Teores e estoques de carbono orgânico do solo em diferentes usos da terra no Planalto Sul de Santa Catarina

Kristiana Fiorentin dos Santos, Fabrício Tondello Barbosa, Ildegardis Bertol, Romeu de Souza Werner, Neuro Hilton Wolschick, Josie Moraes Mota

Resumo


O estudo das modificações do carbono do solo provocadas pela mudança de uso da terra possibilita adotar medidas que reduzam os riscos de futuros impactos negativos. O objetivo da pesquisa foi quantificar e comparar os teores (COT) e os estoques (EC) de carbono orgânico total do solo em diferentes usos da terra na região do Planalto Sul de Santa Catarina. Foram selecionadas áreas sob floresta natural (FN), plantio de pinus (PP), campo natural pastejado (CP) e sucessão de lavoura e pastagem (LP). Amostras de solo foram coletadas nas camadas de 0-5, 5-10, 10-20 e 20-40 cm, onde foram determinados os teores e calculados os estoques de carbono orgânico total por dois métodos, considerando a camada equivalente e a massa equivalente de solo. Os diferentes usos da terra influenciam os COT e os EC, os quais são maiores na condição de FN. Os valores de COT foram, respectivamente, 33,9; 27,1; 26,0 e 23,2 g kg-1 para FN, PP, CP e LP, na média da camada de 0-40 cm, enquanto os EC até a profundidade de 40 cm foram, respectivamente, 121,5; 113,8; 112,4 e 100,6 Mg ha-1 com base na camada equivalente de solo e 121,5; 102,2; 99,1 e 89,8 Mg ha-1 após correção pela massa equivalente de solo. A adequada gestão de uso do solo, a recuperação de matas e a florestação das terras são passos importantes para permitir o sequestro de carbono no solo.


Palavras-chave


qualidade do solo, indicadores de sustentabilidade, sequestro de carbono.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARES CA et al. 2013. Koppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift 22: 711-728.

BARANČÍKOVÁ G et al. 2016. Effect of land use change on soil organic carbon. Agriculture (Poľnohospodárstvo) 62: 10-18.

BERTOL I et al. 2004. Propriedades físicas do solo sob preparo convencional e semeadura direta em rotação e sucessão de culturas comparadas às do campo nativo. Revista Brasileira de Ciência do Solo 28: 155-163.

BOLDRINI II. 2009. Biodiversidade dos campos do planalto das araucárias. Brasília: MMA. 240p.

CALONEGO JC et al. 2012. Estoques de carbono e propriedades físicas de solos submetidos a diferentes sistemas de manejo. Revista Caatinga 25: 128-135.

COSTA FS et al. 2008. Estoque de carbono orgânico no solo e emissões de dióxido de carbono influenciadas por sistemas de manejo no sul do Brasil. Revista Brasileira de Ciência do Solo 32: 323-332.

ELLERT BH & BETTANY JR. 1995. Calculation of organic matter and nutrients stored in soils under contrasting management regimes. Canadian Journal of Soil Science 75: 529-538.

EMBRAPA. 1997. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Manual de métodos de análise de solo. 2.ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos. 212p.

EMBRAPA. 2004. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Solos do estado de Santa Catarina. Rio de Janeiro: Embrapa Solos. (CD-Rom). (Boletim 46).

FERNANDES FA & FERNANDES AHBM. 2009. Cálculo dos estoques de carbono do solo sob diferentes condições de manejo. Corumbá: Embrapa Pantanal. 4p. (Comunicado Técnico, 69).

GOL C. 2009. The effects of land use change on soil properties and organic carbon at Dagdami river catchment in Turkey. Journal of Environmental Biology 30: 825-830.

HICKMANN C et al. 2012. Atributos físico-hídricos e carbono orgânico de um Argissolo após 23 anos de diferentes manejos. Revista Caatinga 25: 128-136.

KIBBLEWHITE MG et al. 2008. Soil health in agricultural systems. Philosophical Transactions of the Royal Society B 363: 685-701.

KLUG I. 2014. Estoque e frações granulométricas do carbono em solo de altitude no Rio Grande do Sul sob diferentes vegetações. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo). Lages: UDESC. 80p.

LACERDA KAP et al. 2013. Carbono orgânico, biomassa e atividade microbiana em Latossolo Vermelho de cerrado sob diferentes sistemas de manejo. Revista de Ciências Agrárias 56: 249-254.

LAL R. 2005. Forest soils and carbon sequestration. Forest Ecology and Management 220: 242-258.

MAFRA AL et al. 2008. Carbono orgânico e atributos químicos do solo em áreas florestais. Revista Árvore 32: 217-224.

MARTINS PFS et al. 1990. Efeito do desmatamento e do cultivo sobre características físicas e químicas do solo sob floresta natural na Amazônia oriental. Revista Instituto Geológico 11: 21-33.

OLIVEIRA ES et al. 2015. Estoques de carbono do solo segundo os componentes da paisagem. Cadernos de Ciência & Tecnologia 32: 71-93.

PAN Y et al. 2011. A large and persistent carbon sink in the world’s forests. Science 333: 988-993.

PARRON LM et al. 2015. Serviços ambientais em sistemas agrícolas e florestais do Bioma Mata Atlântica. Brasília: Embrapa. 374p.

PRIMIERI S et al. 2017. Dinâmica do carbono no solo em ecossistemas nativos e plantações florestais em Santa Catarina. Floresta e Ambiente 24: 1-9.

SANDI JTT. 2009. Estoque de carbono no solo sob diferentes coberturas vegetais. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais). Chapecó: Unochapecó. 97p.

SIMONE TE et al. 2017. Soil carbon sequestration, carbon markets, and conservation agriculture practices: a hypothetical examination in Mozambique. International Soil and Water Conservation Research 5: 167-179.

SISTI CPJ et al. 2004. Change in carbon and nitrogen stocks in soil under 13 years of conventional or zero tillage in southern Brazil. Soil and Tillage Research 76: 39-58.

SIX J et al. 2002. Soil carbon matter, biota and aggregation in temperature and tropical soils - Effects of no tillage. Agronomie 22: 755-775.

SOUZA ED et al. 2009. Estoques de carbono orgânico e de nitrogênio no solo em sistema de integração lavoura-pecuária em plantio direto, submetido a intensidades de pastejo. Revista Brasileira de Ciência do Solo 33: 1829-1836.

STÜRMER SLK et al. 2011. Variações nos teores de carbono orgânico em função do desmatamento e revegetação natural do solo. Ciência Florestal 21: 241-250.

TEDESCO MJ et al. 1995. Análise de solos, plantas e outros materiais. 2.ed. Porto Alegre: UFRGS. 174p.

WALKER SM & DESANKER PV. 2004. The impact of land use on soil carbon in Miombo Woodlands of Malawi. Forest Ecology and Management 203: 345-360.

WASIGE JE et al. 2014. Contemporary land use/land cover types determine soil organic carbon stocks in south-west Rwanda. Nutrient Cycling in Agroecosystems 100: 19-33.

ZINN YL et al. 2005. Changes in soil organic carbon stocks under agriculture in Brazil. Soil Tillage Research 84: 28-40.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711812019222

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171