Integração de cultivares resistentes e fungicidas no controle da mancha de ramularia (Ramularia areola) e produtividade do algodoeiro

Alfredo Riciere Dias, Gustavo de Faria Theodoro

Resumo


O algodoeiro é uma das principais espécies cultivadas na região Centro-Oeste do Brasil e há grande utilização de fungicidas para o controle da mancha de ramulária (MR), uma doença de relevante importância econômica causada por Ramularia areola. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da integração de cultivares considerados resistentes (C) e tratamentos fungicidas (TF) no controle da MR e produtividade de algodoeiro cultivado em Chapadão do Sul, MS. Foi utilizado o delineamento de blocos ao acaso, com quatro repetições e arranjo fatorial de 3 (C) x 7 (TF). As avaliações consistiram na estimativa da área abaixo do progresso da doença total (AACPDT), na parte inferior (AACPDI) e superior (AACPDS) das plantas. Da mesma forma, estratificou-se a produtividade de algodão em caroço e o índice de micronaire nas fibras. Os dados foram submetidos ao teste F e as médias comparadas por meio do teste de Scott-Knott a 5 % de probabilidade. Houve interação significativa entre C e TF para AACPDT, AACPDI e AACPDS, menos para produtividade e índice micronaire. Constatou-se que houve: maior produtividade e severidade da mancha de ramulária na região inferior das plantas; não houve diferença de produtividade entre as cultivares; houve efeito de C e TF no índice de micronaire; e os TF não influenciaram significativamente a severidade nas cultivares FMT 705 e FMT 709, resistentes à MR. Estes resultados recomendam a integração de TF e C para o controle da MR do algodoeiro.

Palavras-chave


controle genético, controle químico, Gossypium hirsutum, Ramularia areola, sustentabilidade.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711632017221

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171