Dança, igualdade e diversidade: "professendo" na contemporaneidade

Autores

  • Arthur Marques de Almeida Neto Universidade Federal da Paraíba image/svg+xml

DOI:

https://doi.org/10.5965/235809252712023e4446

Palavras-chave:

ensino da dança, diversidade, igualdade, metodologia do ensino das artes

Resumo

O ensino da dança, como metodologia de ensino de estudos corporais para o ensino das artes, pode romper com lógicas estruturais coloniais. Adere-se a pedagogia do oprimido e a ética bixa, concomitantemente, como prepostos balizadores da práxis do artista-docente, compreendido como ser em processo constante de atualização de suas práticas – metodológicas, de abordagem pedagógica, didáticas e artísticas – através de um neologismo: professendo. Inconcluso, o professendo busca, através da reflexão sobre suas práticas, abolir essas lógicas que se materializam em processos educativos que lidam com autoritarismo, adoção de modelos universais, conteúdos ministrados em modo de educação bancária e relações hierárquicas, tanto na escolha de conteúdos como na verticalidade do tratamento entre educador-educando. A premissa é de que uma lógica colonial que estrutura o ensino da dança na atualidade lida, principalmente, com a noção de que o educador sabe tudo e o educando nada sabe, esvaziando a potência criativa e o desenvolvimento pleno do sujeito como cidadão crítico pelo disciplinamento silenciador. Indica-se que os profissionais de dança no país são (in)formados nessas lógicas coloniais estruturantes presentes no ensino da dança, em especial, no ballet clássico. Apresenta-se uma proposta metodológica e de conteúdo de ensino da dança planejada como prática de liberdade. O contraponto que rompe com essas lógicas pressupõe atos dialógicos nas práticas do artista-docente – um professendo, - que adere a um projeto de busca pela igualdade e inclusão dos sujeitos na educação e na arte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arthur Marques de Almeida Neto, Universidade Federal da Paraíba

Professor de Departamento de Artes Cênicas do Centro de Comunicação Turismo e Artes da Universidade Federal da Paraíba. Coordenador e professor do Programa de Mestrado Profissional em Artes em Rede Nacional - PROFARTES/ UFPB. Ex-Coordenador do Subnúcleo Teatro e Dança da Programa Residência Pedagógica da UFPB no biênio 2018-2019 e orientador voluntário no biênio 2020-2022. Líder do Grupo de Pesquisa ARCOPODER - Estudos e Pesquisas das Artes do Corpo, Políticas e Poderes. Doutor pelo Programa de Estudos Pós-graduados em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Mestre em Dança pela Universidade Federal da Bahia, tendo sido bolsista pela FAPESB (2009). Especialista em Estudos Contemporâneos em Dança pela Universidade Federal da Bahia (UFBA/FAV-RJ) (2008). Licenciado em Dança pela Faculdade Angel Vianna (2005). Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Dança, atuando principalmente nos seguintes temas: Composição Coreográfica, Técnica de Dança, Dança Contemporânea, Dança Moderna, Dança-Educação, Identidade, Dança e Política, Cultura, Estudos Culturais, Percepção Ambiental, Teoria e História da Dança, (Bio)Política na/da Dança, Dança em Ambientes Midiáticos, Dança e(m) Processos de Comunicação, Gênero e Sexualidades. 

Referências

ALMEIDA NETO, A. M. Appalachian Spring: política e poder na dança. Dissertação (mestrado em dança) – Programa de Pós-graduação em Dança, Escola de Dança, Universidade Federal da Bahia. Salvador, 125 p. 2009.

ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos do Estado: notas para uma investigação. In: ZIZEK, Slavoj (Org.). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996. p. 105-142.

BANNES, S. Democracy ́s body: Judson Dance Theater 1962- 1964. New York: Duke University Press Books, 1993.

BLOM, L. A.; CHAPLIN, L. T. The intimate act of choreography. Pittsburgh: University of Pittsburgh Press, 1982.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 15a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

LABAN, R. Dança educativa moderna. São Paulo: Ícone, 1990.

LOUPPE, L. Poética da dança contemporânea. Lisboa: Orfeu Negro, 2012.

MARQUES, I. A. Ensino da dança hoje: textos e contextos. São Paulo: Cortez, 1999.

MORAES, J. Sobre coreografia em roteiro. Moringa, Revista do Departamento de Artes Cênicas da UFPB, v. 6 n. 2, p. 11-22, jul/ dez 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/ moringa/article/view/27322/14686 . Acesso em: 09 jan. 2023.

MOREIRA, M. A. A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2006.

RANCIÈRE, J. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emanci- pação intelectual. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

TOMAZZONI, A. Dançando e aprendendo a ser: estratégias de subjetivação nos manuais de dança. Idança.txt. V. 4. Agosto, 2011. p. 10-29. Disponível em: <https://issuu.com/www.idanca. net/docs/idancatxt_vol4_single> . Acesso em 09 jan.2023.

VIDARTE, P. Ética bixa: proclamações libertárias para uma mili- tância LGBTQ. São Paulo: N-1 Edições, 2019.

Downloads

Publicado

2023-12-14

Como Citar

ALMEIDA NETO, Arthur Marques de. Dança, igualdade e diversidade: "professendo" na contemporaneidade. Revista NUPEART, Florianópolis, v. 27, n. 2, 2023. DOI: 10.5965/235809252712023e4446. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/nupeart/article/view/24446. Acesso em: 19 abr. 2024.