Bailarinas negras

cores do balé e as transformações no vestuário

Autores

  • Cheyenne Frajuca Faac/Unesp
  • Marizilda Menezes Programa de Pós Graduação em Design - UNESP

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630532021267

Palavras-chave:

Traje de Balé, Nude, Balé negro

Resumo

O presente estudo de caráter exploratório tem o objetivo de identificar as mazelas raciais deixadas pelo apego às tradições retrógradas no vestuário de balé. Abordando a problemática das cores na vestimenta do balé e as concepções acerca do que é considerado “nude” ou “cor da pele”, a pesquisa se baseia de forma qualitativa em conceitos de representatividade negra, história do balé e elementos do design de moda, a partir de estudos acadêmicos e pesquisa de mercado. Os resultados apresentam a excludente realidade que bailarinas negras vivem dentro do balé, e de que forma as empresas de dança e da área têxtil estão lidando com essas questões atualmente.

Biografia do Autor

Marizilda Menezes, Programa de Pós Graduação em Design - UNESP

Docente do Programa de Pós-Graduação em Design- UNESP. Coordenadora do LEMODE - Laboratório de Estudos de Meios e Objetos de Design. Líder do Grupo de Pesquisa Linguagens do Espaço e da Forma.

Referências

BOURNE, S.M. Black British Ballet: Race, Representation and Aesthetics. London: University of

Roehampton, 2017.

CARDOSO, Lourenço. Branquitude acrítica e crítica: A supremacia racial e o branco anti-racista. Rev.latinoam.cienc.soc.niñez juv .2010, vol.8, n.1, pp.607-630. ISSN1692-715X. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1692715X2010000100028&lng=en&nrm=is. Acesso em 10 ago. 2021

CERAGIOLI, E.M. The Ballet Blancs. Washington:Tacoma City Ballet Library, 2020.

FINALMENTE alguém sacou que para ser ‘nude’ um sapato deve variar de acordo com o tom de pele. Portal Geledés, 11 abr. 2016. Disponível em: <https://www.geledes.org.br/finalmente-alguem-sacouque-para-ser-nude-um-sapato-deve-variar-de-acordo-com-o-tom-de-pele/>. Acesso em 13 abr. 2020

FRIEDMAN, Sharon. Post-Aparthied Dance: many bodies, many voices, many stories. Cambridge: Cambridge Scholars Publisher, 2015.

GOLDHILL, Olivia.; MARSH, Sarah. Where are the black ballet dancers?. The Guardian, London, 04 set. 2012. Disponível em: <https://www.theguardian.com/stage/2012/sep/04/black-ballet-dancers>. Acesso em: 20 de jan. 2021

MARTÍNEZ, H.L. A alegria da bailarina Ingrid Silva ao receber as primeiras sapatilhas da cor de sua pele. El País, 04 nov. 2019. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/11/04/cultura/1572860654_696874.html. Acesso em: 15 de ago. 2020

ROBINSON, S. Black Swans: Black female ballet dancers and the management of emotional and

aesthetic labor. California: UC Santa Barbara, 2018.

VAKANI, S.J. Redefining Nude. University of Texas at Austin, 2014.

SCHNEIDER, Thaissa. Moda e ballet clássico: um estudo sobre figurinos. Moda Palavra.v.6, n.11,

jan. 2013. Disponível em: <https://www.revistas.udesc.br/index.php/modapalavra/article/view/7739>. Acesso em 11 jan. 2020

SEHRA, R.K. Como as bailarinas não brancas estão mudando a paleta de cores da dança. Portal

Geledés, 03 mar. 2020. Disponível em: <https://www.geledes.org.br/como-as-bailarinas-nao-brancasestao- mudando-a-paleta-de-cores-da-danca/> Acesso em: 12 de abr. 2020

VIANA, E.E.P. Relações raciais, gênero e movimentos sociais: o pensamento de Lélia Gonzalez 1970 – 1990. Dissertação (Mestrado) – IFCS/UFRJ/ Programa de Pós-Graduação em História Comparada, Rio de Janeiro, 2006.

VIANA, Elizabeth. Lélia Gonzalez e outras mulheres: Pensamento feminista negro, antirracismo e antissexismo. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 1, n. 1, p. 52-63, jun. 2010. ISSN 2177-2770. Disponível em: <https://abpnrevista.org.br/index.php/site/article/view/307>. Acesso em: 10 ago. 2021.

WADE, L.; SHARP, G. Flesh-Toned. Sage Journals, 2010.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

FRAJUCA, C.; DOS SANTOS MENEZES, M. . Bailarinas negras: cores do balé e as transformações no vestuário. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 5, n. 3, p. 267-278, 2021. DOI: 10.5965/25944630532021267. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/20125. Acesso em: 8 dez. 2021.