Alfabetização em contexto de pandemia: algumas ideias sobre transcriação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/23580925242020076

Palavras-chave:

Initial reading instruction; Literacy; Transcreation.

Resumo

Este texto, fruto de uma pesquisa acadêmica desenvolvida no Programa de Pós-graduação em Educação (PPGEDU) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), traz como ponto central a problemática da alfabetização e letramento no Brasil, práticas que têm sido alvo de debates e ataques
no atual governo de Jair Bolsonaro. O trabalho evidencia, mais especificamente, a relevância acerca das implicações e reverberações de uma alfabetização desvinculada do letramento. Diante das transformações pedagógicas acarretadas pela pandemia, o texto também discute sobre a importância e o desafio de práticas lúdicas e corpóreas para o desenvolvimento de uma alfabetização e um letramento sensíveis, subsidiados pela ideia de transcriacão, conceito apresentado por Almeida e Araújo (2020).

Biografia do Autor

Elni Elisa Willms, UFMT

Professora da UFMT. Disponível para pesquisas sobre o brincar, saberes e práticas de educação ancestral. Autobiografia, arte e educação e literatura. Graduação em Pedagogia (1984), mestrado em Educação (2000) e Especialização em Educação a Distância (2001), pela UFMT. Doutorado em Educação (27/09/2013) pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FE-USP). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEdu) da Universidade Federal de Rondonópolis. Vinculada aos grupos de Pesquisa GEIFEC - Grupo de Estudos sobre Itinerários de Formação em Educação e Cultura e LAB-ARTE, ambos da USP; ao GEIJC - Grupo de Estudos Infância, Juventude e Cultura Contemporânea, da Universidade Federal de Rondonópolis e ao Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte, GPEA, da UFMT.

 

Thamara Parteka, UFMT

Mestra em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (2020), na linha de pesquisa: Infância, Juventude e Cultura Contemporânea. Mestra em História, Poder e Práticas Sociais pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2016), na Linha de Pesquisa: Práticas Culturais e Identidades. Atualmente é professora unidocente da Secretaria de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso e professora de História no Ensino Fundamental da rede privada. Licenciada em Pedagogia pelo Centro Universitário Internacional (2018), licenciada em História pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2012), especialista em História e Humanidades pela Universidade Estadual de Maringá (2015), especialista em Educação Especial com ênfase em LIBRAS pela Faculdade de Educação e Tecnologia da Região Missioneira (2012), graduanda em Letras/Inglês pela Unicesumar (2020).

Referências

ALMEIDA, Rogério; ARAÚJO, Alberto. A transcriação do mundo pela experiência: esboço para uma educação estética. In: EccoS – Revista Científica, São Paulo, n. 53, p. 1-18, e16676, abr./jun. 2020.

ANTÔNIO, Severino; TAVARES, Katia. A Poética da Infância: Conversas com quem educa as crianças. São Paulo. Editora Passarinho, 2019

BARROS, Manoel. Poesia completa. São Paulo: Leya, 2010.

BLANCHOT, Maurice. O espaço literário. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

BOLSONARO, Jair. Entrevista. In: ADLER, Matheus. Bolsonaro sobre coronavírus: 'É igual chuva: você vai se molhar, mas não vai morrer afogado. 01/04/20. Estado de Minas Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/politica/2020/04/01/interna_politica,1134792/bolsonaro-sobre-coronavirus-e-igual-chuva-voce-vai-se-molhar-mas-n.shtml. Acesso: 02/04/2020.

BONDÍA, Jorge L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação Jan/Fev/Mar/Abr 2002, Nº 19.

CAVALCANTI, Zélia (coord.) Alfabetizando. Porto Alegre: Artes Médicas 4, 1997.

DUARTE JR., J. F. O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível. O Saber Sensível (Estesia). Criar Edições, 3 ed., PR, 2004.

FERREIRO, Emilia; Teberosk, Ana. A Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre: Artes Medicas 1985. 284p.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. São Paulo: autores associados. Cortez, 1989.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Arte & Ensaios. Revista do ppgav/eba/ufrj. n. 32. dezembro 2016. p. 122-151. Disponível em https://revistas.ufrj.br/index.php/ae/article/view/8993/7169 Acesso em 14/05/2020.

NADALIM, Carlos. Letramento, o vilão da alfabetização no Brasil. 12 de maio de 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=_9JEhWtlRKg. Acesso em: 17/03/20.

PARTEKA, Thamara. Sociedades dos amores: histórias de uma turma em alfabetização e uma alfabetizadora em devir. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEdu). Universidade Federal de Mato Grosso. Rondonópolis, 2020.

RAMOS, Graciliano. Vidas secas. [107º] Rio de Janeiro: Record, 2013.

STEINER, Rudolf. Verdade e ciência: prelúdio à uma Filosofia da Liberdade. São Paulo: Editora Antroposófica, 1995.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

WILLMS, E. E.; PARTEKA, T. Alfabetização em contexto de pandemia: algumas ideias sobre transcriação. Revista NUPEART, Florianópolis, v. 24, p. 76-92, 2020. DOI: 10.5965/23580925242020076. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/nupeart/article/view/19240. Acesso em: 22 set. 2021.