Uso de diferentes tipos de fertilizantes minerais na produção de Ipomoea batatas BRS Amélia em cultivo vertical

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712232023494

Palavras-chave:

adubação, batata-doce, fertilizante de liberação controlada, nutrição mineral

Resumo

Ipomoea batatas, popularmente conhecida como batata-doce, é considerada uma das plantas com grande importância econômica por apresentar características favoráveis para o suprimento de calorias, vitaminas e minerais na alimentação humana. Dentre os genótipos com potencial econômico destaca-se a cultivar biofortificada BRS Amélia (Ipomoea batatas), por apresentar valores nutricionais, rusticidade e fácil manejo. Pesquisas indicam que a ausência do uso de tecnologias de fertilização, pode proporcionar resultados de baixa produtividade de batata-doce, sendo necessária a utilização de adubações balanceadas. Este estudo teve como objetivo avaliar o desenvolvimento da cultivar biofortificada BRS Amélia, submetida a usos de diferentes tecnologias de fertilização em sistema de cultivo vertical. As mudas receberam diferentes doses de fertilizante de liberação controlada: 0,0 (controle); 30g; 60g; 90g; 120g e uma dose de 40g por cova de NPK 13-13-28 de pronta solubilidade. Aos 180 dias os dados de parâmetros biométricos e de produção foram coletados e submetidos à análise de variância e análise de regressão seguida pelo teste de Tukey a 5% para separação de médias. A aplicação do fertilizante de liberação controlada apresentou efeito positivo no desempenho das plantas em altura, diâmetro do coleto, número de folhas, número de ramos, comprimento de ramos e clorofila. Para os parâmetros biomassa fresca da raiz e biomassa seca da raiz o uso do fertilizante convencional apresentou melhor resultado comparado com o fertilizante de liberação controlada para produção de batata-doce BRS Amélia em solo fértil no sistema de cultivo vertical.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Uberson Boaretto Rossa, Instituto Federal Catarinense, Araquari, SC, Brasil

 

 

Referências

ALMEIDA UO et al. 2018. Environment and slow- release fertilizer in the production of Euterpe precatória seedlings. Pesquisa Agropecuária Tropical 48: 382-389.

ARAÚJO RC et al. 2005. Crescimento e produção do maracujazeiro-amarelo em resposta à nutrição potássica. Revista Brasileira de Fruticultura 27: 128-131.

BACHIÃO POB et al. 2018. Crescimento de mudas de cafeeiro em tubes com fertilizante de liberação lenta. Revista Agrogeoambiental 10: 105-116.

BLEY H et al. 2017. Nutrient release, plant nutrition, and potassium leaching from polymer-coated fertilizer. Revista Brasileira de Ciência do Solo 41: 1-11.

BRONDANI GE et al. 2008. Fertilização de liberação controlada no crescimento inicial de angico-branco. Scientia Agraria 9: 167-176.

CABREIRA GV et. al. 2020. Fertilization and containers in the seedlings production and post-planting survival of Schizolobium parahyba. Ciência Florestal 29: 1644-1657.

CAJANGO TC et al. 2021. Desempenho agronômico de cultivares de batata-doce (Ipomoea batatas) em Iporá – Goiás. Research, Society and Development 10: 1-7.

CASTRO & BECKER A. 2011. Batata-doce: BRS Amélia. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/ digital/bitstream/item/54925/1/BRS-Ame769lia-Castro-Suita.pdf/. Acesso em: 17 jan. 2022.

COMPO EXPERT BASACOT® PLUS. 2021. Controlled-release fertilizers. Disponível em: https://www.compo-expert.com/products/basacote-high-k-12m-12-5-182/. Acesso em: 19 abr. 2022.

CQFS-RS/SC. 2004. Comissão de Química e Fertilidade do Solo. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. Manual de adubação e de calagem para os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. 10.ed. Porto Alegre: SBCS/NRS.

CONEGLIAN A et al. 2016. Initial growth of Schizolobium parahybae in Brazilian cerrado soil under liming and mineral fertilization. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 20: 908–912.

CORREA CV. 2016. Produção e qualidade de batata-doce em função das doses e parcelamento da adubação potássica. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Botucatu: UNESP. 88p.

CRUZ SMC et al. 2016. Mineral nutrition and yield of sweet potato according to phosphorus doses. Comunicata Scientiae 7: 183-191.

CUNHA FL et al. 2021. Uso dos adubos de liberação lenta no setor florestal. Pesquisa Florestal Brasileira 41: 1-11.

DUTRA TR et al. 2016. Fertilizante de liberação lenta no crescimento e qualidade de mudas de canafístula (Peltophorum dubium). Floresta 46: 491-498.

ECHER FR et al. 2009. Absorção de nutrientes e distribuição da massa fresca e seca entre órgãos de batata-doce. Horticultura Brasileira 27: 176-182.

FERTIPAR. 2022. Fertilizantes de alta qualidade e potencial produtivo. Disponível em: https://www.fertipar.com.br/. Acesso em: 21 mar.2022.

FILGUEIRA FAR. 2013. Novo Manual de Olericultura: Agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 3.ed. Viçosa: UFV. 421p.

FRANCO JUNIOR KS et al. 2019. Avaliação do adubo de liberação lenta no desenvolvimento inicial e produção de café. Coffee Science 14: 538–543.

FREITAS EL et al. 2013. Avaliação de parâmetros biométricos da cana de açúcar em função de diferentes níveis de irrigação e adubação. In: XIII Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão. Recife: UFRPE.

FREITAS SJ et al. 2011. Substratos e Osmocote® na nutrição e desenvolvimento de mudas micropropagadas de abacaxizeiro cv. vitória. Revista Brasileira de Fruticultura 33: 672-679.

GIRARDI EA & MOURÃO FILHO FAA. 2003. Emprego de fertilizantes de liberação lenta na formação de pomares de citros. Revista Laranja 24: 507-518.

GOMES EN et al. 2020. Controlled-release fertilizer increases growth, chlorophyll content and overall quality of loquat seedlings. Comunicata Scientiae 11: 1-8.

GOMES EM et al. 2017. Qualidade de mudas de quiabeiro em função de diferentes dosagens de fertilizante de liberação lenta. Revista Brasileira de Tecnologia Aplicada nas Ciências Agrárias 10: 71-78.

GUO C et al. 2017. Application of Controlled-Release Urea in Rice: Reducing Environmental Risk While Increasing Grain Yield and Improving Nitrogen Use Efficiency. Communications in Soil Science and Plant Analysis 47: 1176–1183.

HILL WA et al. 1990. Sweet Potato Root and Biomass Production with and without Nitrogen Fertilization. Agronomy Journal 82: 1120-1122.

IBGE. 2018. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção Agrícola Municipal em 2018. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br>. Acesso em: 30 de set. 2022.

KÖPPEN W. 1931. Grundriss der Klimakunde. Berlin: W. de Gruyter. 390p.

LANG A et al. 2011. Aplicação de fertilizante de liberação lenta no estabelecimento de mudas de ipê-roxo e angico-branco em área de domínio. Floresta 41: 271-276.

MAPA. 2008. Instrução Normativa SPA n° 2 de 09/10/2008 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento– DOU n° 197, de 10/10/2008, Seção 1, p.71.

MARANA JP et al. 2008. Índices de qualidade e crescimento de mudas de café produzidas em tubetes. Ciência Rural 38: 39-45.

MARQUES HMC et al. 2013. Desenvolvimento inicial do cafezeiro (Coffea arábica L.), com doses de co-polímero hidroabsorvente em adubação convencional e de liberação controlada. Centro Científico Conhecer 9: 2994.

MARTINS AD et al. 2010. Relação entre índice SPAD, teores de clorofila e nitrogênio na folha de batata. Horticultura Brasileira 2: 835–841.

MELO B et al. 2001. Doses crescentes de fertilizantes de liberação lenta gradual na produção de mudas de cafeeiro. Bioscience Journal 17: 97-113.

NEUMANN ER et al. 2017. Produção de mudas de batata doce em ambiente protegido com aplicação de extrato de Ascophylum nodosum. Horticultura Brasileira 35: 490-498.

NUNES ARA et al. 2016. Nitrogênio no crescimento da planta e na qualidade de raízes da mandioquinha-salsa. Ciência Rural 46: 242–247.

OLIVEIRA CP et al. 2018. Desempenho agronômico e qualidade pós colheita de batata doce cultivadas em clima tropical. Dissertação (Mestrado em Olericultura). Morrinhos: IF Goiano.

OLIVEIRA AP et al. 2006. Características produtivas da batata-doce em função de doses de P2O5, de espaçamentos e de sistemas de plantio. Ciência e Agrotecnologia 30: 611-617.

PRADO RM & CECÍLIO FILHO AB. 2016. Nutrição e adubação de hortaliças. Jaboticabal: FUNEP.

RÓS AB et al. 2014. Produtividade de raízes tuberosas de batata-doce em diferentes sistemas de preparo do solo. Ciência Rural 44: 1929- 1935.

RÓS AB et al. 2013. Uso de fertilizante de liberação lenta na produção de mudas de batata-doce em bandeja. Semina: Ciências Agrárias 34: 2667-2674.

RÓS AB et al. 2011. Uso de fertilizante e tempo de permanência de mudas de batata-doce produzidas em bandeja. Pesquisa Agropecuária Brasileira 46: 845-851.

ROSSA ÜB et al. 2011. Fertilizante de liberação lenta no crescimento de mudas de Araucaria angustifolia e Ocotea odorifera. Floresta 41: 491-500.

ROSSA ÜB et al. 2015. Fertilizante de liberação lenta no desenvolvimento de muda de Anadenanthera peregrina (L.) Speg. (Angico Vermelho) e Schinus terebinthifolius Raddi (Aroeira - Vermelha). Ciência Florestal 25: 841-852.

ROSSA ÜB et al. 2013a. Fertilizaçao de liberação lenta no crescimento de mudas de paricá em viveiro. Pesquisa florestal brasileira 33: 227-234.

ROSSA ÜB et al. 2013b. Fertilizante de liberação lenta no desenvolvimento de mudas de Schinus terebinthifolius e Sebastiania commersoniana. Floresta 43: 93-104.

SANTOS RD et al. 2015. Manual de Descrição e Coleta de Solo no Campo. Viçosa: SBCS.

SANTOS PLF et al. 2018. Doses de adubo de liberação lenta no crescimento inicial de mudas de tamarindo. Nucleus 15: 137-145.

SANTOS PLF & CASTILHO RMM. 2015. Relação entre teor de clorofila e nitrogênio foliar em grama esmeralda cultivada em substratos. Tecnologia & Ciência Agropecuária 9: 51-54.

SENBAYRAM M et al. 2015. Role of magnesium fertilizers in agriculture: plant-soil continuum. Crop and Pasture Science 66: 1219-1229.

SILVA GO et al. 2015. Desempenho de cultivares de batata-doce para caracteres relacionados com o rendimento de raiz. Revista Ceres 4: 379-383.

SILVA FAS & AZEVEDO CAA. 2016. The Assistat Software Version 7.7 and its use in the analysis of experimental data. African Journal of Agricultural Research 11: 3733-3740.

STEFFLER AD et al. 2022. Produtividade e qualidade de raízes de batata-doce cultivadas com e sem adubação de cama de frango. Pesquisa Agropecuária Gaúcha 28: 36-47.

TAIZ L et al. 2017. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6.ed. Porto Alegre: Artmed. 858p.

TUBALDINI TM. 1997. Efeito de um formulado com liberação lenta de nutrientes na formação de mudas do cafeeiro em tubetes. Uberlândia: UFU. 33p.

VENTURA KM & ROMÁN RMS. 2015. Horta vertical Orgânica: Uma Alternativa Sustentável para Produção de Alimentos. JC na Escola Ciência, Tecnologia e Sociedade: Mobilizar o Conhecimento para Alimentar o Brasil: 273–283.

WU L & LIU M. 2008. Preparation and Properties of Chitosan-Coated NPK Compound Fertilizer with Controlled-Release and Water-Retention. Carbohydrate Polymers 72: 240-247.

YAMANISHI OK et al. 2004. Efeito de diferentes substratos e duas formas de adubação na produção de mudas de mamoeiro. Revista Brasileira de Fruticultura 26: 276-279.

YE HM et al. 2020. Degradable polyester/urea inclusion complex applied as a facile and environment-friendly strategy for slow-release fertilizer: Performance and mechanism. Chemical Engineering Journal 381: 122-135.

ZAMUNÉR ANF et al. 2012. Doses of controlled-release fertilizer efor production of rubber tree roottocks. Cerne 18: 239- 345.

Downloads

Publicado

2023-08-04

Como Citar

GONÇALVES , Lilian Fernanda Sfendrych; ROSSA, Uberson Boaretto; GOMES, Erik Nunes; ARAUJO, Joao Celio De; RIBEIRO, Eduardo Augusto Werneck; FARIAS, Daniel da Rosa; VISCHETTI, Constantino; CASUCCI, Cristiano. Uso de diferentes tipos de fertilizantes minerais na produção de Ipomoea batatas BRS Amélia em cultivo vertical. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 3, p. 494–503, 2023. DOI: 10.5965/223811712232023494. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/23301. Acesso em: 22 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência do Solo e do Ambiente

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)