Influência do ambiente térmico no comportamento e desempenho zootécnico de suínos

Autores

  • Tatiany Carvalho dos Santos Universidade Federal de Viçosa, Viçosa/MG - Brasil
  • Cinara da Cunha Siqueira Carvalho Universidade Estadual de Montes Claros, Janaúba/MG - Brasil
  • Geruza Cardoso da Silva Universidade Estadual de Montes Claros, Janaúba/MG - Brasil
  • Thamara Amaral Diniz Universidade Estadual de Montes Claros, Janaúba/MG - Brasil
  • Thaís Emanuele Soares Universidade Estadual de Montes Claros, Janaúba/MG - Brasil
  • Sóstenes de Jesus Magalhães Moreira Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Itapetinga/BA - Brasil
  • Paulo Roberto Cecon Universidade Federal de Viçosa, Viçosa/MG - Brasil

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711722018241

Palavras-chave:

ambiência, bem-estar, ganho de peso, lâmina d’água, suinocultura

Resumo

Os modificadores ambientais, como o uso da lâmina d’água, são frequentemente utilizados na produção de suínos, com intuito de melhorar as condições de bem-estar e consequentemente, a produção. Diante dessa consideração, buscou-se avaliar o efeito do ambiente climático sobre o ganho de peso e o comportamento de suínos em fase de terminação em baias com e sem acesso à lâmina d’água. O trabalho foi conduzido em uma granja suinícola localizada na cidade de Nova Porteirinha, localizada na região semiárida de Minas Gerais. Para avaliar o conforto térmico dos animais utilizou-se o Índice de Temperatura de Globo Negro e Umidade (ITGU) e para análise do comportamento dos suínos observou-se o número de animais realizando a atividade, por período avaliado, bem como, o ganho de peso. No terceiro bloco os valores de índice de temperatura de globo negro e umidade foram maiores havendo menor ganho de peso médio diário. Os tratamentos resultam em diferentes respostas comportamentais, sendo o comportamento na lâmina d’água mais expressivo no período da tarde. O período de avaliação mostrou influenciar na temperatura superficial e em temperaturas elevadas os animais apresentam menor ganho de peso médio diário. A lâmina d’água não influenciou no ganho de peso dos animais, entretanto, proporcionou melhores condições de bem-estar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiany Carvalho dos Santos, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa/MG - Brasil

Departamento de Engenharia Agrícola / Construções Rurais e Ambiência

Referências

BERTON MP. 2013. Ambiente controlado e não controlado no desempenho, comportamento e características da carcaça de suínos. Dissertação (Mestrado em Zootecnia). Jaboticabal: UNESP. 53p.

BIAZZI HM et al. 2014. Behavioral, thermoregulatory, and operational aspects of shallow pool pens used in gilts production. Semina: Ciências Agrárias 35: 3439-3448.

BROWN-BRANDL TM et al. 2012. Determining Heat Tolerance in Finishing Pigs Using Thermal Imaging. In: INTERNATIONAL LIVESTOCK ENVIRONMENT SYMPOSIUM, 9. Proceedings... Valencia: ASABE. p. 1-8.

BUFFINGTON SC et al. 1981. Black-Globe-Humidity Index (BGHI) as comfort equations for dairy cows. Transactions of the ASAE 24: 711-714.

CARVALHO LE et al. 2004. Utilização da nebulização e ventilação forçada sobre o desempenho e a temperatura da pele de suínos na fase de terminação. Revista Brasileira de Zootecnia 33: 1486-1494.

DIAS AC et al. 2011. Manual brasileiro de boas práticas agropecuárias na produção de suínos. Concórdia: Embrapa Suínos e Aves. 140p.

DIAS CP et al. 2015. Efeitos do alojamento no bem-estar de suínos em fase de crescimento e terminação. Ciência Animal 25: 76-92.

FOPPA L et al. 2014. Enriquecimento ambiental e comportamento de suínos: revisão. Brazilian Journal of Biosystems Engineering 8: 1-7.

GONÇALVES RG & PALMEIRA EM 2006. Suinocultura Brasileira. Observatorio de la Economía Latinoamericana. Revista Académica de Economia, nº. 71. Disponível em: <http://www.eumed.net/cursecon/ecolat/br/06/rgg.pdf>. Acesso em: 19 fev. 2014.

HUYNH TTT et al. 2005. Effects of increasing temperatures on physiological changes in pigs at different relative humidities. Journal of Animal Science 83: 1385-1396.

JÄÄSKELÄINEN T et al. 2014. Relationships between pig welfare, productivity and farmer disposition. Animal Welfare 23: 435-443.

KIEFER C et al. 2009. Resposta de suínos em crescimento mantidos em diferentes temperaturas. Archivos de Zootecnia 58: 55-64.

KIEFER C et al. 2010. Respostas de suínos em terminação mantidos em diferentes ambientes térmicos. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal 11: 496-504.

LEAL RS et al. 2015. Desempenho e rendimento de carcaça de suínos na fase de terminação, recebendo dietas com diferentes níveis de ractopamina. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal 16: 582-590.

MASSARI JM et al. 2015. Características comportamentais de suínos em crescimento e terminação em sistema “Wean to finish”. Engenharia Agrícola 35: 646-656.

MEDEIROS BBL et al. 2014. Uso da geoestatística na avaliação de variáveis ambientais em galpão de suínos criados em sistema “wean to finish” na fase de terminação. Engenharia Agrícola 34: 800-811.

MOREIRA I et al. 2003. Desempenho e características de carcaça de suínos (33 - 84 kg) criados em baias de piso compacto ou com lâmina d‘água. Revista Brasileira de Zootecnia 32: 132-139.

NATIONAL FARM ANIMAL CARE COUNCIL. 2014. Code of practice for the care and handling of pigs. Code of practice. 78 p.

PAIANO D et al. 2007. Comportamento de suínos alojados em baias de piso parcialmente ripado ou com lâmina d’água. Acta Scientiarum. Animal Sciences 29: 345-351.

PANDORFI H et al. 2008. Conforto térmico para matrizes suínas em fase de gestação, alojadas em baias individuais e coletivas. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 12: 326-332.

RENAUDEAU D et al. 2011. A meta-analysis of the effects of high ambient temperature on growth performance of growing-finishing pigs. Journal of Animal Science 89: 2220-2230.

RODRIGUES NEB et al. 2010. Adaptações fisiológicas de Suínos sob estresse térmico. Revista Eletrônica Nutritime 7:

-1211.

SALES FAL et al. 2011. Monitoramento ambiental do perfil horizontal de um galpão para suínos, na fase de gestação, utilizando zootecnia de precisão. Revista Científica Produção Animal 13: 7-12.

SILVA IJO. 1999. Qualidade do ambiente e instalações na produção industrial de suínos. In: Seminário internacional de suinocultura, 4. Anais... Piracicaba: ESALQ. p. 108-121.

SOUZA BB et al. 2010. Efeito do ambiente sobre as respostas fisiológicas de caprinos saanen e mestiços ½ saanen + ½ boer no semiárido Paraibano. Agropecuária Científica no Semiárido 6: 47-51.

SPOOLDER HAM et al. 2012. Effect of increasing temperature on space requirements of group housed finishing pigs. Applied Animal Behaviour Science 138: 229-239.

SAEG. 2007. Sistema para Análises Estatísticas, Versão 9.1: Fundação Arthur Bernardes - UFV - Viçosa.

VICARI JUNIOR D et al. 2016. Melhoria de índices zootécnicos em suínos com imunocastração. Unoesc & Ciência - ACET 7: 89-94.

Downloads

Publicado

2018-05-09

Como Citar

SANTOS, T. C. dos; CARVALHO, C. da C. S.; SILVA, G. C. da; DINIZ, T. A.; SOARES, T. E.; MOREIRA, S. de J. M.; CECON, P. R. Influência do ambiente térmico no comportamento e desempenho zootécnico de suínos. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 17, n. 2, p. 241-253, 2018. DOI: 10.5965/223811711722018241. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/9614. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Animais e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)