APRENDER matemáticaS: UM ENCONTRO COM SIGNOS

Autores

  • Michela Tuchapesk da Silva FEUSP
  • Carolina Tamayo UFMG

DOI:

https://doi.org/10.5965/2357724X08172020281

Palavras-chave:

Filosofia da diferença, Signos, Educação Matemática

Resumo

Este texto tem por objetivo mobilizar a teoria do signo de Gilles Deleuze, junto a algumas ações práticas e teóricas realizadas com os(as) alunos(as) das disciplinas de estágio supervisionado de duas Licenciaturas em Matemática. Por meio de uma escrita (im)pertinente, descompactada e que dança num ritmo descontraído com a vida que acontece na escola, buscamos tensionar, desnaturalizar e provocar outras formas de compreender o aprender matemáticaS, vinculado ao pensar como ação e não como resultado da recognição. Encontramos na proposta deleuziana, tecida com as (im)pertinências produzidas pelos professores em formação inicial, a possibilidade de pensar um aprender com signos, um aprender pelos afectos, em que se manifesta um pensar que nasce e renasce para liberar a afirmação da diferença.

Biografia do Autor

Michela Tuchapesk da Silva, FEUSP

Departamento de Metodologia e Ensino e Educação Comparada, FEUSP.

Referências

BELLO, Samuel E. L.; ZORDAN, Paola; MARQUES, Diego. Signos e interpretação: entre aprendizagens e criações. Cadernos da Educação, n.52, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/caduc/article/view/7315.

CLARETO, Sonia M. A sala de aula e a constituição de um currículo-invenção. Currículo sem Fronteiras, v.12, n.3, p. 306-321, Set/Dez 2012. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol12iss3articles/clareto-nascimento.pdf.

CLARETO, Sonia M. Matemática como acontecimento na sala de aula. Anais da 36ª Reunião Nacional da ANPEd –29 de setembro a 02 de outubro de 2013, Goiânia-GO.

COSTA B., Cristiano; ROSA P., Marcele. Uma escrita sobre nada. 2017. Disponível em: https://www.yumpu.com/pt/document/read/12590950/escrita-sobre-nada-ufsm.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Trad. Luiz Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DELEUZE, Gilles. Proust e os signos. Trad. Antônio Carlos Piquet e Roberto Machado. 2.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

DELEUZE, Gilles. A ilha deserta e outros textos. São Paulo: Iluminuras, 2006.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos: Gilles Deleuze e Claire Parnet. Trad. Eloisa A. Ribeiro, São Paulo: Escuta, 1998.

GALLO, Silvio. As múltiplas dimensões do aprender. Anais do Congresso de Educação Básica: aprendizagem e Currículo. 2012. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/13_02_2012_10.54.50.a0ac3b8a140676ef8ae0dbf32e662762.pdf.

GONDIM, Diego; MIARKA, Roger. A constituição de um plano de intensidades: aprender e matemática e diferença e escrita-avalanche e… Perspectivas em Educação Matemática, v. 10, n. 22, p. 115-131, 2017. Disponível em: http://seer.ufms.br/index.php/pedmat/article/view/3359.

NASCIMENTO, Roberto D. S. Teoria dos signos no pensamento de Gilles Deleuze. 2012, no de folhas 216. Tese (Doutorado em). - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Estadual de Campinas. 2012.

PLATÃO (427?-347? a.C). Diálogos VII (suspeitos e apócrifos): Alcibíades, Clitofon, Segundo Alcibíades, Hiparco, Amantes rivais, Teages, Minos, Definições, Da justiça, Da virtude, Demódoco, Sísifo, Hálcion, Erixias, Axíoco/ Platão. Tradução, textos complementares e notas: Edson Bini. Edipro. Bauru, SP, 2011.

SADER, Simone Aparecida da Costa. Eu, ex-aluna, observei, mapeei e experimentei movimentos da Educação Matemática na minha escola de Ensino Básico. 2018. 158f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2018.

SILVA, Tomaz Tadeu. O projeto educacional moderno: identidade terminal? In: VEIGA-NETO, A. (org.). Crítica pós-estruturalista e educação. Porto Alegre: Sulina, 1995. p. 245-260.

TAMAYO, Carolina. Vení, Vamos hamacar el mundo, hasta que te asustes: uma terapia do desejo de escolarização moderna. 2017. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas. Disponível em http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/325354.

TAMAYO, Carolina; TUCHAPESK, Michela da Silva. E se nós tivéssemos escolas Mukanda que contassem diversas histórias africanas para todo o mundo? Educação Matemática em Revista, n. 60, p,263-28, dez. 2018. Disponível em: http://www.sbem.com.br/revista/index.php/emr/article/view/1252&gt.

TAMAYO, Carolina; TUCHAPESK, Michela da Silva. Desafios e possibilidades para a Educação (Matemática) em tempos de “Covid-19” numa escola em crise. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 13(1), 29-48. 2020. Disponível em: https://www.revista.etnomatematica.org/index.php/RevLatEm/article/view/579/497

KASTRUP, Virginia. Políticas cognitivas na formação do professor e o problema do devir-mestre. Educação e Sociedade, Campinas, v.26, n.93, p. 1273-1288, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302005000400010&script=sc iabstract&tlng=pt.

UBERTI, Luciane; BELLO, Samuel E. L. A docência-pesquisa em movimento no PIBID. In: UBERTI, Luciane; BELLO, Samuel E. L (Orgs.). Iniciação à docência: articulações entre ensino e pesquisa. São Leopoldo: OIKOS, 2013. pp.17-32.

Downloads

Publicado

2020-11-30