BRYAN-WILSON, Julia. Practicing Trio A. OCTOBER 140, Spring 2012, p. 54-74. © 2012 October Magazine, Ltd. and Massachusetts Institute of Technology.

DELEUZE, Gilles. Post-Scriptum Sobre As Sociedades De Controle. Conversações: 1972-1990. Tradução: Peter Pál Pelbart. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992, p. 219-226.

GREINER, Christine. A dança como estratégia evolutiva da comunicação corporal. Logos: Comunicação e Universidade. Ano 10, n. 18, p. 48-61, 1º semestre de 2003.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Tradução: Ana Isabel Soares. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC – Rio, 2010.

KATZ, H., GREINER, Christine. Por uma teoria do corpomídia ou a questão epistemológica do corpo. Archivo Atea – Artes Vivas – Artes Escènicas. 2005. Disponível em:

http://archivoartea.uclm.es/textos/por-uma-teoria-do-corpomidia-ou-a-questao-epistemologica-do-corpo/. Acesso em: 21 jan. 2021.

KATZ, H., GREINER, Christine. Corpo e processos de comunicação. Fronteiras - estudos midiáticos, v. 3, n.2, p. 65-74, 2001.

KRAUSS, Rosalind E. A escultura no campo ampliado. Originalmente publicado no número 8 de October, na primavera de 1979 (31 - 44). No original: Sculpture in the Expanded Field, em The AntiAesthetic: Essays on PostModern Culture, Washington: Bay Press, 1984.

McEVILLEY, Thomas. Marina Abramović/Ulay. New York, ARTFORUM, v. 22/ n.1, p. 52-55, 1983.

PERNIOLA, Mario. Do sentir. Tradução de António Guerreiro. Editorial Presença, Lisboa, 1993.

ROSSINI, Élcio. Cenografia no teatro e nos espaços expositivos: uma abordagem além da representação. Transinformação, Campinas, v. 24, n.3, 2012.

Downloads

Publicado

2021-04-28

Como Citar

Almeida, R. S. de. (2021). Performance, Espaço, Presença, Exposição e Controle: Curadorias, Expografia e performatividade em Artes do Corpo. Urdimento - Revista De Estudos Em Artes Cênicas, 1(40), 1-20. https://doi.org/10.5965/1414573101402021e0116

Edição

Seção

Dossiê Temático: Curadoria da Performance e Processos de Cura em Artes Cênicas