Teor crítico de enxofre no solo para o estabelecimento de clones de erva-mate no Sul do Brasil

Djalma Eugênio Schmitt, Rodrigo Balen Vendrusculo, Luciano Colpo Gatiboni, Delmar Santin, Ivar Wendling, Daniel João Dall'Orsoletta, Flávia Denise Coldebella

Resumo


O cultivo da erva-mate (Ilex paraguariensis St. Hil.) apresenta grande importância econômica na região Sul do Brasil. Contudo, a necessidade de fertilização no estabelecimento de plantios de erva-mate ainda é pouco conhecida. O trabalho objetivou avaliar a adubação sulfatada no crescimento inicial de dois clones de erva-mate em um Cambissolo Húmico. O experimento foi implantado em Itaiópolis – SC, testando quatro doses de enxofre (S) (0; 1,2; 2,4 e 3,6 kg de S-SO4 ha-1)em dois clones femininos de erva-mate (F1 e F2). Avaliou-se a massa verde e a exportação de nutrientes pelas folhas, galhos finos (≤ 7mm), galhos grossos (> 7mm) e erva-mate comercial (folhas + galhos finos) e massa total. O S-SO4 foi avaliado na camada de 0-20 cm do solo 24 meses após a aplicação dos tratamentos e plantio das mudas. A produtividade de galho fino e a massa total foram influenciadas pela dose de S, independentemente do clone, indicando a exigência do nutriente para aumentar o rendimento de massa verde. Ainda, o clone F2 apresentou maior produção de galho grosso em função da dose de S. Assim, sugere-se o teor mínimo de 10 mg dm-3 S-SO4 no solo para um adequado estabelecimento de clones de erva-mate.

Palavras-chave


adubação sulfatada, sulfato, Ilex paraguariensis.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ VH et al. 2001. Métodos de análises de enxofre em solos e plantas. Viçosa: UFV. 131p.

ALVAREZ VH et al. 2007. Enxofre. In: NOVAIS RF et al. Fertilidade do solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do

Solo. pp. 595-644.

BENIN CC et al. 2013. Enraizamento de miniestacas apicais, intermediárias e basais em clones de Eucalyptus

benthamii. Floresta 43: 421-428.

Brun EJ et al. 2014. Implicações nutricionais da colheita de erva-mate: estudo de caso na região sudoeste do

Paraná. Ecologia e Nutrição Florestal 1: 72-79.

CQFS-RS/SC. 2016. Comissão de Química e Fertilidade do Solo. Manual de calagem e adubação para os Estados do

Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 11.ed. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo – Núcleo Regional Sul. 376p.

EMBRAPA. 2013. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed.

Brasília: Embrapa. 353p.

EPAGRI. 2002. Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina. Atlas climatológico do Estado

de Santa Catarina. Florianópolis: Epagri. (CD-Rom).

FERREIRA DF. 2008. Sisvar: um programa para análises e ensino de estatística. Revista Científica Symposium 6: 36-

KLIEMANN HJ & MALAVOLTA E. 1993. Disponibilidade de enxofre em solos brasileiros. I. avaliação dos potenciais de

mineralização de nitrogênio e enxofre por incubação aberta. Pesquisa Agropecuária Tropical 23: 129-144.

LIMA AMN et al. 2005. Cinética de absorção e eficiência nutricional de K+, Ca2+ e Mg2+ em plantas jovens de quatro

clones de eucalipto. Revista Brasileira de Ciência do Solo 29: 903-909.

MELO LCA et al. 2011. Nutrição e produção de matéria seca de milho submetido a calagem e adubação sulfatada.

Pesquisa Agropecuária Tropical 41: 193-199.

Oliva EV et al. 2014. Composição nutricional de procedências e progênies de erva-mate (Ilex paraguariensis St. Hil.)

cultivadas em Latossolo Vermelho distrófico. Ciência Florestal 24: 793-805.

PINHEIRO RC et al. 2016. A fast exploration of very deep soil layers by Eucalyptus seedlings and clones in Brazil.

Forest Ecology and Management 366: 143-152.

PINTO SIC et al. 2011. Eficiência nutricional de clones de eucalipto na fase de mudas cultivados em solução

nutritiva. Revista Brasileira de Ciência do Solo 35: 523-534.

SANTIN D et al. 2008. Crescimento de mudas de erva-mate fertilizadas com N, P e K. Scientia Agraria 9: 59-66.

SANTIN D et al. 2013a. Crescimento e nutrição de erva-mate influenciados pela adubação nitrogenada, fosfatada e potássica. Ciência Florestal 23: 363-375.

SANTIN D et al. 2014. Effect of potassium fertilization on yield and nutrition of yerba mate (Ilex paraguariensis). Revista Brasileira de Ciência do Solo 38: 1469-1477.

Santin D et al. 2013b. Nutrição e crescimento da erva-mate submetida à calagem. Ciência Florestal 23: 55-66.

SANTOS KA et al. 2004. Polifenóis em chá de erva-mate. Nutrição Brasil 3: 47-50.

TAIZ L et al. 2015. Plant Physiology and Development. 6.ed. EUA: Sinauer Associates. 761p.

TIECHER T et al. 2012. Forms of inorganic phosphorus in soil under different long term soil tillage systems and winter crops. Revista Brasileira de Ciência do Solo 36: 271-281.

XAVIER A et al. 2009. Silvicultura clonal: princípios e técnicas. 2.ed. Viçosa: UFV. 272p.

XAVIER A & SILVA RL. 2010. Evolução da silvicultura clonal de Eucalyptus no Brasil. Agronomía Costarricense 34: 93-98.

WENDLING I et al. 2007. Produção e sobrevivência de miniestacas e minicepas de erva-mate cultivadas em sistema semi-hidropônico. Pesquisa Agropecuária Brasileira 42: 289-292.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711712018070

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171