Da arte relacional à busca por novas formas de vida: ensino de artes na educação básica em contexto de vulnerabilidade social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/235809252712023e4436

Palavras-chave:

educação, vulnerabilidade social, arte relacional , pensamento decolonial

Resumo

O presente artigo parte da preposição de que a escola é um mecanismo de subjugação de jovens em vulnerabilidade social, cujos elementos constituintes trabalham no sentido de gerar indigência cultural, concretizada na exclusão escolar. Toma-se a Arte Relacional e posteriormente as práticas artísticas que dialogam com o pensamento decolonial como poéticas e práticas  pedagógicas que podem mitigar o contexto de violência e exclusão ou mesmo subverter o funcionamento do espaço escolar. A conclusão atesta que práticas de arte relacional funcionam de modo a propiciar a manutenção do sistema político-social, não gerando transformações profundas no contexto. Enquanto as práticas decoloniais podem proporcionar, experiências de comunidade que não se restringem a um lapso temporal, mas atravessam o tempo e as gerações, criando vínculos afetivos, identitários e políticos, que potencializam corpos e agenciam lutas, ocasionando e sendo fruto de mudanças estruturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Saulo Vinícius Almeida, Rio de Janeiro State University

Ator e diretor teatral. Doutorando em Artes da Cena pela UNICAMP, Mestre em Artes Cênicas pela USP, Bacharel em Teatro pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e licenciando em Teatro pela UNB. 

Referências

BRASIL. Lei nº 9.394, de 09 de janeiro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática ‘História e Cultura Afro-Brasileira’, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 10 jan. 2003.

BRASIL. Lei n. 11.645/2008, de 10 de março de 2008. Altera a lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 11 mar. 2008.

BOURRIAUD, N. Estética Relacional. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

CASTRO, Lúcia Rabello de; MONTEIRO, Renata Alves de Paula. A concepção de cidadania como conjunto de direitos e sua implicação para a cidadania de crianças e jovens. Rev. psicol. polít., São Paulo, v. 8, n. 16, p. 271-284, dez. 2008.

COSTA, Daiane Aparecida. Trilhas da docência em teatro no ensino médio. Dissertação (Mestrado Profissional em Arte) – Programa de Pós Graduação em Artes, PROFARTES, Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2018.

DOSSIN, Francielly. Espaço para possibilidades: arte pública e estética relacional. Travessias – Pesquisas em Educação, Cultura, Linguagem e Arte, Cascavel, v. 2, n. 1, p. 1-14, 2008.

HABIB, I. G. CORPOS TRANSFORMACIONAIS: A facetrans no Brasil. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 6, n. 2, p. 68–106, 2020.

OLIVEIRA, V. H. N. de. Danças familiares pretas: Notas sobre a aprendizagem da Dança de São Gonçalo de Amarante. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 44, p. 1-21, 2022.

RANCIÈRE, J. A estética como política. Devires, Belo Horizonte, v. 7, n. 2, p. 14-36, 2010.

SAFATLE, Vladimir. O circuito dos afetos: Corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

SANTOS, Boaventura Sousa. O fim do império cognitivo: as afirmações epistemológicas do sul. Belo Horizonte: Autêntica, 2020.

SOUSA, Roberta Machado. O estigma na escola: a produção do “aluno problema”. Monografia (Licenciatura em Pedagogia) – Faculdade de Formação de Professores, Universidade Estadual do Rio de Janeiro. São Gonçalo, 2008.

VALLA. V. V. A escola pública – Fracasso escolar, saúde e cidadania. In: VALLA, V.V.: STORG, E. N. (org). Educação, saúde e cidadania. Petrópolis: Vozes, 1994.

VASCONCELOS, Maria Goreth da Silva. Políticas Públicas e atendimento educacional: o papel da Casa Mamãe Margarida junto a crianças e adolescentes em situação de acolhimento e vulnerabilidade social. 2015. vi. 171 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Amazonas, 2015.

Downloads

Publicado

2023-12-14

Como Citar

ALMEIDA, Saulo Vinícius. Da arte relacional à busca por novas formas de vida: ensino de artes na educação básica em contexto de vulnerabilidade social. Revista NUPEART, Florianópolis, v. 27, n. 2, p. 01–23, 2023. DOI: 10.5965/235809252712023e4436. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/nupeart/article/view/24436. Acesso em: 19 abr. 2024.