Escrita Autoetnográfica como crítica à reprodução do poder de matriz colonial na performance docente

Autores

  • Denise Pereira Rachel

DOI:

https://doi.org/10.5965/10.5965/235809252612022e2309

Palavras-chave:

Aula de performance, Escrita autoetnográfica, Poder de matriz colonial

Resumo

Ao problematizar a reprodução do poder de matriz colo- nial na atuação enquanto professora de arte do Cieja Ermelino Matarazzo, projeto voltado à educação básica de jovens e adultos oferecido pela prefeitura de São Paulo, apresento a possibilidade do exercício de uma escrita autoetnográfica, gestada na experi- ência como performer integrante do Coletivo Parabelo. Por meio deste gesto autoetnográfico, almejo evidenciar as bases sexistas, racistas e patriarcais convencionalmente naturalizadas dentro e fora do contexto escolar, a partir do relato de uma aula de perfor- mance a respeito da Experiência No3 do artista brasileiro Flávio de Carvalho e suas reverberações, como uma forma de desencadear um processo de autocrítica e autotransformação inerentes à práxis de uma professora performer e pesquisadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Pereira Rachel

Ao problematizar a reprodução do poder de matriz colo- nial na atuação enquanto professora de arte do Cieja Ermelino Matarazzo, projeto voltado à educação básica de jovens e adultos oferecido pela prefeitura de São Paulo, apresento a possibilidade do exercício de uma escrita autoetnográfica, gestada na experi- ência como performer integrante do Coletivo Parabelo. Por meio deste gesto autoetnográfico, almejo evidenciar as bases sexistas, racistas e patriarcais convencionalmente naturalizadas dentro e fora do contexto escolar, a partir do relato de uma aula de perfor- mance a respeito da Experiência No3 do artista brasileiro Flávio de Carvalho e suas reverberações, como uma forma de desencadear um processo de autocrítica e autotransformação inerentes à práxis de uma professora performer e pesquisadora.

Referências

CARVALHO, Flávio de. A moda e o novo homem: dialética da moda. Sergio Cohn e Heyk Pimenta (org.). Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2010.

CARVALHO, Flávio. Experiência No2: realizada sobre uma procis- são de Corpus Christi, uma possível teoria e uma experiência. São Paulo; Editores Irmãos Ferraz, 1931. Disponível em: https:// digital.bbm.usp.br/handle/bbm/2116. Acesso em: junho, 2022.

DEWEY, John. Arte como experiência. Trad. Vera Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FABIÃO, Eleonora. Performance e teatro: poéticas e políticas da cena contemporânea. In: Revista Sala Preta, no08, pp. 235-246, São Paulo: Departamento de Artes Cênicas ECA/USP, 2008.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Trad. Renato da Silveira, Salvador: EDUFBA, 2008.

FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos II: Arqueologia das Ciências e História dos Sistemas de Pensamento. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2005.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Trad. Marcelo Brandão Cipolla, São Paulo: Martins Fontes, 2013.

HOOKS, bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arre- batadoras. Trad. Ana Luiza Libânio, Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.

KANASHIRO, B.; MARQUES, D. Corpos inconformados: arte e educação nas práticas artísticas contemporâneas. In: ANDRÉ, C.; BAPTISTA, A.M.H (org.). Para o chão da sala de aula. São Paulo: BT Acadêmica, 2018, pp.117-156

MARQUES, Diego Alves. Pedagogia do desconforto: curto-circui- to entre arte da performance e teatro na sala de aula. In: Anais IX Congresso da ABRACE, nov. 2016, Uberlândia, pp. 3308-3326. Disponível em: https://www.publionline.iar.unicamp.br/index. php/abrace/article/view/1785. Acesso em: junho, 2022.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. A pedagogia, a democra- cia, a escola. Trad. Alain François, Anadelhi Figueiredo e outros, col. Educação: experiência e sentido. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

MIGNOLO, Walter. Colonialidade o lado mais escuro da moder- nidade. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 32, n.94, 2017, DOI 10.17666/329402/2017. Acesso em: junho, 2022.

OSÓRIO, Luiz Camilo. Eu sou apenas um! As Experiências de Flávio de Carvalho. In: Caderno Videobrasil, São Paulo: Associação Cultural Videobrasil, 2005.

RACHEL, Denise Pereira. Adote o artista não deixe ele virar professor: reflexões em torno do híbrido professor performer. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014. (Coleção PROPG Digital- UNESP). ISBN 9788579835995. Disponível em: http://hdl.handle. net/11449/126210. Acesso em: junho, 2022.

RACHEL, Denise Pereira. Escrever é uma maneira de sangrar: estilhaços, sombras, fardos e espasmos autoetnográficos de uma professora performer. Tese de doutorado. PPG-IA/UNESP, 2019. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/182305. Acesso em: junho 2022.

ROLNIK, Suely. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: n-1 edições, 2018.

SHOR, Ira; FREIRE, Paulo. Medo e ousadia: o cotidiano do profes- sor. Trad. Adriana Lopez. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

STIGGER, Veronica. Flávio de Carvalho: arqueologia e contempo- raneidade. In: Celeuma, n.4, Dossiê Contemporâneo hoje, 2014, pp. 44-56.

Downloads

Publicado

2023-04-05

Como Citar

PEREIRA RACHEL, D. Escrita Autoetnográfica como crítica à reprodução do poder de matriz colonial na performance docente. Revista NUPEART, Florianópolis, v. 26, n. 1, p. 168, 2023. DOI: 10.5965/10.5965/235809252612022e2309. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/nupeart/article/view/23191. Acesso em: 1 jun. 2023.