Engajamento do público e agenciamento espacial na cenografia de Baile

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573103482023e0202

Palavras-chave:

cenografia, engajamento, participação

Resumo

A partir da análise dos processos de concepção, produção e realização do cenário da peça Baile, montagem de formatura dos alunos do Teatro Universitário da UFMG, com direção de Thálita Motta, esse artigo pretende discutir como a cenografia e as formas da apropriação do espaço colaboram com os diversos modos de promoção do engajamento da recepção no trabalho artístico, incrementando as possibilidades de relação entre a cena e o público. Como aporte teórico, mobiliza-se a discussão contemporânea sobre o Immersive Theatre, um modo de se propor o teatro contemporâneo baseado na produção de experiências, bem como de algumas propostas de encenação anteriores que se pautam pela investigação das espacialidades como dispositivos relevantes para a visualidade da cena.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiano Cezarino Rodrigues, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorado em Arquitetura pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Mestrado em Arquitetura pela UFMG. Aperfeiçoamento em Engenharia Ambiental Aplicado pelo Instituto de Educação Tecnológica (IETEC). Graduação em Arquitetura e Urbanismo pela UFMG. Professor Adjunto do Departamento de Projetos da Escola de Arquitetura da UFMG. 

Referências

ALSTON, Adam. Audience Participation and Neoliberal Value: Risk, agency and responsibility in immersive theatre. Performance Research, v. 18, n. 2, p. 128-138, 2013.

ARTAUD, Antonin. O teatro e seu duplo. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BISHOP, Claire. Antagonism and Relational Aesthetics. October Magazine, Cambridge, n. 110, p. 51-79, Fall 2004.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética relacional. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BRECHT, Bertolt. Estudos sobre teatro. Trad. Fiama Pais Brandão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1978.

FERRER, Maria Clara. Olhar para aquilo que não se vê. Ensaio sobre uma poética das distâncias nas práticas cênicas de Lia Rodrigues e Antônio Araújo. Urdimento – Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 38, p. 1-24, 2020. DOI: 10.5965/14145731023820200014. Acesso em: 2 jun. 2023.

GROOT NIBBELINK, Liesbeth. ‘Radical Intimacy: Ontroerend Goed Meets the Emancipated Spectator’, Contemporary Theatre Review, v. 22, n. 3, p. 412-420, 2012.

GROTOWSKI, Jerzy. Em busca de um teatro pobre. 4. ed. São Paulo: Civilização Brasileira, 1992.

MACHON, Josephine. Immersive Theatres: Intimacy and Immediacy in Contemporary Performance. Basingstoke and New York: Palgrave Macmillan, 2013. Print.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Editora 34, 2005.

RANCIÈRE, Jacques. The Emancipated Spectator. London: Verso, 2009.

RODRIGUES, Cristiano Cezarino. Cenografia: um outro modo de experimentar e praticar. 2013.

f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Escola de Arquitetura, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

RODRIGUES, Cristiano Cezarino. Espaço do jogo: espaço cênico teatro contemporâneo. 2008. 123 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Escola de Arquitetura, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

ROUBINE, Jean-Jacques. A linguagem da encenação teatral. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

SCHECHNER, Richard. 6 Axioms for Environmental Theatre. The Drama Review, v. 12, n. 3, p. 41-64, 1968.

WHITE, Gareth. On Immersive Theatre. Theater Research International, v. 37, n. 3, p. 221- 235, 2012.

WORTHEN, W. B. “‘The Written Troubles of the Brain’: ‘Sleep No More’ and the Space of Character.” Theatre Journal, v. 64, n. 1, p. 79-97, 2012. Available at: http://www.jstor.org/stable/41411277. Accessed on: 1 Apr. 2023.

Publicado

2023-09-19

Como Citar

RODRIGUES, Cristiano Cezarino. Engajamento do público e agenciamento espacial na cenografia de Baile. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 48, p. 1–22, 2023. DOI: 10.5965/1414573103482023e0202. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/23874. Acesso em: 25 jul. 2024.