Enraizamento de estacas caulinares de Passiflora actinia Hook: concentrações de IBA e formas de aplicação

Maíra Maciel Tomazzoli, Cintia de Moraes Fagundes, Juliana de Oliveira Amatussi, Bruna Santos Klein Breiter, Katia Christina Zuffellato-Ribas

Resumo


O maracujá-do-mato (Passiflora actinia Hook) é utilizado como porta-enxerto para diferentes espécies de maracujá devido à sua tolerância à baixas temperaturas. Objetivou-se neste trabalho avaliar a eficiência da técnica de estaquia caulinar na propagação vegetativa de P. actinia em função de concentrações de ácido indol butírico (IBA) e método de aplicação. O experimento foi conduzido em casa de vegetação da Universidade Federal do Paraná, no período de agosto a outubro de 2016. Estacas semilenhosas com 10 cm de comprimento foram tratadas com 0, 1.500 e 3.000 mg Kg-1/mg L-1 de IBA na forma de talco e em solução, plantadas em tubetes, o substrato foi vermiculita. Após 60 dias, foram avaliadas a porcentagem de enraizamento, presença de calos, sobrevivência, brotações novas, número de raízes/estacas e comprimento médio da maior raiz. A maior porcentagem de enraizamento (85,94%) e número de raízes/estaca foram encontradas nos tratamentos com IBA na forma de talco, nas concentrações de 3.000 mg kg-1 e 1.500 mg Kg-1, respectivamente. A estaquia de P. actinia é um método de propagação eficiente. O uso de IBA, em ambas as formas de aplicação, promoveu de forma eficiente o enraizamento da espécie, sendo recomendada a aplicação na concentração de 1.500 mg Kg-1 ou mg L-1.


Palavras-chave


estaquia, maracujá-do-mato, ácido indol butírico, solução, talco.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXANDRE RS et al. 2014. Enraizamento adventício de estacas do maracujazeiro silvestre Passiflora mucronata Lam.: forma de veiculação e concentrações do ácido indol-3-butírico. Revista Ceres 61: 567-571.

ARAUJO FP et al. 2010. Substratos e concentrações de ácido indolibutírico no enraizamento de estacas de Passiflora cincinnata Mast. Magistra 22: 21-27.

ARAUJO FP et al. 2004. Propagação vegetativa do maracujá-do-mato: espécie resistente à seca, de potencial econômico para agricultura de sequeiro. Petrolina: Embrapa Semiárido. 2p. (Instruções Técnicas).

CHALFUN NNJ & HOFFMANN A. 1997. A propagação do pessegueiro e da ameixeira. Informe Agropecuário 18: 23-29.

HARTMANN HT et al. 2002. Plant propagation: principles e practices. 1.ed. New Jersey: Prentice Hall. 880p.

JUNIOR CLA et al. 2013. Enraizamento de estacas semilenhosas de maracujazeiro amarelo Passiflora actinia Hook. Semina: Ciências Agrárias 34: 3663-3668.

KOCH RC et al. 2001. Vegetative propagation of Passiflora actinia by semihardwood cuttings. Semina: Ciências Agrárias 22: 165-167.

LIMA DM et al. 2007. Influência de estípulas foliáceas e do número de folhas no enraizamento de estacas semilenhosas de maracujazeiro amarelo nativo. Acta Scientiarum. Agronomy 29: 671-676.

MELETTI LMM et al. 2002. Novas tecnologias melhoram a produção de mudas de maracujá. O Agronômico 54: 30-33.

RONCATTO G et al. 2008. Enraizamento de estacas de espécies de maracujazeiro (Passiflora spp.) no inverno e no verão. Revista Brasileira de Fruticultura 30: 1089-1093.

SABIÃO RR et al. 2011. Enraizamento de estacas de Passiflora nitida submetidas a diferentes concentrações de ácido indolbutírico (AIB). Revista Brasileira de Fruticultura 33: 654-657.

SANTOS KC et al. 2016. Passiflora actinia hydroalcoholic extract and its major constituent, isovitexin, are neuroprotective against glutamate-induced cell damage in mice hippocampal slices. Journal of Pharmacy and Pharmacology 68: 282–291.

SANTOS JL et al. 2012. Propagação vegetativa de estacas de Passiflora cincinnata Mast. em diferentes recipientes e substratos comerciais. Revista Brasileira de Fruticultura 34: 581-588.

VILLA F et al. 2003. Propagação de amoreira preta utilizando estacas lenhosas. Ciência Agrotecnologia 27: 829-834.

YAMAMOTO LY et al. 2010. Enraizamento de estacas de Psidium guajava L. 'Século XXI' tratadas com ácido indolbutírico veiculadas em talco e álcool. Ciência Rural 40: 1037-1042.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711812019250

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171