Desenvolvimento inicial de espécies arbóreas em sistemas agroflorestais no Baixo Amazonas, Pará, Brasil

Breno Pinto Rayol, Fabrízia de Oliveira Alvino-Rayol

Resumo


Estudos sobre o desenvolvimento inicial de espécies arbóreas em sistemas agroflorestais são importantes, pois fornecem subsídios para o manejo desses agroecossistemas. O objetivo dessa pesquisa foi avaliar a sobrevivência e o crescimento em altura de mudas de espécies arbóreas em sistemas agroflorestais amazônicos submetidos a diferentes formas de preparo da área e manejo. O experimento foi conduzido em dois sistemas agroflorestais (sucessional e consórcio agroflorestal) localizados no Baixo Amazonas, oeste do estado do Pará. No consórcio agroflorestal comercial, a taxa de sobrevivência das espécies não ultrapassou o valor de 70%. No sistema sucessional a taxa de sobrevivência das espécies arbóreas implantadas foi alta com a maioria variando entre 90 a 100%. O estresse hídrico nos períodos mais secos do ano é um fator limitante na adoção de sistemas agroflorestais na região causando mortalidade das mudas. Quanto ao crescimento em altura, as espécies avaliadas obtiveram desempenhos satisfatórios em ambos os sistemas.


Palavras-chave


sistema agroflorestal sucessional, consórcio agroflorestal, mudas.

Texto completo:

PDF

Referências


ABDO MTVN et al. 2008. Sistemas agroflorestais e agricultura familiar: uma parceria interessante. Revista Tecnologia & Inovação Agropecuária 1: 50-59.

AYRES ECB & RIBEIRO AEM 2010. Inovações agroecológicas no Nordeste de Minas Gerais: o caso dos sistemas agroflorestais na agricultura familiar do alto Jequitinhonha. Organizações Rurais & Agroindustriais 12: 334-354.

BASTOS TX et al. 2008. Zoneamento agroclimático para a cultura da pupunheira para a produção de palmito no Estado do Pará. Belém: EMBRAPA. 24p. (Documentos 318).

BHAGWAT SA et al. 2008. Agroforestry: a refuge for tropical biodiversity? Trends in Ecology and Evolution 23: 261-267.

BOLFE EL & BATISTELLA M. 2011. Análise florística e estrutural de sistemas silviagrícolas em Tomé-Açu, Pará. Pesquisa Agropecuária Brasileira 46: 1139-1147.

CONDÉ TM et al. 2013. Morfometria de quatro espécies florestais em sistemas agroflorestais no munícipio de Porto Velho, Rondônia. Revista Agro@mbiente On-line 7: 18-27.

COSTA JR & MORAIS RR. 2013. Carapa guianensis Aubl. (Andirobeira) em Sistemas Agroflorestais. Manaus: EMBRAPA. 28p. (Documentos 112).

DE BEENHOUWER M et al. 2013. A global meta-analysis of the biodiversity and ecosystem service benefits of coffee and cacao agroforestry. Agriculture, Ecosystems & Environment 175: 1-7.

DUBOIS JCL. 1996. Manual agroflorestal para a Amazônia. Rio de Janeiro: REBRAF. 228p.

HERMIDA GC. 2015. Agroforesteria periurbana una opción para la producción sustentable en los alrededores de Buenos Aires. Scientia Agroalimentaria 2: 7-17.

JARDIM FCS et al. 2004. Avaliação preliminar de sistema agroflorestal no Projeto Água Verde, ALBRÁS, Barcarena, Pará-I. Revista de Ciências Agrárias 41: 25-46.

MARQUES LCT et al. 1993. Alternativa agroflorestal para pequenos produtores agrícolas em áreas de terra firme do município de Santarém, Pará. Belém: EMBRAPA. 18p. (Boletim de Pesquisa 147).

NAIR PK. 2007. The coming of age of agroforestry. Journal of the Science of Food and Agriculture 87: 1613-1619.

NAPPO ME et al. 2004. Dinâmica da estrutura fitossociológica da Regeneração Natural em sub-bosque de Mimosa scabrella Bentham em área minerada, em Poços de Caldas, MG. Revista Árvore 28: 811-829.

NEVES EJM et al. 1993. Comportamento de espécies florestais a pleno sol e em linhas de enriquecimento em Manaus-AM. In: 7 Congresso Florestal Panamericano; 1 Congresso Florestal Brasileiro. Anais... São Paulo: SBEF. p.756.

RIBEIRO GD et al. 2004. Avaliação preliminar de sistema agroflorestal no Projeto Água Verde, ALBRÁS, Barcarena, Pará-II. Revista de Ciências Agrárias 41: 49-72.

RODRIGUES TE et al. 2001. Caracterização dos solos da área do planalto de Belterra, município de Santarém, Estado do Pará. Belém: Embrapa Amazônia Oriental. 55p. (Documentos 115).

SILVA PTE et al. 2008. Principais espécies florestais utilizadas em sistemas agroflorestais na Amazônia. Revista de Ciências Agrárias 49: 49-72.

TORRALBA M et al. 2016. Do European agroforestry systems enhance biodiversity and ecosystem services? A meta-analysis. Agriculture, Ecosystems & Environment 230: 150-161.

VASCONCELLOS RC & BELTRÃO NES. 2018. Avaliação de prestação de serviços ecossistêmicos em sistemas agroflorestais através de indicadores ambientais. Interações (Campo Grande) 19: 209-220.

VELOSO AS. 2015. Implantação do sistema agroflorestal sucessional para conservação de sete nascentes em área degradada por pastagem. Revista Terceiro Incluído 5: 428-451.

VIEIRA TA et al. 2011. Adoção de sistemas agroflorestais na agricultura familiar, em Igarapé-Açu, Pará, Brasil. Revista de Ciências Agrárias 47: 9-22.

YUYAMA K & SILVA FMS. 2003. Desenvolvimento inicial da pupunheira em monocultivo e intercalado com culturas anuais. Horticultura Brasileira 21: 15-19.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711812019059

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171