Adubos e coberturas orgânicas, fontes de nutrientes de liberação lenta na produção de acelga de colheitas múltiplas

Hipolito Murga-Orrillo, Jhon Maber Irigoin-Aguilar, Sharmely Hilares-Vargas, Ricardo Manuel Bardales-Lozano, Francisco de Almeida Lobo

Resumo


Objetivou-se avaliar o desempenho de coberturas e adubos orgânicos na estabilidade produtiva da acelga. O delineamento experimental foi de blocos casualizados, em arranjo fatorial e em parcelas subdivididas; usando húmus de minhoca (A1), guano de ilha (A2), e húmus de esterco de porquinho-da-índia (A3) como adubos, serragem de pinheiro-de-folhas-pêndulas (C1), casca de arroz (C2), e palha de aveia (C3) como coberturas, para três colheitas sucessivas. Avaliou-se, porcentagem de emergência (E), comprimento de folhas (CF), massa fresca de folhas (MFF) e massa seca de folhas (MSF). Nos resultados, as coberturas que propiciaram os maiores valores foram a C2 e C3 com 43,1 e 42,7 cm no CF, 209,9 e 215,5 g no MFF, respectivamente; nos adubos, o A3 proporcionou os maiores valores com 92,0% na E, 44,2 cm no CF, 231,6 g no MFF, e 154 g no MSF. As coberturas de C2 e C3 e, o adubo de A3 condicionaram os melhores desempenhos no CF e MFF em relação aos outros tratamentos; os rendimentos mantiveram-se na 1ª e 2a colheita baixando significativamente na 3a colheita; o húmus de esterco de porquinho-da-índia apresenta caraterísticas nutricionais destacáveis para seu uso na horticultura.


Palavras-chave


húmus, guano de ilha, esterco de porquinho-da-índia.

Texto completo:

PDF

Referências


CARRIJO OA et al. 2004. Produtividade do tomateiro em diferentes substratos e modelos de casas de vegetação. Horticultura Brasileira 22: 5-9.

CASTOLDI R et al. 2009. Crescimento, acúmulo de nutrientes e produtividade da cultura da couve-flor. Horticultura Brasileira 27: 438-446.

COMESE RV et al. 2009. Cambios en las propiedades de suelo de huerta y rendimiento de Beta vulgaris var. cicla (L) por el uso de enmiendas orgánicas. Ciencia del Suelo 27: 271-275.

COSTA DMA et al. 2007. Eficiência da cobertura morta na retenção de umidade no solo. Holos 23: 59-69.

DAY ME et al. 2001. Age-related changes in foliar morphology and physiology in red spruce and their influence on declining photosynthetic rates and productivity with tree age. Tree Physiology 21: 1195-1204.

DONEDA A et al. 2012. Fitomassa e decomposição de resíduos de plantas de cobertura puras e consorciadas. Revista Brasileira de Ciência do Solo 36: 1714-1723.

DOORENBOS J & PRUITT WO. 1977. Crop water requirements. 2.ed. Rome: FAO. 179p. (FAO Irrigation and Drainage Paper 24).

DZIDA K & PITURA K. 2008. The influence of varied nitrogen fertilization on yield and chemical composition of Swiss chard (Beta vulgaris var. cicla L.). Acta Scientiarum Polonorum Hortorum Cultus 7: 15-24.

FERREIRA ICPV et al. 2013. Cobertura morta e adubação orgânica na produção de alface e supressão de plantas daninhas. Revista Ceres 60: 582-588.

GARFÍ M et al. 2011. Psychrophilic anaerobic digestion of guinea pig manure in low-cost tubular digesters at high altitude. Bioresource Technology 102: 6356-6359.

GODOY JRR et al. 2009. Vermicompostagem de biossólido obtido de fossas sanitárias, grama e pó de serragem utilizando Eisenia foetida (Savigny, 1826). Revista Ceres 56: 648-653.

GONÇALVES AO et al. 2005. Efeitos da cobertura do solo com filme de polietileno azul no consumo de água da cultura da alface cultivada em estufa. Engenharia Agrícola Jaboticabal 25: 622-631.

HERNÁNDEZ T et al. 2016. Use of compost as an alternative to conventional inorganic fertilizers in intensive lettuce (Lactuca sativa L.) crops-Effects on soil and plant. Soil & Tillage Research 160: 14-22.

JOVER PL. 2009. Verduras de hoja. Información para Extensión. Colonia Benítez: INTA-EEA. 13p.

KOŁOTA E et al. 2010. Yield and nutritional value of Swiss chard grown for summer and autumn harvest. Journal of Agricultural Science 2: 120-124.

KÖPPEN W. 1931. Grundriss der Klimakunde: Outline of climate science. Berlin: Walter de Gruyter. 388p.

LÓPEZ-PÉREZ JA et al. 2003. Alternativas al bromuro de metilo en cultivos protegidos de la Comunidad de Madrid. Boletín de Sanidad Vegetal 29: 481-489.

LÚCIO AD et al. 2008. Variância e média da massa de frutos de abobrinha-italiana em múltiplas colheitas. Horticultura Brasileira 26: 335-341.

MUÑOZ CRM et al. 2015. Evaluación de abonos orgánicos utilizando como indicadores plantas de lechuga y repollo en Popayan, Cauca. Biotecnología en el Sector Agropecuario y Agroindustrial 13: 73-82.

MURGA-ORRILLO H et al. 2016a. Evapotranspiração e coeficiente de cultivo do feijão-caupi cultivado em solo do cerrado submetido à cobertura morta. Revista Irriga 21: 172-187.

MURGA-ORRILLO H et al. 2016b. Influência da cobertura morta na evapotranspiração, coeficiente de cultivo e eficiência de uso de água do milho cultivado em cerrado. Revista Irriga 21: 352-364

RESENDE FV et al. 2005. Uso de cobertura morta vegetal no controle da umidade e temperatura do solo, na incidência de plantas invasoras e na produção da cenoura em cultivo de verão. Ciência e Agrotecnologia 29: 100-105.

RODRIGUES ET & CASALI VWD. 1998. Resposta da alface à adubação orgânica. II. Teores, conteúdos e utilização de macronutrientes em cultivares. Revista Ceres 45: 437-449.

XIUKANG W et al. 2015. Effects of mulching and nitrogen on soil temperature, water content, nitrate-N content and maize yield in the Loess Plateau of China. Agricultural Water Management 161: 53-64.

ZIECH ARD et al. 2014. Cultivo de alface em diferentes manejos de cobertura do solo e fontes de adubação. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 18: 948-954.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711832019380

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171