Jogos Teatrais como mediadores do diálogo entre educação e cotidiano social: apontamentos teórico-metodológicos

Autores

  • Marcos Antonio Ferreira dos Santos Universidade Federal de Goiás
  • Mary Anne Vieira Silva Universidade Estadual de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984317813022017054

Palavras-chave:

Educação, Artes, Inclusão, Teatro, Jogos,

Resumo

O texto é constituído por reflexões teóricas sobre os jogos teatrais como possibilidades formativas do sujeito social. Os jogos são dispositivos de ensino que contemplam os propósitos dos Parâmetros Curriculares Nacionais visando uma aprendizagem construtivista. Dentre os objetivos destacamos: apresentar os jogos teatrais como propostas educativas críticas dos contextos sociais cotidianos; abordar os pressupostos educacionais para o ensino de arte/teatro; discutir sobre o teatro como linguagem educacional. Ademais, a análise circunscreve a teoria dos jogos teatrais a partir do campo da percepção focalizando as mediações perceptivas, imaginativas e dramáticas para a formação do sujeito crítico. Metodologicamente, o estudo realiza-se por uma revisão bibliográfica teórica e conceitual. Dentre os resultados, expomos que os jogos teatrais se apresentam em uma relação dialética em que o exercício do teatro permite ao educando por meio do próprio teatro e de seus instrumentos de ensino melhores rendimentos escolares, além de aguçar percepções sobre a realidade cotidiana, contribuindo para o incremento de um ser humano crítico.

Biografia do Autor

Marcos Antonio Ferreira dos Santos, Universidade Federal de Goiás

Graduado pela Universidade Federal de Goiás. Atua na área de Teatro como diretor, e ator com experiência em peças teatrais e filmes de curta-metragem. Consultor em projetos na área de Educação para implementação de políticas de Promoção da Igualdade Racial e de Gênero. Pesquisador do Centro Interdisciplinar de Estudos África- Américas em pesquisas financiadas pelo MEC, CNPq e FAPEG.

Mary Anne Vieira Silva, Universidade Estadual de Goiás

Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal do Ceará - UFC (1994), mestrado em Geografia (Geografia Humana) pela Universidade de São Paulo - USP (2001) e Doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Goiás - UFG (2013). Atualmente é professora Estatutária Adjunto Nível III da Universidade Estadual de Goiás em regime de dedicação em tempo integral à docência e à pesquisa (RTIDP). Coordenadora de Extensão da Universidade Estadual de Goiás. Pesquisadora/Coordenadora do Centro Interdisciplinar de Estudos África-Américas - CieAA. Pesquisadora da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás. Professora do Programa de Pós-graduação Scrito Sensu, em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado (TECCER). Desenvolve pesquisas no âmbito dos estudos culturais numa perspectiva que abarca as manifestações culturais e estéticas de diferentes grupos sociais existentes no Cerrado. As temáticas se desdobram para os estudos de rituais; estéticas da cultura popular e erudita; manifestações culturais urbanas; religiosidades e teatro.

Referências

ARAÚJO, A.R.F. de. Sobre o Olhar – A percepção fenomenológica em Merleau-Ponty. (1996), Em: http://www.eca.usp.br/nucleos/filocom/ensaio4.html. Acessado em 06/07/2013, às 06h14min.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmentros Curriculares Nacionais: Arte. Brasilia: MEC/SEC, 1998.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. 3. Ed. Senado federal/Subsecretaria de Edições Técnicas, 2006.

DESGRANGES, F. Pedagogia do Teatro: provocação e dialogismo. São Paulo: Hucitec, 2006.

JAPIASSU, R.O.V. A Linguagem Teatral na Escola: Pesquisa, Docência e Prática Pedagógica. Campinas: Papirus, 2007. (Coleção Ágere)

KOUDELA, I. D. Brecht e o jogo teatral infantil. Revista Comunicações e Artes, São Paulo, v.15, n.24, p.27-34, set./dez. 1990. , p. 78

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da Percepção. Tradução de Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 2ª. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

OLIVEIRA, U.A.S.M. de. A criação de textos teatrais a partir dos jogos e das peça didáticas de Bertolt Brecht. 2007. 262 f. Tese (Doutorado em Educação) Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, 2007.

PAVIS, P. Dicionário de Teatro. Trad. Jacó Guinsburg e Maria Lúcia Pereira. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2008.

SPOLIN, V. Jogos teatrais: o fichário de Viola Spolin. Trad. Ingrid Dormien Koudela. São Paulo: Perspectiva, 2001a. p. 56

_____Jogos Teatrais na Sala de Aula, Perspectiva,2001

Downloads

Publicado

2017-08-01