Hypsometric and volumetric equations and taper functions for Pinus spp.

Authors

  • Marcos Felipe Nicoletti
  • Luciano Lambert
  • Philipe Ricardo Caserimo Soares
  • Girlene da Silva Cruz
  • Bruno Rafael Silva Almeida
  • Thiago Floriani Stepka

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711942020474

Keywords:

volumetric measurements, forest management, stem profile

Abstract

The use of tools such as forest modeling becomes increasingly important in forest planning as they generate accurate estimates of the stands’ production. The aim of this study was to adjust the hypsometric, volumetric, and taper models for four Pinus species in the Mountain region of Santa Catarina in Brazil. The species Pinus taeda, Pinus elliottiiPinus greggii, and Pinus patula were all planted and maintained under the same forest management plan. The 14-year-old stand is located in the municipality of Correia Pinto, Santa Catarina, Brazil. For the analyses, mathematical models were adjusted based on data from the forest census. The following statistical criteria were used to choose the most appropriate model: the adjusted coefficient of determination (R² adj), standard error (Sy.x%) and graphic residual analysis. The hypsometric equations presented relatively low values for the adjusted R², ranging from 0.14 to 0.35 for the species, while the values for Sy.x% ranged between 7.67% and 4.86%. As for the volumetric equations, the adjusted R² was above 0.91, and Sy.x% was under 10%. With regard to the taper functions, the Hradetzky model most appropriately described the stem profile of the species, with values above 0.96 for the adjusted R² and under 10% for Sy.x%. The Naslund, Spurr I and II, and modified Naslund models were selected to estimate the species’ volumetry. The Hradetzky taper model was found to be superior to the others and was thus selected to determine the stem profile of the species in the field research area.

 

References

ABREU ECR. 2000. Modelagem para prognose precoce do volume por classe diamétrica para Eucalyptus grandis. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal). Lavras: UFL. 69p.

AGUIAR AV et al. 2011. Programa de melhoramento de Pinus da Embrapa Florestas. Colombo: Embrapa florestas. (Documentos 233).

ALVARES CA et al. 2013. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, Stuttgart 22: 711-728.

ARAÚJO EJG et al. 2012. Relações dendrométricas em fragmentos de povoamentos de Pinus em Minas Gerais. Pesquisa Florestal Brasileira 32: 355-366.

ASSIS AL et al. 2002. Comparação de modelos polinomiais segmentados e não-segmentados na estimativa de diâmetros e volumes ao longo do fuste de Pinus taeda. Cerne 7: 20-42.

ATANAZIO KA et al. 2017. Comparação de modelos para relação hipsométrica em floresta de Pinus taeda L. no município de Enéas Marques, Paraná. Revista Scientia Agraria Paranaensis 16: 535-541.

BARROS DA et al. 2002. Comportamento de modelos hipsométricos tradicionais e genéricos para plantações de Pinus oocarpa em diferentes tratamentos. Boletim de Pesquisa Florestal 45: 3-28.

CARDOSO DJ et al. 1989. Avaliação da influência dos fatores idade e sítio na relação hipsométrica para Pinus taeda nas regiões central e sudoeste do estado do Paraná. Revista Floresta 19: 96-115.

COELHO VCM. 2010. Avaliação do manejo da produção econômica de madeira de Pinus taeda L. com características qualitativas superiores. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) Curitiba: UFPR. 121p.

COSTA LPE. 2008. Relações biométricas em povoamentos jovens de Pinus taeda L. na província de Corrientes de República Argentina. Tese (Doutorado em Manejo Florestal). Santa Maria: UFSM. 128p.

COSTA EA et al. 2016. Função de afilamento e sortimento de madeira para Araucaria angustifolia. Revista Ciência Florestal 26: 523-533.

DONADONI AX et al. 2010. Relação hipsométrica para Pinus caribaea var. hondurensis e Pinus tecunumanii em povoamento homogêneo no Estado de Rondônia. Ciência Rural 40: 2499-2504.

GARCIA SLR et al. 1993. Análise do perfil do tronco de morototó (Didymoopanax morototonii) em função do espaçamento. In: Congresso Florestal Panamericano e Congresso Florestal Brasileiro. Resumos... Curitiba: SBS e SBEF. p.485-491.

HRADETZKY J. 1976. Analyse und interpretation statistisher abränger keisen. (Biometrische Beiträge zu aktuellen forschuns projekten). Baden: Württemberg Mitteilungen der FVA. p.146.

IBA. 2019. Indústria Brasileira de Árvores. Relatório IBÁ - 2018. São Paulo: IBA.

LEITE HG et al. 2006. Função de afilamento para Virola surinamensis (ROLL.) Warb. Revista Árvore 30: 99-106.

KOEHLER SV et al. 2013. Modelos de afilamento para Pinus taeda por classes de idade. Floresta e Ambiente 20: 470-479.

KOZAK A et al.1969. Taper functions and their application in forest inventory. Forestry Chronicle 45: 278-283.

MACHADO SA et al. 2002. Modelagem do volume individual para diferentes idades e regimes de desbaste em plantações de Pinus oocarpa. Revista Ciências Exatas e Naturais 4: 186-197.

MIRANDA DLC et al. 2014. Estimativa do volume em árvores de Hymenaea coubaril L. e Trattinnickia bursefolia Mart. no norte de Mato Grosso. Nativa 2: 219- 223.

NICOLETTI MF. 2017. Modelagem não linear mista e método bivariado para sortimento da produção de Pinus taeda L. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal). Curitiba: UFPR. 132p.

RUFINI AL et al. 2010. Equações volumétricas para o cerrado Sensu stricto, em Minas Gerais. Cerne 16: 1-11.

SCHÖEPFER W. 1966. Autimatisierung des massen, sorten and wertberechnung stenender waaldbestande schriftenreihe bad. Wurtt-Forstl.

SILVESTRE R et al. 2014. Equações volumétricas em povoamentos de Pinus taeda L. no município de Lages-SC. Revista Nativa 2: 1-5.

SOARES CPB et al. 2011. Equações hipsométricas, volumétricas e de Taper para onze espécies nativas. Revista Árvore 35: 1039-1051.

STEPKA TF et al. 2017. Modelos volumétricos e funções de afilamento para Pinus taeda L. na Região dos Campos Gerais, Paraná, Brasil. Revista Espacios 38: 1-9.

TEO SJ et al. 2013. Modelos de afilamento para Pinus elliottii em diferentes idades, na Região de Caçador, SC. Floresta 43: 439-452.

THIERSCH A. 1997. A eficiência das distribuições diamétricas para prognose da produção de Eucalyptus camaldulensis. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal). Lavras: UFL. 155p.

THIERSCH CR et al. 2013. Estimativa da relação hipsométrica em clones de Eucalyptus sp. com o modelo de Curtis ajustado por métodos bayesianos empíricos. Revista Árvore 1: 1-8.

THOMAS C et al. 2006. Comparação de equações volumétricas ajustadas com dados de cubagem e análise de tronco. Ciência Florestal 16: 319-327.

YOSHITANI JUNIOR M et al. 2012. Funções de afilamento para plantios desbastados de Pinus taeda. Floresta 42: 169-176.

Published

2020-12-14

Issue

Section

Research Article - Multisections and Related Areas