Organic gladiolus cultivation in first-year no-tillage system

Authors

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712212023015

Keywords:

Yester, Gladiolus x grandiflorus Hort, organic

Abstract

Cut flowers are considered an important alternative for property diversification, especially in family farming. The culture of gladiolus (Gladiolus x grandiflorus Hort.) is easy to conduct and has good added value. The traditional way of cultivating gladiolus is carried out with intense soil revolution, which can generate losses in the system. Thus, the adoption of sustainable systems becomes important for the balance of agroecosystems, with the No-Till System being one of these options. The objective of this work is to evaluate the agronomic performance of gladiolus in the organic no-tillage system. The experiment was carried out in the Horticulture sector of the Federal University of Fronteira Sul, Laranjeiras do Sul-PR campus. The experiment was carried out in completely randomized blocks with plots containing a mix of ground cover plants composed of black oat (Avena strigosa Schreb) + Vetch (Vicia sativa L.) + forage turnip (Raphanus sativus L.) and cultivation without cover, followed by cultivation of gladiolus. The gladiolus cultivar used was Yester intermediate cycle II. The evaluations carried out were: phenological and morphological characteristics of the crop, physical and biological characteristics of the soil, incidence of phytophagous insects, diseases and weeds, post-harvest viability and productivity. The results of basal soil respiration, soil temperature, weed incidence, total chlorophyll, rod length, largest leaf length, classification of floral stems classification and productivity showed significant differences between the systems. Cultivation with ground cover obtained higher productivity, with an average of 79,666 stems per hectare. The no-tillage system with organic management showed satisfactory agronomic results, being indicated for the cultivation of gladioli.

Downloads

Download data is not yet available.

References

ALENCAR GV et al. 2013. Percepção ambiental e uso do solo por agricultores de sistemas orgânicos e convencionais na Chapada da Ibiapaba. Revista de Economia e Sociologia Rural 51: 217-236.

ALEF K. 1995. Estimation of soil respiration. In: ALEF K & NANNIPIERI P. Methods in soil microbiology and biochemistry. San Diego: Academic press. p.464-470.

ALVARES CA et al. 2013. Köppen ́s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrif 22: 711-728.

APARECIDO LEO et al. 2016. Köppen, Thornthwaite and Camargo climate classifications for climatic zoning in the State of Paraná, Brazil, 40: 405-417.

ARAÚJO R et al. 2007. Qualidade de um solo sob diferentes usos e sob cerrado nativo. Revista Brasileira Ciência do Solo 31: 1099-1108.

AZEVEDO LAS. 1997. Manual de quantificação de doenças de plantas. São Paulo: LASA. 117p.

BALBINOT JUNIOR AA et al. 2007. Efeito de coberturas de inverno e sua época de manejo sobre a infestação de plantas daninhas na cultura de milho. Planta Daninha 25: 473-480.

BARROS TD & JARDINE JG. 2012. Agroenergia: Nabo forrageiro. Disponível em: https://www.agencia.cnptia .embrapa.br/gestor/agroenergia/arvore/CONT000fbl23vn002wx5eo0sawqe38tspejq.html. Acesso em: 12 ago. 2021.

BERTOL I et al. 2000. Propriedades físicas e químicas e produtividade de milho afetadas pelo manejo do solo com tração animal, numa terra bruna estruturada. Ciência Rural 30: 971-976.

BONJORNO II et al. 2010. Efeito de plantas de cobertura de inverno sobre cultivo de milho em sistema de plantio direto. Revista Brasileira de Agroecologia 5: 99-108.

BOER CA et al. 2008. Biomassa, decomposição e cobertura do solo ocasionada por resíduos culturais de três espécies vegetais na região centro-oeste do brasil, Revista Brasileira Ciência do Solo 32: 843-851.

BUZINARO TN et al. 2009. Atividade microbiana do solo em pomar de laranja em resposta ao cultivo de adubos verdes. Revista Brasileira Fruticultura 31: 408-415.

BRASIL 2003. Lei n. 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/ptbr/assuntos/sustentabilidade /organicos/legislacao/portugues/lei-no-10-831-de-23-de-dezembro-de-2003.pdf/view. Acesso em: 10 jul. 2022.

CASTRO ACR de et al. 2007. Hastes florais de helicônia sob deficiência de macronutrientes. Pesquisa Agropecuária Brasileira 42: 1299-1306.

CAVIGLIONE JH et al. 2000. Cartas climáticas do Paraná. In: Congresso e Mostra de Agroinformática. Ponta Grossa: IAPAR. 6p.

CARDOSO EJBN & ANDREOTE FD. 2016. Microbiologia do solo. Piracicaba: ESALQ. 221p.

CRUSCIOL CAC et al. 2008. Taxas de decomposição e de liberação de macronutrientes da palhada de aveia preta em plantio direto. Revista Bragantia 67: 481-489.

COELHO MEH et al. 2013. Coberturas do solo sobre a amplitude térmica e a produtividade de pimentão. Planta Daninha 31: 369-378.

COSTA NR et al. 2012. Adubação nitrogenada no consórcio de milho com duas espécies de braquiária em sistema plantio direto. Pesquisa Agropecuária Brasileira 47: 1038-1047.

COSTA EA et al. 2006. Qualidade de solo submetido a sistemas de cultivo com preparo convencional e plantio direto. Pesquisa agropecuária brasileira 41: 1185-1191.

COSTA EM et al. 2013. Matéria orgânica do solo e o seu papel na manutenção e produtividade dos sistemas agrícolas. Centro científico conhecer 9: 1842-1860.

CORREIA MEF & OLIVEIRA LCM. 2006. Importância da fauna de solo para a ciclagem de nutrientes. Miolo biota: 77-100.

EMBRAPA. 2018. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: EMBRAPA. 356p.

FERNANDES MCA et al. 2005. Controle de pragas de hortas e de ambiente doméstico: receituário caseiro. Niterói: PESAGRO-RIO. 20p. (Boletim Técnico 30).

FERRON LA et al. 2021. Hastes de Gladíolo cultivadas sob telas de sombreamento e doses de cama de aviário. Brazilian Journal of Development 7: 12108-12126.

FERREIRA WN et al. 2012. Crescimento inicial de Piptadenia stipulacea (Benth.) Ducke (Mimosaceae) e Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan var. cebil (Griseb.) Altshul (Mimosaceae) sob diferentes níveis de sombreamento. Acta Botanica Brasilica 26: 408-414.

FERREIRA CA. 2008. Identificação de cultivares de gladíolo por meio de marcadores morfológicos e moleculares, Dissertação (Mestrado em Agronomia). Lavras: UFLA. 96p.

FURLANI CEA et al. 2008. Temperatura do solo em função do preparo do solo e do manejo da cobertura de inverno, Revista Brasileira Ciência do Solo 32: 375-380.

GOMES JR FG & CHRISTOFFOLETI PJ. 2008. Biologia e manejo de plantas daninhas em áreas de plantio direto. Planta Daninha 26: 789-798.

KOZLOWSKI LA. 2002. Período crítico de interferência das plantas daninhas na cultura do milho baseado na fenologia da cultura. Planta Daninha 20: 365-372.

LAMEGO FP et al. 2015. Potencial de supressão de plantas daninhas por plantas de cobertura de verão. Comunicata Scientiae 6: 97-105.

LEITE CD & MEIRA AL. 2016. Preparo do biofertilizante supermagro. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: <https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/sustentabilidade/organicos/fichas-agroecologicas /arquivos-fertilidade-do-solo/13-preparo-do-biofertilizante-supermagro.pdf. Acesso em: 09 mar. 2022.

LOPES AS et al. 2004. Sistema Plantio Direto: bases para o manejo da fertilidade do solo. São Paulo: ANDA. 110p.

MATHEW RP et al. 2012. Impact of No-Tillage and Conventional Tillage Systems on Soil Microbial Communities. Applied and Environmental Soil Science 2012: 10p.

MAPA. 2021. Portaria nº 52, de 15 de março de 2021, Diario Oficial da União. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/inspecao/produtos-vegetal/legislacao-1/biblioteca-de-normas-vinhos-e-bebidas/portaria-no-52-de-15-de-marco-de-2021.pdf/view. Acesso em: 10/07/2022.

MICHELON CJ et al. 2019. Atributos do solo e produtividade do milho cultivado em sucessão a plantas de cobertura de inverno. Revista Ciência Agroveterinária 18: 230-239.

MONTEIRO RTR & FRIGHETTO RTS. 2000. Determinação da umidade, pH e capacidade de retenção de água do solo. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente. 198p.

OLIBONE D et al. 2006. Crescimento inicial da soja sob efeito de resíduos de sorgo. Planta Daninha 24: 255-261.

OLIVEIRA SM et al. 2015. Importância do sistema de plantio direto (SPD) para a cultura do milho. Visão agrícola 13: 40-44.

PAVINATO PS & ROSOLEM CA. 2008. Disponibilidade de nutrientes no solo: decomposição e liberação de compostos orgânicos de resíduos vegetais. Revista Brasileira Ciência do Solo 32: 911-920.

PAVINATO PS et al. 2017. Manual de adubação e calagem para o estado do Paraná. Curitiba: SBCS/NEPAR. 289p.

PACHECO BRO et al. 2021. Classificação comercial e caracterização físico-química de beterrabas oriundas de sistema de plantio direto de hortaliças sob diferentes densidades de palhada de milho. Revista Iberoamericana de Tecnología Postcosecha 22: 212-225.

PEREZ KSS et al. 2004. Carbono da biomassa microbiana em solo cultivado com soja sob diferentes sistemas de manejo nos Cerrados. Pesquisa agropecuária brasileira 39: 567-573.

PORTO RA et al. 2012. Adubação nitrogenada no crescimento e produção de gladíolos em latossolo vermelho no cerrado. Agroecossistemas 4: 2-11.

PITELLI RA. 2000. Estudos fitossociológicos em comunidades infestantes de agroecossistemas. J. Conseb 1: 1-7.

PINTO PHG et al. 2021. Coberturas vegetais na entressafra de culturas afetando o banco de sementes de plantas daninhas. Research, Society and Development 10: e51810616057.

PRIMAVESI O et al. 2002. Qualidade mineral e degradabilidade potencial de adubos verdes conduzidos sobre latossolos na região tropical de São Carlos. Revista de agricultura 77: 89-102.

RICCI MSF. 1996. Manual de vermicompostagem. Rondônia: Embrapa – CPAF. 23p.

ROSA YBCJ et al. 2014. Desenvolvimento de gladíolos em função da adubação nitrogenada e diâmetro do cormo. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental 20: 87-92.

RODRIGUES et al. 2007. Ocorrência de plantas daninhas no cultivo de bromélias. Planta Daninha: 25: 727-733.

SILVA PRF et al. 2006. Estratégias de manejo de coberturas de solo no inverno para cultivo do milho em sucessão no sistema semeadura direta. Fitotecnia, Ciência Rural 36: 1011-1020.

SILVA RR et al. 2010. Biomassa e atividade microbiana em solos sob diferentes sistemas de manejo na região fisiográfica campos das vertentes - MG. Revista Brasileira de Ciência do Solo 34: 1585-1592.

SOUZA RF et al. 2014. Perdas de solo, água e nutrientes em área cultivada com hortaliças sob sistema de plantio direto. Revista Científic Multidisciplinary Journal, Unievangélica Centro Universitário 1: 38-50.

SOUZA AG et al. 2020. Efeito do sistema de cultivo na produção de gladiolos no Alto Vale do Itajaí, SC, Agropecuária Catarinense 33: 59-64.

SCHWAB NT et al. 2019. Gladíolo: Fenologia e manejo para produção de hastes e bulbos. Santa Maria: Pallotti. 132p

SCHWAB NT et al. 2015a. Parâmetros quantitativos de hastes florais de gladíolo conforme a data de plantio em ambiente subtropical. Pesquisa Agropecuária Brasileira 50: 902-911.

SCHWAB NT et al. 2015b. Como uma planta de gladíolo se desenvolve. Santa Maria: UFSM. 23p.

SCHULTZ N et al. 2020. Produção de couve-flor em sistema plantio direto e convencional com aveia preta como planta de cobertura do solo, Brazilian Journal of Development 6: 30107-30122.

STRECK NA et al. 2012. Desenvolvimento vegetativo e reprodutivo em gladíolo. Ciência Rural 42: 1968-1974.

STREIT NM et al. 2005. As clorofilas. Ciência Rural 35: 748-755.

STANCK LT. 2019. Produção de flores e avaliação estrutural de folhas de gladíolo em sistemas de manejo do solo em Santa Catarina. Dissertação (Mestado Ecossistemas Agrícolas e Naturais) Curitibanos: UFSC. 108p.

TASCA FA et al. 2011. Volatilização de amônia do solo após a aplicação de ureia convencional ou com inibidor de urease, Revista Brasileira Ciência do Solo 35: 493-502.

TOMBOLATO AFC et al. 2005. Melhoramento genético do gladíolo no IAC: novas cultivares 'IAC Carmim' e 'IAC Paranapanema'. Científica 33: 142-147.

VAZ JM et al. 2020. Cobertura morta de solo no cultivo orgânico de physalis (Physalis peruviana L.) Brazilian Journal of Development 6: 80113-80130.

VEILING HOLAMBRA. 2013. Critérios de Classificação: Gladíolo corte. Holambra: Cooperativa Veiling Holambra. 5p.

WOLSCHICK NH et al. 2016. Cobertura do solo, produção de biomassa e acúmulo de nutrientes por plantas de cobertura. Revista de Ciências Agroveterinárias 15: 134-143.

ZIECH ARD et al. 2015. Proteção do solo por plantas de cobertura de ciclo hibernal na região Sul do Brasil. Pesquisa agropecuária Brasileira 50: 374-382.

Downloads

Published

2023-03-28

How to Cite

OLIVEIRA, Rivael de Jesus; LIMA , Cláudia Simone Madruga; LEANDRINI, Josimeire Aparecida; NEGRELLI, Welton Schiles; OLIVEIRA, Luiz Fernando de Jesus; LIZARELLI, Heitor Flores. Organic gladiolus cultivation in first-year no-tillage system. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 1, p. 15–27, 2023. DOI: 10.5965/223811712212023015. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/22181. Acesso em: 13 jun. 2024.

Issue

Section

Research Article - Science of Plants and Derived Products

Most read articles by the same author(s)

Similar Articles

You may also start an advanced similarity search for this article.