Eficiência da colagem em madeira de kiri japonês (Paulownia tomentosa)

Fabricio Gomes Gonçalves, Pedro Gutemberg de Alcântara Segundinho, Juarez Benigno Paes, Izabella Luzia Silva Chaves, Rhagnya Sharon Ferreira Martins, Sabrina Barros Santiago, Sara Freitas Souza, Luciana Ferreira Silva, Rafael Gonçalves Espósito Oliveira, José Geraldo Lima Oliveira

Resumo


A colagem em peças de madeira por meio de adesivos é realizada desde a época dos faraós. Com o passar dos anos as tecnologias foram desenvolvidas sobretudo nos adesivos e nas diferentes espécies madeireiras existentes, adaptando-se aos diversos usos pretendidos. Neste contexto também se pode inferir sobre os métodos de análises de sua eficácia. O objetivo desse estudo foi avaliar a resistência na linha de cola mediante o uso de dois adesivos em madeira de Paulownia tomentosa (kiri japonês). As juntas coladas foram preparadas com adesivos resorcinol formaldeído e melamina ureia formaldeído. Avaliou-se a interface madeira-adesivo por meio da espessura da linha de cola principal e secundária com uso de fotomicrografias, resistência ao cisalhamento e percentagem de falha na madeira. Os adesivos apresentaram comportamento desuniforme ao longo da linha da cola. O adesivo resorcinol formaldeído penetrou de forma mais incisiva nos elementos de vasos e raios. A madeira de kiri apresentou percentual de falha superior a 92%, independente do adesivo. A eficiência na colagem com ambos adesivos testados possibilita o uso da madeira de Paulownia tomentosa no Brasil em movelaria e construção civil.


Palavras-chave


fotomicrografia, resistência ao cisalhamento, adesivo, linha de adesão.

Texto completo:

PDF

Referências


AKYILDIZ MH & KOL HS. 2010. Some technological properties and uses of paulownia (Paulownia tomentosa Steud.) wood. Journal Environmental Biological 31: 351-355.

ALBINO VCS et al. 2010. Estudo da interface madeira-adesivo de juntas coladas com resorcinol formaldeído e madeira de Eucalyptus grandis W. Hill ex. Maiden. Scientia Forestalis 38: 509-516.

ALBINO VCS et al. 2012. Influência das características anatômicas e do teor de extrativos totais da madeira de Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden na qualidade da colagem. Ciência Florestal 22: 803-811.

ASTM. 1994. American Society for Testing and Materials. Standard specification for adhesives used in nonstructural glued lumber products: ASTM D-3110. Philadelphia: Annual Book of A.S.T.M. Standards. p.184-192.

ASTM. 2009. American Society for Testing and Materials. Standard test method for strength properties of adhesive bonds in shear by compression loading: ASTM D-905. Pennsylvania: Annual Book of A.S.T.M. Standards. p.20-26.

ABNT. 1940. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Ensaios físicos e mecânicos da madeira: MB-26. Rio de Janeiro. 16p.

ABNT. 1997. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Projeto de estruturas de madeira: NBR 7190. Rio de Janeiro. 107p.

BIANCHE JJ. 2014. Interface madeira-adesivo e resistência de juntas coladas com diferentes adesivos e gramatura. Tese (Doutorado em Ciências Florestais). Viçosa: UFV. 85p.

BOA AC et al. 2014. Resíduos madeireiros de eucalipto colados com resina ureia formaldeído à temperatura ambiente. Scientia Forestalis 42: 279-288.

BURGER ML & RICHTER HG. 1991. Anatomia da madeira. São Paulo: Nobel. 154p.

CABI. 2017. Invasive Species Compendium. Disponível em: http://www.cabi.org/isc/datasheet/39100. Acesso em: 14 ago. 2017.

CHANDLER JG et al. 2005. Examination of adhesive penetration in modified wood using fluorescence microscopy. In: ASC Spring 2005 Convention and Exposition, Maryland, USA. p.17-19.

FONTE APN & TRIANOSKI R. 2015. Efeito da gramatura sobre a qualidade da colagem lateral da madeira de Tectona grandis. Revista de Ciências Agroveterinárias 14: 224-233.

GONÇALVES FG et al. 2016. Avaliação da resistência ao cisalhamento da madeira de Pinus sp. coladas em temperatura ambiente. Ciência da Madeira 7: 42-50.

HAN J et al. 2016. Interfacial adhesion and damping characteristics of laminated venner intercalated with rubber sheets. Bioresources 11: 6677-6691.

IWAKIRI S. 2005. Painéis de madeira reconstituída. Curitiba: FUPEF. 247p.

IWAKIRI S et al. 2005. Produção de painéis aglomerados de alta densificação com uso de resina melamina-ureia-formaldeído. Cerne 11: 323-328.

IWAKIRI S et al. 2013. Avaliação da resistência de juntas coladas da madeira de Eucalyptus benthamii com diferentes adesivos e faces de colagem. Scientia Forestalis 41: 411-416.

LIMA CKP et al. 2008. Colagem da madeira de clones de Eucalyptus com três adesivos comerciais. Scientia Forestalis 36: 73-77.

LOBÃO MS & GOMES A. 2006. Qualidade da adesão de madeira de eucalipto em corpos-de-prova colados em dois diferentes planos e densidades. Cerne 12: 194-200.

MIOTTO JL & DIAS AA. 2009. Produção e avaliação de vigas de madeira laminada colada confeccionadas com lâminas de eucalipto. Revista Tecnológica, Edição Especial ENTECA: 35-45.

MODZEL G et al. 2011. Comparative analysis of a wood: adhesive bondline. Wood Science Technology 45: 147-158.

PAES JB et al. 2013. Efeito de soluções salinas na estabilidade dimensional da madeira de Kiri (Paulownia tomentosa). Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal 21: 72-84.

PIZZI A & MITTAL KL. 2003. Handbook of adhesive technology. 2.ed. New York: Marcell Deckker. 999p.

PLASTER OB et al. 2012. Comportamento de adesão da madeira de um híbrido clonal de Eucalyptus urophylla × Eucalyptus grandis proveniente de três condições de manejo. Ciência Florestal 22: 323-330.

SEGUNDINHO PGA et al. 2017. Eficiência da colagem de madeira tratada de Eucalyptus cloeziana F. Muell para produção de madeira laminada colada (MLC). Revista Matéria 22. 13p.

SINGH A et al. 2008. Light, confocal and scanning electron microscopy of wood-adhesive interface. Microscopy and Analysis 22: 5-8.

SINGH AP & DAWSON BSW. 2004. Confocal microscope: a valuable tool for examining wood-coating interface. Journal Coatings Technology Research 1: 235-237.

STOECKEL F et al. 2013. Mechanical properties of adhesives for bonding wood – A review. International Journal of Adhesion & Adhesives 45: 32-41.

TANG ZQ et al. 2010. In vitro induction and identification of tetraploid plants of Paulownia tomentosa. Plant Cell, Tissue and Organ Culture 102: 213-220.

URBINATI CV. 2013. Influência das características anatômicas em juntas coladas de Schizolobium parahyba var. amazonicum (Huber ex. Ducke} Barneby (paricá). Tese (Doutorado em Ciência e Tecnologia da Madeira). Lavras: UFLA. 161p.

VÁSQUEZ G et al. 2003. Effect of veneer side wettability on bonding quality of Eucalyptus globulus plywoods prepared using a tannin-phenol-formaldehyde adhesive. Bioresource Technology 87: 349-353.

VITAL BR et al. 2005. Efeito de ciclos de umidade relativa e temperatura do ar na resistência de juntas coladas com lâminas de Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden, Eucalyptus saligna Smith e chapas de fibra de densidade média (MDF). Revista Árvore 29: 801-807.

VITAL BR et al. 2006. Qualidade de juntas coladas com lâminas de madeira oriundas de três regiões do tronco de Eucalyptus grandis, Eucalyptus saligna e Pinus elliotti. Revista Árvore 30: 637-644.

ZHU ZH et al. 1986. Paulownia in China: cultivation and utilization. Beijing: Chinese Academy of Forestry. 65p. Disponível em: https://idl-bnc-idrc.dspacedirect.org/bitstream/handle/10625/8226/71235.pdf?seque nce=1. Acesso em: 14 ago. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711812019095

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171