Origami contemporâneo: um estudo sobre a arte em dobra e sua mutabilidade prática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234606122014094

Palavras-chave:

origami contemporâneo , arte, criativo, dobra

Resumo

Este artigo visa buscar novas formas de manifestação criativa e artística do origami nos dias de hoje. Depois de atravessar inúmeras gerações e países, o que se nota são as funções mais abrangentes do origami além da simples confecção de dobraduras em papel: o dobrar vem desencadeando uma série de novas construções híbridas dentro do projeto e da criação. A modularidade, o coletivo, o construir consciente, o contemporâneo e a inovação são relações intrínsecas à práxis artística que configuram um panorama adjacente e subordinado à estrutura principal que regem este projeto de pesquisa. Apostamos na essência do origami como uma funcionalidade tangível para o pensamento criativo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Samanta Aline Teixeira, São Paulo State University

Bacharela em Design Gráfico pela UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Bauru, em 2012, com Diploma de Mérito Acadêmico, tendo em vista o melhor desempenho da aluna no curso dentro do período diurno. Foi pesquisadora de Iniciação Científica durante a graduação, financiada pela FAPESP - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, com ênfase no aspecto dobra/dobradura em conexão com o Design Contemporâneo.

João Fernando Marar, São Paulo State University

Graduação em Bacharelado em Ciência da Computação pela Universidade de São Paulo, USP São Carlos, (1985). Mestrado em Ciência da Computação e Matemática Computacional pela Universidade de São Paulo, USP São Carlos, (1992) . Doutorado em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Pernambuco , UFPe Recife,(1997). Pós Doutorado Universidade de Lisboa, Departamento de Informatica, (2007-2008). Bolsista Produtividade CNPq (2009-2013). Atualmente é Projessor Adjunto - MS5 na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Coordenador do Laboratório Sistemas Adaptativos e Computação Inteligente, e Assessor Ad Hoc do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, FAPESP, CAPES e FAPEMIG. Tem experiência na área de Ciência da Computação atuando principalmente nos seguintes temas: Redes Neurais, Inteligencia Artificial, Design e Emoção, Processamento, Reconhecimento e Classificação de Imagens e Sinais, Transformadas Wavelets, Design, Seleção de Materiais e Processos de Fabricação.

Dorival Campos Rossi, São Paulo State University

Professor da Universidade Estadual Paulista - UNESP BRASIL. Experiência Transdisciplinar em Design, Arquitetura, Comunicação, Artes e Novas Tecnologias. Criador do programa de pós-graduação especialização Lato Sensu em Game Design UNESP. Pesquisador de Semiótica e Complexidade no Design. Atua principalmente com temas em Linguagens Contemporâneas, Redes Criativas, Design de Games, Coletivos Inteligentes, Indústrias Criativas e as novas mediações entre o corpo físico ('physis'), os suportes eletrônicos ('tecknê') e o espírito criativo ('ânima'). Integra o comitê da Sociedade Brasileira de Design da Informação (SBDI); Líder do Grupo de Pesquisa em Projetos Integrados de Pesquisa On Line - P.I.P.O.L UNESP; Holotopia Academy (IT). Coordenador do Laboratório Didático Digital - FOTOLAB UNESP; idealizador do L.E.E.D - Laboratório de Extensão e Experimentação em Design da UNESP; Orientador de Game Design no LTIA - Laboratório de Tcnologia da Informação Aplicada UNESP. Habilitado em EaD pela UNESP (design instrucional). Chefe do Departamento de Design UNESP 2012-2013. Doutor em Comunicação e Semiótica (PUC 2003), Mestre em Comunicação Visual (USP 1996) e Arquiteto (USP 1990). Experiência docente internacional na Universitat de Belles Arts de Barcelona - UB Espanha.

Referências

ARGAN, G. C. História da arte como história da cidade (trad. Pier Luigi Cabra). 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

AZEVEDO, W. O que é Design. São Paulo: Brasiliense, Col. Primeiros Passos, 1988.

___________. Os Signos do Design. São Paulo: Contato Imediato, 1994. BONSIEPE, G. Design, Cultura e Sociedade. São Paulo: Blucher, 2011.

BOURRIAUD, N. Estética relacional. São Paulo: Martins Editora, 2009.

DELEUZE, G. GUATTARI, F. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia (trad. Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa). Rio de Janeiro: Ed.34, 1995.

DELEUZE, G. A Dobra: Leibniz e o barroco (trad. Luiz B. T. Orlandi). Campinas: Papirus, 1991.

FLUSSER, V. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação (trad. Raquel Abi-Sâmara). São Paulo: Cosac Naify, 2007.

HULL, T. LANG, R. Origami design secrets: mathematical methods for an ancient art. Nova Iorque: The Mathematical Intelligencer, 2005.

KAZAZIAN, T. Haverá a idade das coisas leves: design e desenvolvimento susten- tável (trad. Eric Roland Rene Heneault). 2. ed. São Paulo: SENAC São Paulo, 2005.

LÉVY, P. O que é o virtual? (trad. Paulo Neves). São Paulo: Ed. 34, 1996. MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2011.

SERRES, M. Os cinco sentidos: filosofia dos corpos misturados 1 (trad. Eloá Jacobina). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

AKOS, G. PARSONS, R. Mode Lab: education by design. [S.l.: s.n.], 2013. Disponível em: <http://lab.modecollective.nu/>. Acesso em: 09 nov. 2014.

ADAMS, J. DWYER, E. Fabricated Harvest. [S.l.: s.n.], 2009. Disponível em: . Acesso em: 09 nov. 2014.

BACCI, A. et al. Veasyble. [S.l.: s.n.], 2009. Disponível em: <http://www.veasyble. com/project.html>. Acesso em: 20 jul. 2014.

BOSSE, C. RIECK, A. WALLISSER, T. Milan Rinascente window. Milão, [s.n.], 2010. Disponível em: <http://www.l-a-v-a.net/projects/milan-rinascente-window/>. Acesso em: 20 jul. 2014.

BOSSE, C. RIECK, A. WALLISSER, T. Digital origami emergency shelter. Austrá- lia, [s.n.], 2011. Disponível em: <http://www.l-a-v-a.net/projects/digital-origami-emer- gency-shelter/>. Acesso em: 09 nov. 2014.

BOSSE, C. RIECK, A. WALLISSER, T. Digital origami tigers. Austrália, [s.n.], 2010. Disponível em: <http://www.l-a-v-a.net/projects/digital-origami-tigers/>. Acesso em: 09 nov. 2014.

GANJAVIAN, A. KAWAMURA, K. P. Oyster. [S.l.: s.n.], 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2014.

GARDINER, M. Oribotics. [S.l.: s.n.], 2004. Disponível em: . Acesso em: 09 nov. 2014.

HERNANDEZ, R. Veasyble by GAIA. [S.l.]: Yatzer, 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2014.

JOBSON, C. New Origami Street Art in Angers, France by Mademoiselle Mauri- ce. [S.l.]: Colossal, 2013. Disponível em:

<http://www.thisiscolossal.com/2013/06/new-origami-street-art-in-angers-

-france-by-mademoiselle-maurice/>. Acesso em: 20 jul. 2014.

MERCIER, A. PÊCHEUX, V. Faux Plis. [S.l.: s.n.], 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2014.

Downloads

Publicado

2014-12-17

Como Citar

TEIXEIRA, Samanta Aline; MARAR, João Fernando; ROSSI, Dorival Campos. Origami contemporâneo: um estudo sobre a arte em dobra e sua mutabilidade prática. Palíndromo, Florianópolis, v. 6, n. 12, p. 94–113, 2014. DOI: 10.5965/2175234606122014094. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/4898. Acesso em: 14 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção aberta