Capacidade de remoção do Cd por zeólita natural

Letícia Cristina de Souza, Joana Cassetari Rodrigues, Mari Lucia Campos, Jaime Antônio de Almeida, Cristian Berto da Silveira, Felipe Cordova Machado, Grasiela Spada

Resumo


Este trabalho teve como objetivo determinar a eficiência na remoção de cádmio por zeólita natural disponível na região do Planalto Catarinense (zeólita basalto - ZB) comparando sua eficiência com uma zeólita comercial importada de Cuba (ZC). A capacidade de troca dos materiais zeolíticos foi determinada pelo método de Kitsopoulos (1999). O efeito do pH na remoção de Cd foi avaliado a pH 3,0; 4,0; e 5,0 (±0,2) e concentrações iniciais de 20 e 500 mg L-1. A competição entre o Cd e Cr foi determinado na concentração inicial de 20 mg L-1 de Cd e Cr e valores de pH 4,0 e 5,0. A capacidade máxima de remoção de Cd foi avaliada em pH 4,0 e concentrações iniciais de 20, 40, 80, 120, 200 e 500 mg L-1. A quantificação do teor de cádmio e cromo foi realizada por espectroscopia de absorção atômica com sistema de atomização por chama do tipo ar-acetileno. Para teste de médias da porcentagem removida de Cd+2 e Cr+3 em diferentes valores de pH foi utilizado Scott-Knott a 5% de significância. O aumento do pH de 3,0 para 4,0 para ZC aumentou a remoção de Cd e para ZB isso ocorreu no aumento do pH de 4,0 para 5,0. A ZC apresentou maior remoção em pH 4,0 e a ZB em pH 5,0. A maior porcentagem dessorvida foi para ZB na concentração inicial 500 mg L-1. Na remoção competitiva houve maior remoção para cromo. A capacidade máxima de remoção calculada para Cd foi de 3433 mg kg-1 para ZC e 1387 mg kg-1 para ZB.

Palavras-chave


Metais pesados; Sorção; Materiais zeolíticos.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171