De Gumball à Glitch Art: imagens para pensar imagens

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234612272020184

Palavras-chave:

docência, arte contemporânea, Glitch Art, semiótica discursiva

Resumo

Este trabalho é parte da pesquisa de mestrado que analisa produtos audiovisuais consumidos por estudantes brasileiros buscando entendê-los como lugar de formação e como possibilidade estratégica de acesso à arte contemporânea. A escolha das produções, uma da mídia televisiva e outra uma videoinstalação, se deu pelo fato de que ambas comportam metalinguagens e questionam a própria estrutura e funcionalidade das imagens e das representações. A metodologia de análise consistiu em descrever e inter-relacionar os efeitos de sentido provocados por estas produções buscando compreender através do regime de interação do acidente, como o estilo nonsense provoca rupturas em nossos mecanismos habituais de leitura a partir dos seus efeitos de surpresa e de estranhamento. As conclusões apontam que abordar criticamente as produções audiovisuais consumidas diariamente pelos estudantes tornou-se um dos desafios contemporâneos do ensino de arte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone Rocha da Conceição, Federal University of Rio Grande do Sul

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da UFRGS; Mestre em Educação pelo PPGEdu/UFRGS (2018), sob orientação da Profª Drª Analice Dutra Pillar, na linha de pesquisa Arte Linguagem Currículo. Possui Licenciatura em Artes Visuais (2014) e Bacharelado em Artes Visuais (2007), ambos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pesquisadora do Laboratório de Estudos em Educação a Distância do Colégio de Aplicação da UFRGS (Le@d.CAp) atuando no Programa de atendimento aos Jovens de 15 a 17 anos que ainda se encontram no Ensino Fundamental apoiado pelo MEC e em parceria com Secretaria Estadual de Educação do RS. Tem experiência na área de Artes, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino fundamental, evasão escolar, ação educativa, permanência na escola e artes visuais.

Referências

ACASO, M. La educación artística no son manualidades: nuevas prácticas em la en-señanza de las artes y la cultura visual.– 2 ed.Madrid: Catarata, 2009.

BARBOSA, A. M. Tópicos Utópicos. Belo Horizonte: C/Arte, 1998.

BASTOS, L. K. X. Anotações sobre leitura e nonsense. Tese (Doutorado em Linguísti-ca) – Instituto de Estudos da Linguagem. São Paulo: Universidade Estadual de Cam-pinas, 1996.

CHIODETTO, E. Cinema Lascado: texto do curador. São Paulo: Frida Projetos Cultu-rais, 2016.

CHION, M. La audiovisión. Barcelona: Paidós, 1993.

CRIANÇA e CONSUMO. Relatório de atividades, 2012. Disponível em: <https://alana.org.br/wp-content/uploads/2014/08/alana-relatorio-atividades_2012.pdf>. Acesso em: 18 jun. 2019.

FECHINE, Y. Contribuições para uma semiotização da montagem. In: OLIVEIRA, A. C. de; TEIXEIRA, L. (Orgs.). Linguagens na comunicação: desenvolvimento de semiótica sincrética. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2009. p. 323-370.

FISCHER, R. M. B. O dispositivo pedagógico da mídia: modos de educar na (e pela) TV. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 28, n. 1, p. 151-162, junho, 2002.

GAZANA, C. Glitch Art: Uso do erro digital como procedimento artístico e possibili-dade estética. Dissertação (Mestrado em Artes) – Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Instituto de Artes – São Paulo, 2016.

GREIMAS, A. J. Da imperfeição. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2017.

GREIMAS, A. J. Sobre o sentido: ensaios semióticos. Petrópolis: Vozes, 1975. p. 7-17.

GREIMAS, A. J.; COURTÉS, J. Dicionário de semiótica. São Paulo: Contexto, 2008.

HERNÁNDEZ, F. Cultura Visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto Ale-gre: Artmed, 2000.

LANDOWSKI, E. Interações arriscadas. São Paulo: Estação das Letras e Cores: Centro de Pesquisas Sociossemióticas, 2014.

MERLEAU-PONTY, M. Textos selecionados. São Paulo: Abril Cultural, 1984.MORADI, I. Glitch Aesthetics. (mestrado em Design Multimedia) - University of Hud-dersfield, Department of Architecture, School of Design Technology – United King-dom, England, 2004.

OLIVEIRA, A. C. Da Imperfeição 30 anos depois. In.: GREIMAS, A. J. Da imperfeição. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2017, p. 9-19.

OXFORD DICTIONARIES. Oxford University Press, 2015. Disponível em: <https://langua-ges.oup.com/word-of-the-year/word-of-the-year-2015>. Acesso em: 18 jun. 2019.

PILLAR, A. D. Inscrições do contemporâneo em narrativas audiovisuais: simultanei-dade e ambivalência. Educação. Porto Alegre, v. 36, n. 3, p. 306-313, set./dez. 2013.

RAMALHO e OLIVEIRA, S. Leitura de Imagens para a Educação. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1998.

REUTER, Y. A análise da narrativa – o texto, a ficção e a narração. Rio de Janeiro: DIFEL, 2007.

SELECT ART. Bate papo e lançamento do catálogo Cinema Lascado, 2016.Disponível em: <https://www.select.art.br/lancamento-de-publicacao-de-giselle-beiguelman>. Acesso em: 20 dez. 2017.

SIMON, C. Nem o acaso e nem o milagre são arte por si mesmos. Prof. Círio Simon, 2010.Disponível em: <https://profciriosimon.blogspot.com/2010/11/isto-nao-e-ar-te-04.html>. Acesso em: 04 maio 2018.

TEIXEIRA, L. Da Imperfeição: um marco nos estudos semióticos. Galáxia, n. 4, p. 257-261, 2002.

VASCONCELOS, F. A. Sentidos do não-sentido: contributos para uma reflexão sobre a escrita nonsense. Revista da Faculdade de Letras – Línguas e Literatura. Porto, XV, 1998

Downloads

Publicado

2020-05-01

Como Citar

CONCEIÇÃO, Simone Rocha da. De Gumball à Glitch Art: imagens para pensar imagens. Palíndromo, Florianópolis, v. 12, n. 27, p. 184–198, 2020. DOI: 10.5965/2175234612272020184. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/13430. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção aberta