A carne fria - performance, espaços públicos e ativismo político na cena contemporânea

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573103452022e0111

Palavras-chave:

Artes da cena, Performance, Espaço Urbano

Resumo

Este artigo tem como objeto as performances realizadas desde 2012 pelo grupo Anima Naturalis em frente à Catedral de Barcelona, Espanha. A performance consiste na apresentação de 20 ativistas embalados, etiquetados e sujos de sangue artificial em bandejas iguais as usadas para a venda de carne nos mercados. Ao escolher esta performance nossa preocupação recai nos discursos cênicos daí imanentes que operam no corpo e no espaço urbano, buscando novas dimensões políticas, éticas e estéticas. Visamos ainda entender como a arte contemporânea profana a antiga imagem do corpo idealizado pela arte, afirmando, neste caso, a literalidade do corpo humano, problematizando-o e evocando as ambiguidades constituintes de nossa percepção do mesmo, a nível de sua fisicalidade, imagem e representação através de processos de cenificação performática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elizabeth Motta Jacob, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Teatro pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Mestre em Comunicação Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Mestre em Esthètique: Cinema, Television et Audiovisuel - Université de Paris I Pantheon Sorbonne. Professora Adjunta do Curso de Comunicação Social - Design, EBA/UFRJ e Professora do Curso de Pós Graduação em Artes da Cena (UFRJ).

Referências

AGAMBEM, Giorgio. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó, SC: Argos, 2009.

BORDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2009.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Editora 34, 2010.

ECO, Humberto (org.). História da beleza. Rio de Janeiro: Record, 2004.

FREUD, Sigmund. O estranho. In: Obras Completas. Versão Standarte Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Volume XVII, Rio de Janeiro: Imago Editora, 1972.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença. O que o sentido não consegue transmitir. Editora 34: Rio de Janeiro, 2010.

JACOB, Elizabeth Motta. Esse espaço me pertence - reflexões sobre a apropriação do espaço público por manifestações político-artísticas. In Luiza Leite e Carmem Gadelha (Org.). Arte: Cena crítica. Rio de Janeiro: Circuito, 2018. E-book: 180p.

JACOB, Elizabeth Motta. No arquipélogo das sensações: A visualidade háptica nas fotografias da performance “A voz do rolo é voz de Deus”(p.110-121). In Evelyn Furquim Werneck Lima (Coord.). Anais de resumos expandidos/ IV Jornada Nacional Arquitetura, Teatro e Cultura. Rio de Janeiro: UNIRIO/CNPq, 2019.

MATESCO, Viviane. Corpo, imagem e representação. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

MENDES, André Melo. A Transgressão do corpo nu na fotografia. O retorno dos corpos decadentes, Revista_ 19_web_58-75.pdf.

PAVIS, Patrice. A encenação contemporânea. Origens, tendências e perspectivas. São Paulo: Perspectiva, 2013.

PIANOWSKI, Fabiane. Corpo como arte: Gunter Brus e o acionismo vienense http://www.observacionesfilosoficas.net/n5rof2007.html.

STORI, Norberto (et al). O Sangue na obra de arte e suas implicações no fazer artístico. The blood in the artwork and its implications in the artistic making .e_revista.unieste.br/index.php/travessias/dowloads/3338/12270-1-PB%20(1).

Downloads

Publicado

2022-12-12

Como Citar

JACOB, E. M. A carne fria - performance, espaços públicos e ativismo político na cena contemporânea. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 45, p. 1-20, 2022. DOI: 10.5965/1414573103452022e0111. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/22678. Acesso em: 29 jan. 2023.

Edição

Seção

Dossiê Temático: Cidades, espaços teatrais e experiências artísticas