Qualidade fisiológica de sementes de soja produzidas sob sombreamento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712212023001

Palavras-chave:

fotossíntese, germinação, Glicyne max, radiação solar, soja, sementes

Resumo

A baixa intensidade luminosa reduz a produção de fotoassimilados pelas plantas e consequentemente o acúmulo de reservas nas sementes. Objetivou-se avaliar a qualidade fisiológica de sementes de soja produzidas sob sombreamento iniciado em diferentes estádios fenológicos da cultura. O experimento foi conduzido em casa de vegetação, no CAV/UDESC, durante a safra 2018/2019, em delineamento inteiramente casualizado, com nove tratamentos e 10 repetições. Os tratamentos foram constituídos por nove lotes de sementes, sendo oito obtidos de plantas submetidas a sombreamento contínuo de 70%, iniciado em diferentes estádios fenológicos: estádio V6 (Dia Juliano 07); R1 (DJ 14); R2 (DJ 21); R3 (DJ 28); R4 (DJ 35); R5 (DJ 42); início de R6 (DJ 49); final de R6 (DJ 56), e um lote de sementes produzidas sem sombreamento (testemunha). Cada repetição foi composta por um vaso contendo uma planta de soja. Avaliou-se o potencial de germinação e vigor das sementes produzidas. A germinação de sementes de soja foi maior no lote de sementes oriundas de plantas sombreadas a partir do estádio R4 (35 DJ), com 98%, mas, os demais lotes apresentaram percentuais acima de 87%. O vigor no teste de envelhecimento acelerado foi inferior para o lote obtido de plantas sombreadas a partir de V6, com 43%. Já a massa seca de plântulas apresentou redução de 7,0 a 13,3% em relação à testemunha, quando o sombreamento foi imposto entre R3 e R6. Concluiu-se que o sombreamento contínuo de 70% em soja promoveu maior germinação de sementes quando imposto a partir do estádio R4, porém, o vigor foi afetado de maneira dependente do estádio que o sombreamento iniciou e do teste utilizado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSENG S et al. 2017. Simulating the impact of source-sink manipulations in wheat. Field Crops Research 202: 47-56.

BELLALOUI N et al. 2012. Effect of shade on seed protein, oil, fatty acids, and minerals in soybean lines varying in seed germinability in the early soybean production system. American Journal of Plant Sciences 3: 84-95.

BEWLEY JD et al. 2013. Seeds: Physiology of development, germination and dormancy. 3.ed. Nova York: Springer.

BIANCULLI ML et al. 2016. Contribution of incident solar radiation on leaves and pods to soybean seed weight and composition. European Journal of Agronomy 77: 1-9.

BORRÁS L et al. 2004. Seed dry weight response to source-sink manipulations in wheat, maize and soybean: quantitative reappraisal. Field Crop Research 86: 131-146.

BRASIL. 2013. Instrução normativa nº 45, de 17 de setembro de 2013. Padrões de identidade e qualidade para a produção e a comercialização de sementes. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Seção 1. p. 6.

BRASIL. 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para Análise de Sementes. Brasília: ACS.

CARVALHO NM & NAKAGAWA J. 2012. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 5.ed. Jaboticabal: FUNEP.

CATÃO HCRM & CAIXETA F. 2019. Electrical conductivity test in soybean seeds with reduced imbibition period. Revista de Ciências Agrárias 42: 387-393.

CHEN F et al. 2020. Shading in mother plant during seed development promotes subsequente seed germination in soybean. Journal of Experimental Botany 71: 2072-2084.

CQFS-RS/SC. 2016. Comissão de química e fertilidade do solo - RS/SC. Manual de adubação e de calagem para os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Porto Alegre: SBCS - Núcleo Regional Sul/UFRGS.

CONAB. 2022. Companhia nacional de abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira de grãos. Brasília: CONAB. V.9.

CORDEIRO LAM et al. 2015. Integração lavoura-pecuária e integração lavoura-pecuária-floresta: estratégias para intensificação sustentável do uso do solo. Cadernos de Ciência & Tecnologia 32: 15-43.

CUSTÓDIO MS et al. 2009. Nebulosidade diurna no Rio Grande do Sul, Brasil: climatologia e tendência temporal. Pesquisa Agropecuária Gaúcha 15: 45-52.

DELARMELINO-FERRARESI LM et al. 2014. Desempenho fisiológico e composição química de sementes de soja. Agrária- Revista Brasileira de Ciências Agrárias 9: 14-18.

FEHR WR & CAVINESS CE. 1971. Stage of development descriptions for soybeans, Glycine Max (L.) Merrill. Crop Science 11: 929-931.

FERREIRA DF. 2011. SISVAR: um programa para análise e ensaio de estatística. Revista Symposium 6: 36-41.

FRANKLIN KA & WHITELAM GC. 2005. Phytochromes and shade-avoidance responses in plants. Annals of Botany 96: 196-175.

HENNING FA et al. 2010. Composição química e mobilização de reservas em sementes de soja de alto e baixo vigor. Bragantia 69: 727-734.

KHAN AZ et al. 2011. Seed quality and vigour of soybean cultivars as influenced by canopy temperature. Pakistan Journal of Botany 43: 643-648.

KRZYZANOWSKI FC et al. 1999. Vigor de sementes: Conceitos e testes. Londrina: ABRATES.

LABRA MH et al. 2017. Plasticity of seed weight compensates reductions in seed number of oilseed rape in response to shading at flowering. European Journal of Agronomy 84: 113-124.

MARCOS FILHO J. 2015. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. 2.ed. Londrina: ABRATES.

MATERA TC et al. 2019. Accelerated aging test and its relationship to physiological potential of soybean seeds. Journal of Seed Science 41: 301-308.

MATHIAS V et al. 2019. Soluble protein as indicative physiological quality of soybeans seeds. Revista Caatinga 32: 730-740.

PICCININ GG et al. 2012. Relação entre o tamanho e a qualidade fisiológica e sanitária de sementes de soja. Revista Agrarian 5: 20-28.

SOUZA CA et al. 2010. Relação entre densidade de plantas e genótipos de soja roundup readyTM. Planta Daninha 28: 887-896.

TAIZ L et al. 2017. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6.ed. Porto Alegre: Artmed.

YANG F et al. 2018. Auxin-to-gibberellin ratio as a signal light intensity and quality in regulating soybean growth and matter partitioning. Frontiers in Plant Science 9: 1-13.

Downloads

Publicado

2023-03-28

Como Citar

CIGEL, C.; SOUZA, C. A. de; KANDLER, R.; SILVA, E. R.; COELHO, C. M. M. Qualidade fisiológica de sementes de soja produzidas sob sombreamento. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 1, p. 1-8, 2023. DOI: 10.5965/223811712212023001. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/22044. Acesso em: 2 jun. 2023.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>