Desempenho de morangueiro frente a diferentes espectros de radiação artificial complementar em cultivo sem solo

José Tobias Tobias Marks Machado, Jeferson Tonin, Lisiane Sobucki, Bruna Rohrig, Gerson Vignolo, Débora Leitzke Betemps, Evandro Pedro Schneider

Resumo


Dentre os vários insumos utilizados no cultivo do morangueiro, a radiação artificial complementar tem sido ferramenta utilizada em cultivos de alto valor agregado em diversos países do exterior. O objetivo desse trabalho foi avaliar os efeitos agronômicos da complementação com radiação fotossinteticamente ativa em diferentes espectros na cultura do morangueiro, via utilização de lâmpadas fluorescentes em cultivo protegido e sem solo. Utilizou-se delineamento inteiramente casualizado com quatro repetições. A emissão de radiação em diferentes faixas espectrais compuseram os tratamentos, sendo utilizadas para isso lâmpadas fluorescentes de cor branca, azul, vermelha, a combinação de lâmpadas azuis e vermelhas, e a testemunha sem radiação complementar. Foram avaliados aspectos fisiológicos, fenológicos e produtivos. O uso de lâmpadas azuis e vermelhas de forma combinada, e o uso de lâmpadas brancas, anteciparam a floração e aumentaram a massa de frutas produzidas ao longo do ciclo produtivo do   morangueiro. A luz azul induziu a produção de frutas com maior massa média. Já a luz vermelha não teve efeitos sobre o aumento da produção nem sobre o adiantamento da floração.


Palavras-chave


Fragaria x ananassa, clorofila, área foliar, precocidade, produção.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES LEC & PERES N. 2013. Strawberry Production in Brazil and South America. International Journal of Fruit Science 13: 156-161.

ANTUNES OT et al. 2007. Produção de cultivares de morangueiro polinizadas pela abelha jataí em ambiente protegido. Horticultura Brasileira 25: 94-99.

ARGENTA G et al. 2008. Adubação nitrogenada em milho pelo monitoramento do nível de nitrogênio na planta por meio do clorofilômetro. Revista Brasileira de Ciência do Solo 27: 109-119.

ARNON DI. 1949. Copper enzymes in isolated chloroplasts: polyphenoloxidases in Beta vulgaris. Plant Physiology 24: 1-15.

BECKER T. 2017. Produção de mudas de morangueiro fora do solo sob diferentes concentrações de nitrogênio nas matrizes e datas de plantio das mudas na Região Sul do RS. Dissertação. (Mestrado em Agronomia). Pelotas: UFPEL. 107p.

CALVETE EO et al. 2007. Produção hidropônica de morangueiro em sistema de Colunas verticais, sob cultivo protegido. Revista Brasileira de Fruticultura 29: 524-529.

CALVETE EO et al. 2012. Cultivo de morangueiro em ambiente protegido. In: CHAVARRIA G & SANTOS HP. Fruticultura em Ambiente Protegido. Brasília: Embrapa. p.149-206.

CHAVARRIA G & SANTOS HP. 2012. Fruticultura em Ambiente Protegido. Brasília: Embrapa. 278p.

COCCO C et al. 2011. Crown size and transplant type on the strawberry yield. Scientia Agricola 68: 489-493.

COELHO FS et al. 2010. Dose de nitrogênio associada à produtividade de batata e índices do estado de nitrogênio na folha. Revista Brasileira de Ciências do Solo 34: 1175-1183.

COSTA RC et al. 2011. Telas de sombreamento na produção de morangueiro em ambiente protegido. Horticultura Brasileira 29: 98-102.

DIAS MSC et al. 2014. Cultivares (Morango: tecnologias de produção ambientalmente corretas). Informe Agropecuário 279. Belo Horizonte: EPAMIG. 35: 39-47.

ENGEL VL & POGGIANI F. 1991. Estudo da concentração de clorofila nas folhas e seu espectro de absorção de luz em função do sombreamento em mudas de quatro espécies florestais nativas. Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal 3: 39-45.

GIMÉNEZ G et al. 2008. Cultivo sem solo do morangueiro. Ciência Rural 38: 273-279.

HARBINSON J & ROSENQVIST E. 2003. An Introduction to Chlorophyll Fluorescence. In: De Ell JR. & TOIVONEN PMA (Eds.). Practical Applications of Chlorophyll Fluorescence in Plant Biology. Boston: Springer. p 1-29.

KADER AA. 1991. Quality and its maintenance in relation to posthaverst physiology of strawberry. In: LUBY JJ. DALE A. (Eds.) The strawberry into the 21 st century. Portland: TimberPress. p. 145-152.

KIM HH et al. 2004. Green-light supplementation for enhanced lettuce growth under red- and bluelight-emitting diodes. HortScience 39: 1617-1622.

KIRSCHBAUM DS. 1998. Temperature and growth regulator effects on growth and development of strawberry (Fragaria x ananassa Duch.) Dissertação (MestradoemAgronomia) Florida: University of Florida 123p.

LEFSRUD MG et al. 2008. Irradiance from distinct wavelength light-emitting diodes affect secondary metabolites in kale. HortScience 43: 2243-2244.

MACHADO JTM et al. 2016. Production and physicochemical characteristics of strawberry cultivars produced in organic cropping system. Revista Científica 44: 371-377.

MADAIL JCM et al. 2007. Avaliação econômica dos sistemas de produção de morango: convencional, integrado e orgânico. Pelotas: Embrapa Clima Temperado. 4p. (Comunicado Técnico, 181).

MÉNARD C et al. 2006. Developmental and physiological responses of tomato and cucumber to adtional blue light. Acta Horticulturae 711: 291-296.

PIRES RCM et al. 1999. Estimativa da área foliar de morangueiro. Horticultura Brasileira 17: 86-90.

OUZOUNIS T et al. 2015. Spectral effects of LEDs on chlorophyll fluorescence and pigmentation in Phalaenopsis ‘Vivien’ and ‘Purple Star’. Physiologic Plant 154: 314-327.

ROCHA PSG et al. 2010. Diodos emissores de luz e concentrações de BAP na multiplicação in vitro de morangueiro. Ciência Rural 40: 1922-1928.

ROSA HT et al. 2013. Crescimento vegetativo e produtivo de duas cultivares de morango sob épocas de plantio em ambiente subtropical. Revista Ciência Agronômica 44: 604-613.

SAMUOLIENE G et al. 2010. The effect of red and blue light component on the growth and development of frigo strawberries. Zemdirbyste Agriculture 97: 99-104.

SORATTO RP et al. 2004. Teor de clorofila e produtividade do feijoeiro em razão da adubação nitrogenada. Pesquisa Agropecuária Brasileira 39: 895-901.

TAIZ L & ZEIGER E. 2013. Fisiologia Vegetal. 5.ed. Porto Alegre: Artmed. 785p.

TELLES FFF et al. 1977. A simple technique for industrial analysis of total chlorophyll. Revista Ceres 24: 338-340.

TONIN J et al. 2015. Adubação de Liberação Lenta na Produção de Mudas de Morangueiro com torrão. In: XX Seminário Interinstitucional de Ensino Pesquisa e Extensão. Anais..... Cruz Alta: UNICRUZ. p.17.

ZEIST AR et al. 2014. Comparação de métodos de estimativa de área foliar em morangueiro. Pesquisa Agropecuária Gaúcha 20: 33-41.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711732018309

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171