Estampa tátil:

etiquetas de identificação das estampas e cores de peças de vestuário para deficientes visuais

Autores

  • Andressa Santos Turcatto Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC
  • Icléia Silveira Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC

DOI:

https://doi.org/10.5965/1982615x14322021179

Palavras-chave:

etiqueta do vestuário. Deficientes visuais. Design de superfície.

Resumo

A escolha pelas peças de vestuário faz parte do cotidiano da maioria dos usuários. Os elementos gráficos e as cores são aspectos visuais que personalizam os itens e identificam estilos. Para os deficientes visuais as escolhas e a identificação do vestuário não são realizadas de maneira autônoma. Assim, como interface de auxílio a identificação das estampas e cores do vestuário, este estudo propõe desenvolver etiquetas táteis com elementos do design de superfície para deficientes visuais, atendendo suas necessidades durante a compra e no uso diário. Através de um estudo exploratório, de caráter descritivo e qualitativo, foram realizadas entrevistas com o público alvo na Associação Catarinense de Integração ao Cego – ACIC, como análise da interação dos deficientes visuais com o vestuário. A concepção dos protótipos foi realizada em parceria com a empresa catarinense de artigos de personalização do vestuário Tecnoblu, utilizando como metodologia o Guia de Orientação para o Desenvolvimento de Projetos - GODP.

Biografia do Autor

Andressa Santos Turcatto, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC

Mestre em Design de Vestuário e Moda pela Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC (2019). Possui graduação em Moda - Habilitação em Design de Moda pela mesma instituição (2017).

Icléia Silveira, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC

Doutorado em Pós-graduação em Design pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Brasil (2011)
Professor Titular da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC.

Referências

BERSCH, R. Introdução à Tecnologia Assistiva. Porto Alegre. 2017. Disponível em: http://www.assistiva.com.br/Introducao_Tecnologia_Assistiva.pdf. Acesso em: 11 nov. 2019.

CONDE, Antônio J. M. Definição de cegueira e baixa visão. [2012?]. Disponível em: http://www.ibc.gov.br/images/conteudo/AREAS_ESPECIAIS/CEGUEIRA_E_BAIXA_VIS AO/ARTIGOS/Def-de-cegueira-e-baixa-viso.pdf. Acesso em: 10 set. 2018.

CUNHA, Julia M.; TAKAYAMA, Letícia; MERINO, Giselle; PERASSI, Richard. Diretrizes para projetos de tecnologia assistiva com valores da moda: abordagem Behaviorista contra o estigma social. DAPesquisa, Florianópolis, v.14, n.23, p.88-105, ago., 2019. Disponível em: https://doi.org/10.5965/1808312914232019088. Acesso em: 10 jan. 2020

FEELIPA COLOR CODE. 2018. Cor para todos: o código de cor para pessoas com deficiência visual. Disponível em: http://www.feelipa.com/pt. Acesso em: 5 abr. 2018.

FREITAS, R. O. T. Design de superfície: ações comunicacionais táteis nos processos de criação. São Paulo: Blucher, 2011.

IBGE. Censo Demográfico 2010: Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default.shtm. Acesso em: 16 nov. 2017.

NOWILL, Dorina. Fundação Dorina Nowill para cegos. [2016]. Disponível em: https://www.fundacaodorina.org.br/. Acesso em: 10 set. 2018.

OLIVEIRA, Tainá A. B. Estímulos sensoriais: potencialidades na interação de usuários cegos em painéis de eletrodomésticos. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Artes, Programa de Pós-graduação em Design, Florianópolis, 2018.

OMS. Salud ocular universal: un plan de accíon mundial para 2014-2019. 2013. Disponível em: https://www.who.int/blindness/AP2014_19_Spanish.pdf?ua=1. Acesso em: 07 out. 2017.

PESSOA, Raimundo Wellington Araújo et al. Estratégia e vantagem competitiva da responsabilidade social empresarial. Gestão & Regionalidade, v. 25, n. 74, p.79-93, mai/ago, 2009. Disponível em: http://www.spell.org.br/documentos/ver/3283/estrategia-e-vantagem-competitiva-da-responsabi---. Acesso em: 20 mai. 2019.

PREECE, Jenny; SHARP, Helen; ROGERS, Yvonne. Design de Interação: além da interação humano-computador. 3 ed. Bookman, 2013.

RÜTHSCHILLING, A. E. Design de superfície. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

SANT’ANNA, Mara R. Teoria da moda: sociedade, imagem e consumo. 2 ed. Estação das Letras e Cores, 2009.

SANTOS, Renata F.; SAMPAIO, Priscila Y. S.; SAMPAIO, Ricardo A. C.; Gutierrez, Gustavo L.; ALMEIDA, Marco A. B. Tecnologia assistiva e suas relações com a qualidade de vida de pessoas com deficiência. Rev. Ter. Ocup. Universidade de São Paulo, São Paulo, p.54-62, jan/abr, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v28i1p54-62. Acesso em: 20 mai. 2019.

SCHNEIDER, J. Elaboração de requisitos para o aperfeiçoamento de projeto de etiquetas técnicas de manutenção e conservação têxtil: um estudo fundamentado na ergonomia e na usabilidade. 2016. 252 p. Dissertação (Mestrado em Design) – Universidade do Estado de Santa Catarina, 2016.

TEIXEIRA, Júlio M. Gestão Visual de Projetos: utilizando a informação para inovar. Rio de Janeiro: Alta Books, 2018.

TEIXEIRA, Júlio M.; MERINO, Eugenio. Gestão Visual de Projetos: um modelo voltado para a prática projetual. Strategic Design Research Journal, v.7, n.3, p.123-132, 2014. Disponível em: http://www.proceedings.blucher.com.br/article-details/um-modelo-de-gesto-inovador-voltado-para-a-pratica-projetual-12737. Acesso em: 10 fev. 2018.

Downloads

Publicado

2021-04-19

Edição

Seção

Variata