Aplicação foliar de silício na produtividade e sanidade de cultivares de soja

Renato Anastácio Guazina, Gustavo de Faria Theodoro, Sofia Michele Muchalak, Luis Gustavo Amorim Pessoa

Resumo


A soja é uma das principais espécies agrícolas cultivadas no Brasil, porém, pode ter a produtividade reduzida pela incidência de pragas e doenças. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de silício em diferentes estádios fenológicos da soja na severidade da ferrugem asiática (FAS), população de lagartas desfolhadoras e produtividade. O experimento foi conduzido no município de Chapadão do Sul, MS, durante a safra 2012/2013, em blocos casualizados, com cinco repetições e em esquema fatorial (2x5). Os fatores foram: duas cultivares de soja (Anta 82 RR e CD 2737 RR) e cinco tratamentos para o manejo da FAS (T1- testemunha negativa; T2- silicato de alumínio em R1 + R4; T3- silicato de alumínio em V5 + R1 + R4; T4- silicato de alumínio em V5 + R1 + R4 + R5.1; e T5- testemunha positiva: trifloxistrobina + protioconazol em R1 + R4). A severidade da FAS foi estimada periodicamente para o cálculo da área abaixo da curva de progresso da doença (AACPD) e a desfolha e a produtividade foram avaliadas ao final do ciclo da cultura. O monitoramento da população de lagartas desfolhadoras foi realizado semanalmente por meio de pano de batida. A aplicação de silicato de alumínio reduziu a severidade da FAS e a AACPD em relação à testemunha, porém os valores foram significativamente maiores que os observados para a testemunha positiva. Houve incremento da produtividade de grãos quando foram realizadas três e quatro aplicações de silicato de alumínio e não se verificou redução do nível populacional de lagartas desfolhadoras.


Palavras-chave


silicato de alumínio, Phakopsora pachyrhizi, Anticarsia gemmatalis, Chrysodeixis includens.

Texto completo:

PDF

Referências


BRAGA FT et al. 2009. Características anatômicas de mudas de morangueiro micropropagadas com diferentes fontes de silício. Pesquisa Agropecuária Brasileira 44: 128-132.

CAMPBELL CL & MADDEN LV. 1990. Introduction to plant disease epidemiology. New York: Jonh Wiley & Sons. 532p.

CONAB. 2017. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira de grãos. Brasília: CONAB 4: 118-130.

CRUSCIOL CAC et al. 2013. Aplicação foliar de ácido silícico estabilizado na soja, feijão e amendoim. Revista Ciência Agronômica 44: 404-410.

CRUZ MFA et al. 2013. Inducers of resistance and silicon on the activity of defense enzymes in the soybean-Phakopsora pachyrhizi interaction. Bragantia 72: 162-172.

DANNON EA & WYDRA K. 2004. Interaction between silicon amendment, bacterial wilt development and phenotype of Ralstonia solanacearum in tomato genotypes. Physiological and Molecular Plant Pathology 64: 233-243.

EPSTEIN E. 1994. The anomaly of silicon in plant biology. Proceedings National of Academy Science of the United State of America 91: 11-17.

FRAC. 2017. Fungicide Resistance Action Committee. Informação sobre carboxamidas em ferrugem da soja. Disponível em: http://media.wix.com/ugd/85b1d3_060a6876562140b693f03708057acff2.pdf. Acesso em: 18 mar. 2017.

FREITAS BUENO RCO et al. 2011. Lepidopteran larva consumption of soybean foliage: basis for developing multiple-species economic thresholds for pest management decisions. Pest Management Science 67: 170-174.

GODOY CV et al. 2006. Diagrammatic scale for assessment of soybean rust severity. Fitopatologia Brasileira 31: 63-68.

GODOY CV et al. 2016. Asian soybean rust in Brazil: past, present, and future. Pesquisa Agropecuária Brasileira 51: 407-421.

GOELLNER K et al. 2010. Phakopsora pachyrhizi, the causal agent of Asian soybean rust. Molecular Plant Pathology 11: 169-177.

GOUSSAIN MM et al. 2002. Efeito da aplicação de silício em plantas de milho no desenvolvimento biológico da lagarta-do-cartucho Spodoptera frugiperda (J.E.Smith) (Lepidoptera: Noctuidae). Neotropical Entomology 31: 305-310.

HARTMAN GL et al. 2015. Compendium of soybean diseases and pests. 5.ed. St. Paul: The American Phytopathological Society. p.56-58.

HIRANO M et al. 2010 Validação de escala diagramática para estimativa de desfolha provocada pela ferrugem asiática em soja. Summa Phytopathologica 36: 248-250.

LIMA LM et al. 2010. Quantificação da ferrugem asiática e aspectos nutricionais de soja suprida com silício em solução nutritiva. Summa Phytopathologica 36: 51-56.

LIMA SF et al. 2012. Efeito da semeadura em linhas cruzadas sobre a produtividade de grãos e a severidade da ferrugem asiática da soja. Bioscience Journal 28: 954-962.

MADALOSSO MG et al. 2010. Cultivares, espaçamento entrelinhas e programas de aplicação de fungicidas no controle de Phakopsora pachyrhizi Sidow em soja. Ciência Rural 40: 2256-2261.

MARSCHNER H. 1995. Mineral nutrition of higher plants. 2.ed. New York: Academic Press. 889p.

MEDEIROS AM & PERUCH LAM. 2012. Fungicidas e argila silicatada o controle da antracnose maracujá amarelo. Semina 33: 1803-1808.

MOREIRA AR et al. 2010. Resposta da cultura de soja a aplicação de silício foliar. Bioscience Journal 26: 413-423.

NAVARINI L et al. 2007. Controle químico da ferrugem asiática (Phakopsora pachyrhizi Sidow) na cultura da soja. Summa Phytopathologica 33: 182-186.

NERI DKP et al. 2005. Interação silício com inseticida regulador de crescimento no manejo da lagarta-do-cartucho Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae) em milho. Ciência e Agrotecnologia 29: 1167-1174.

OLIVEIRA ACB & ROSA APSA. 2014. Indicações técnicas para a cultura da soja no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, safras 2013/2014 e 2014/2015. Pelotas: Embrapa. 124p. (Documentos 382).

PELUZIO JM et al. 2002. Influência do desfolhamento artificial no rendimento de grãos e componentes de produção da soja [Glycine max (L.) Merrill]. Ciência e Agrotecnologia 26: 1197-1203.

PEREIRA SC et al. 2009. Aplicação foliar de silício na resistência da soja à ferrugem e na atividade de enzimas de defesa. Tropical Plant Pathology 34: 164-170.

PESHIN R & DHAWAN AK. 2009. Integrated pes management: Inovation-development process. Dordrecht: Springer. 628p.

POZZA EA et al. 2015. Silicon in plant disease control. Revista Ceres 62: 323-331.

SCHURT DA et al. 2013. Silício alterando compostos derivados da pirólise de bainhas foliares de plantas de arroz infectadas por Rhizoctonia solani. Bragantia 72: 52-60.

SILVA AJ et al. 2013. Haste verde e retenção foliar na cultura da soja. Summa Phytopathologica 39: 151-156.

SOSA-GÓMEZ DR & OMOTO C. 2012. Resistência a inseticidas e outros agentes de controle em artrópodes associados à cultura da soja. In: HOFFMANN-CAMPO CB et al. Soja – Manejo Integrado de Insetos e outros Artrópodes-Praga. Brasília: Embrapa. p.673-723.

SOUZA PV et al. 2014. Chrysodeixis includens (Lepidoptero: Noctuidae) on soybean treated with resistance inducers. African Journal of Biotechnology 13: 4562-4567.

STÜRMER GR et al. 2014. Eficiência do pano-de-batida na amostragem de insetos-pragas de soja em diferentes espaçamentos entre linhas e cultivares. Semina 35: 1177-1186.

TEIXEIRA IR et al. 2008. Fontes de silício em cultivares de feijão nas safras das águas e da seca. Revista Ciência Agronômica 39: 562-568.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711812019187

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171