Sinergismo de misturas de glyphosate e herbicidas inibidores da PROTOX no controle de corda-de-viola

Mauricio Crestani Agostineto, Leonardo Bianco de Carvalho, Humberto Henrique Ansolin, Thiago Cavalcante Gomes Ribeiro de Andrade, Rodolfo Schmit

Resumo


As plantas daninhas podem causar perdas significativas de produtividade na agricultura, dentre as quais se destacam as cordas-de-viola (Ipomoea spp.) em diversos cultivos. Para seu controle podem ser utilizados herbicidas inibidores da enzima protoporfirinogênio IX oxidase em complementação ao glyphosate, ao qual essa planta daninha é tolerante. O objetivo foi testar a eficácia de aplicações isoladas e em mistura de glyphosate (Roundup Original®) com carfentrazone-ethyl (Aurora®) e saflufenacil (Heat®) no controle de I. hederifolia em dois estádios de desenvolvimento da planta daninha. Os tratamentos foram: aplicação isolada de (i) carfentrazone-ethyl (50 e 75 mL p.c. ha-1), (ii) saflufenacil (35 e 50 g p.c. ha-1), e (iii) glyphosate (2 e 4 L p.c. ha-1); e em mistura de (iv) carfentrazone-ethyl+glyphosate e (v) saflufenacil+glyphosate (ambos na menor dose). As aplicações ocorreram em plantas de 6-8 folhas e 15-20 folhas, mantendo-se testemunhas sem aplicação para esses dois estádios. A mistura dos herbicidas carfentrazone-ethyl e saflufenacil com glyphosate proporciona aumento na eficácia de controle de I. hederifolia, em relação à aplicação dos herbicidas isolados. A mistura de glyphosate+carfentrazone-ethyl na dose de 2 L ha-1 + 50 mL ha-1 proporciona controle mais eficaz e mais rápido de I. hederifolia, principalmente quando as plantas estão no estádio de 6-8 folhas.

Palavras-chave


Ipomoea hederifolia, Planta daninha, Controle químico, Mistura em tanque.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711512016008

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171