Editorial - Em trabalho de cura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573101402021e0901

Resumo

Os Editores responsáveis pelo Dossiê Temático: Curadoria da Performance e Processos de Cura em Artes Cênicas realizam, neste Editorial, uma conversa sobre os conceitos que formaram este trabalho publicado na Urdimento v.1, n.40, setembro de 2021.  

Biografia do Autor

André Luís Rosa, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Performer, Ator, Dançarino, Encenador e Educador em Arte. Doutorado em Estudos Artísticos pela Universidade de Coimbra. Mestrado em Artes Cênicas pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia. Licenciatura em Educação Artística (Dança e Teatro) pela Universidade Estadual Paulista. Prof. Dr. Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Daiane Dordete Steckert Jacobs, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Professora Associada do Departamento de Artes Cênicas da UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina, na área de voz/interpretação, e do Programa de Pós-graduação em Teatro da UDESC. Diretora de Extensão, Cultura e Comunidade do Centro de Artes da UDESC (gestão 2017-2021). Doutora e Mestra em Teatro pela UDESC. Bacharela em Artes Cênicas com habilitação em Interpretação Teatral pela FAP - Faculdade de Artes do Paraná (UNESPAR).

Dodi Leal, Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB)

Professora do Centro de Formação em Artes (CFA) e do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências (IHAC) - Campus Sosígenes Costa (CSC) - Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB). Docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Ensino e Relações Étnico-Raciais (mestrado profissional) - PPGER/UFSB e colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Teatro - PPGT/UDESC. Doutora em Psicologia Social pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IP-USP), com estágio doutoral no programa de Doutoramento em Estudos Artísticos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Licenciada em Artes Cênicas (CAC/ECA/USP). Habilitada em Cinema e vídeo no Baccalauréat interdisciplinaire en arts da Université du Québec à Chicoutimi (UQAC, Québec-Canadá).

José Fernando Peixoto de Azevedo, Universidade do Estado de São Paulo (USP)

Graduação e doutorado em Filosofia pela Universidade de São Paulo-USP. Atua como pesquisador nas áreas de história e estética do teatro brasileiro e do teatro negro, estética teatral contemporânea, além de estética e filosofia contemporâneas. Professor de Estudos de Dramaturgia e História do Teatro Brasileiro, Análise do texto e da cena (teorias do teatro) e Oficinas de Montagem na Escola de Arte Dramática-EAD da Escola de Comunicações e Artes da USP, além de diretor da escola. É dramaturgo, diretor de teatro e cinema. 

Mara Leal, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Atriz-performer-pesquisadora. Docente do Curso de Teatro, do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas (PPGAC) da UFU e do Mestrado Profissional em Artes (PROF-ARTES). Desenvolve pesquisa sobre Cena Contemporânea e Performance na interface entre criação e práticas artístico-pedagógicas. Pesquisadora do grupo GEAC (CNPq) e integrante da equipe editorial da Revista Rascunhos e Ouvirouver.  

Maria Fernanda Vomero, Universidade de São Paulo (USP)

Jornalista, performer e mestra em Artes pela Universidade de São Paulo (USP), na área de Pedagogia Teatral, com uma pesquisa sobre a relação entre teatro, resistência e direitos humanos na Palestina. Possui especialização em documentário pela Escuela Internacional de Cine y Televisión de San Antonio de Los Baños (Cuba) e pela Universitat Autònoma de Barcelona (Espanha).   

Referências

ANZALDUÁ, Glória. Como domar uma língua selvagem. Trad. Joana Plaza Pinto e Karla Cristina dos Santos. Cadernos de Letras da UFF, Rio de Janeiro, Dossiê Difusão da Língua Portuguesa, nº 39, 2009, p. 297-309.

BRASILEIRO, Castiel Vitorino. In: Outros fins que não a morte. Plataforma Mote e Cereal Melodia. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=PSIkSQ-3f10&t=207s. Acesso em: 16 abr. 2021, 21h32 (Porto Seguro, Brasil).

FUKUYAMA, Francis. O Fim da História e o Último Homem. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1992.

GLISSANT, Edouard. Tremblement. In: Edouard Glissant - Une pensée archipélique. Site officiel. Disponível em http://www.edouardglissant.fr/tremblement.html Acesso em abril de 2021.

HARAWAY, Donna. Antropoceno, Capitaloceno, Plantationoceno, Chthuluceno: fazendo parentes. ClimaCom Cultura Científica, Campinas, ano 3, n. 5, p. 139-146, abril de 2016.

HARAWAY, Donna. Seguir con el problema. Generar parentesco en el Chthuluceno. Bilbao: Edición Consonni, 2019.

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 18, n. 37, p. 25-44, jan./jun. 2012.

JODOROWSKY, Alejandro. Psicomagia. Ediciones Siruela, 3ª ed., 2004.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2019.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do Céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

LEAL, Dodi. A arte travesti é a única estética pós-apocalíptica possível? Pedagogias antiCIStêmicas da pandemia. Série Pandemia Crítica. São Paulo: n-1 edições, 2020.

LINDACELVA, Paulete. Outros fins que não a morte. Plataforma Mote e Cereal Melodia. Disponível em: https://outrosfins.cerealmelodia.com/. Acesso em: abril de 2021.

MARCUSE, Herbert. A dimensão estética. Lisboa: Edições 70, 2007.

MOMBAÇA, Jota. A plantação cognitiva. In: MASP Afterall - Arte e Descolonização. São Paulo: Museu de Arte de São Paulo, 2020.

PELBART, Peter Pal. Por uma arte de instaurar modos de existência que não existem. In: Catálogo da 31ª Bienal – Como pensar sobre coisas que não existem. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2014. p. 250-265.

QUEBRADA, Linn da. Fissura. In: nascimento, tatiana. ABEBE - caixa Pretas. Série Pandemia. São Paulo: n-1 edições, 2020.

ROLNIK, Suely. Arte cura? Lygia Clark e o limiar do contemporâneo. In: Bartucci, Giovanna (Org.) Psicanálise, Arte e Estéticas de Subjetivação. Rio de Janeiro: Imago Editora, 2002.

SAFATLE, Vladimir; SILVA JR., Nelson; DUNKER, Christian. Neoliberalismo como gestão do sofrimento psíquico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2021.

SANTOS, Boaventura Sousa. Para além de um pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: Santos, Boaventura Sousa e Menezes, Maria Paula (Org.). Epistemologias do Sul. Coimbra: CES, 2009, p. 21 a 72.

SANTOS, Tiganá Santana Neves. A cosmologia africana dos bantu-kongo por Busenki Fu-Kiau: tradução negra, reflexão e diálogos a partir do Brasil. Tese de doutorado. São Paulo: FFLCH/USP, 2019.

STENGERS, Isabelle. Reativar o animismo. Caderno de Leituras n. 62. Belo Horizonte: Chão de Feira, 2017. Disponível em: https://chaodafeira.com/wp-content/uploads/2017/05/caderno-62-reativar-ok.pdf.

SZTUTMAN, Renato. Reativar a feitiçaria e outras receitas de resistência - pensando com Isabelle Stengers. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 69, p. 338-360, abril 2018.

Downloads

Publicado

2021-04-28

Como Citar

Rosa, A. L., Jacobs, D. D. S. ., Leal, D., Azevedo, J. F. P. de ., Leal, M., & Vomero, M. F. . (2021). Editorial - Em trabalho de cura. Urdimento - Revista De Estudos Em Artes Cênicas, 1(40), 1-21. https://doi.org/10.5965/1414573101402021e0901