Bebês na arte vivida em casa: experimentando e (re) criando o cotidiano em tempos de pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/23580925242020053

Palavras-chave:

bebês , arte, mães, pandemia

Resumo

Este artigo objetiva analisar as experiências artísticas de bebês e suas mães durante o isolamento social causado pela pandemia de COVID-19. O método realizado foi a pesquisa qualitativa com a aplicação de questionários semiestruturados respondidos por seis mães de bebês entre cinco meses e três anos de vida, via aplicativo de mensagem no celular, acompanhado de produção de vídeos, fotografias e relatos de experiências. Observamos que a vivência com a arte pelos
bebês com suas mães se dá como lazer e atividades educacionais no que o ambiente oferece, a partir dos hábitos dos
adultos e na experimentação das novidades. Nisso, com os/ as bebês refletimos que ao vivenciar as possíveis formas artísticas, o cotidiano de casa se (re) faz com suas presenças transformadoras e ações curiosas no processo sensitivo de desenvolver suas habilidades criativas. Neste estudo, percebemos que é no que já se dispõe em casa que as crianças pequenas mais entram em contanto com as artes, isso se revelou nas rotinas domésticas com suas mães e nas práticas inseridas nesses cotidianos para alegrar, educar e aprender junto.

Biografia do Autor

Karla Jeniffer mendonça, Universidade Federal da Praíba

Doutoranda em Sociologia na Universidade Federal da Paraíba

Mestra em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba

Pedagoga pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Membro do grupo de pesquisas Crianças, Sociedade e Cultura (CRIAS) da UFPB.

Ailza de Freitas Oliveira, independente

Doutora em Educação/UFPB. Mestra em Linguística e Ensino/UFPB. Especialista em Psicopedagogia. Graduada em Arte com habilitação em Cênica/UFPB . Professora efetiva de Educação Básica II na Prefeitura Municipal de João Pessoa no Ensino de Artes Cênicas. Membro e Organizadora de Eventos da ONG MARÉ PRODUÇÕES ARTÍSTICAS E EDUCACIONAIS. Membro do Conselho Editorial do Projeto Novos Olhares da ONG Maré.Coordenadora do Projeto Compartilhando Saberes da ONG Maré. 

Referências

ABRAMOWICZ, Anete; LEVCOVITZ, Diana; RODRIGUES, Tatiane Cosentino. Infâncias em Educação Infantil. Revista Pro-Posições. Vol. 20, nº. 3 p. 179-197, Campinas Sept./Dec. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-73072009000300012&script=sci_arttext. Acesso em: 15 ago. 2020.

ALANEN, L. Explorations in generational analysis. In: ALANEN; MAYALL. Conceptualizing Child-Adult Relations. London, New York: Routledge/Falmer, 2001. p. 11-23.

CHANAN, Marcela. Exploração, Brincadeira e Arte: bebês em ação. Educação Infantil. Revista Direcional Educador. Edição nº 132, p. 14-17, dez. 2016. Disponível em: http://sitecommerce.com.br/pana/wp-content/uploads/2018/04/post-educ-3.pdf. Acesso em: 20 jun. 2020.

CUNHA, Sandra Mara da. Crianças fazendo arte: processos de criação artística e formação profissional docente para a Educação Infantil. P O I É S I S – Revista do Programa de Pósgraduação em Educação – Mestrado – Universidade do Sul de Santa Catarina. Unisul, Tubarão, v. 12, n. 21, p. 235-250, Jan/Jun2018. Disponível em: http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Poiesis/index. Acesso em: 29 jun. 2020.

GOTTLIEB, Alma. Para onde foram os bebês? Em busca de uma antropologia de bebês (e de seus cuidadores). Psicologia USP. São Paulo, julho/setembro, 2009, 20(3). p. 313-336. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-65642009000300002. Acesso em: 20 jun. 2020.

INFANTINO, Agnese; ZUCCOLI, Franca. A arte como ferramenta de exploração e conhecimento. Revista Eventos Pedagógicos. Educação de 0 a 3 anos em espaços de vida coletiva. v. 6, n. 3 (16.ed.), edição especial temática, p. 75-94, ago./out. 2015.

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida: Emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 18, n. 37, p. 25-44, jan./jun. 2012.

KAISER, Patrícia Nunes De. Arte na educação infantilinfantil: o desenvolvimento infantil e a criança produtora de cultura. Dissertação (Mestrado em Educação) Faculdade de Educação da Universidade de Brasília. Brasília/DF, 2017.

LAHIRE, Bernard. Sucesso escolar nos meios populares: as razões do improvável. São Paulo: Ática, 1997.

LATOUR, B. Reassembling the social: an introduction to actor network-theory. New York: Oxford University Press, 2005.

LÓPEZ, María Emilia. A arte na primeira infância. O valor das experiências à pouca idade. In: Cultura e Primeira Infância. Centro Regional para o Fomento do Livro na América Latina e no Caribe. p. 23-25. UNESCO, jun. 2013.

NAÇÕES UNIDAS BRASIL. OMS divulga recomendações sobre uso de aparelhos eletrônicos por crianças de até 5 anos. Disponível em: https://nacoesunidas.org/oms-divulgarecomendacoes-sobre-uso-de-aparelhos-eletronicos-porcriancas-de-ate-5-anos/. Acesso em: 20 jul. 2020.

NUNES, Laísy de Lima; AQUINO, Fabíola de Sousa Braz; VILLACHAN-LYRA, Pompéia. Mãe Acha que Bebê Sente Tudo, né?: Concepções Maternas sobre Habilidades Socioemocionais e Comunicativas Infantis. Revista Psico. Porto Alegre, v. 46, n. 2, p. 243-253, abr.-jun. 2015. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico. Acesso em: 15 jul. 2020.

OLIVEIRA, Andréa. Educação Infantil: o conhecimento das artes visuais. Cursos CP. Cursos Educação Infantil. Artigos. Disponível em https://www.cpt.com.br/cursos-educacao-infantil/artigos/educacao-infantil-o-conhecimento-das-artes-visuais. Acesso em: 01 jun. 2020.

OLIVEIRA, Marcia Franco De. Representações sociais e concepções dos professores sobre arte na infância e implicações na educação infantil. Dissertação (Mestrado em Artes e Educação) Universidade Estadual Paulista. UNESP. São Paulo, 2016.

PAASCHEN, Liane Elisabeth Driemeyer. Corpo e Sentidos: uma possibilidade de ensino da arte para bebês. XIII Seminário Internacional de Educação. Escola Espaço de Sociabilidade e Cultura da Paz. 2012. Disponível em: http://www.feevale.br/site/hotsite/tpl/153/comum/arquivos/pratica_docente/corpo%20e%20sentidos%20-%20uma%20possibilidade%20de%20

ensino%20da%20arte%20para%20beb%c3%8as.pdf. Acesso em: 20 jun. 2020.

PIRES, Flávia Ferreira; SARAIVA, Marina Rebeca. In: Dossiê: A antropologia dos bebês e suas cuidadoras. Áltera: revista de Antropologia. PPGA - Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFPB- Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, v. 1, n. 8, jan./jun. 2019. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/altera. Acesso em: 10 jun. 2020.

SALUTTO, Nazareth; NASCIMENTO, Anelise Monteiro do. Onde estão os bebês? Reflexões para sua construção conceitual a partir de um debate interdisciplinar. In: Dossiê: A antropologia dos bebês e suas cuidadoras. Áltera: revista de Antropologia. PPGA - Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFPB Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, v. 1, n. 8, jan./jun. 2019. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/

altera. Acesso em: 24 jul. 2020.

TOREN, Christina. Antropologia e psicologia. Revista brasileira

de ciências sociais, Caxambu, vol. 27, n° 80, 2012.

TEBET, Gabriela de Campos; ABRAMOWICZ, Anete. Estudos de bebês: linhas e perspectivas de um campo em construção. ETD – Educação Temática Digital. Campinas, SP. V. 20 n. 4, p. 924-946, out./dez. 2018.

WINNICOTT, Donald Woods. Primeiras experiências de independência. In: WINNICOTT, D. A criança e seu mundo. Rio de Janeiro: Ed. LTC., 1982 [1964]. 6ª edição. p 189-195.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

MENDONÇA, K. J.; OLIVEIRA, A. de F. Bebês na arte vivida em casa: experimentando e (re) criando o cotidiano em tempos de pandemia. Revista NUPEART, Florianópolis, v. 24, p. 53-75, 2020. DOI: 10.5965/23580925242020053. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/nupeart/article/view/18522. Acesso em: 28 out. 2021.