Como pessoas cegas se relacionam com as artes visuais?: um estudo de caso sobre refereciais artísticos, acessibilidade e fruição estética

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630732023e3896

Palavras-chave:

deficiência visual, artes visuais, acessibilidade

Resumo

Este artigo apresenta os resultados obtidos numa pesquisa sobre a recepção de pessoas com deficiência visual para as artes visuais, investigando o repertório de obras conhecidas, o estado atual de acessibilidade, assim como relatos de experiências estéticas. Este estudo de caso, pesquisa de cunho quali-quantitativo, foi realizado através de um survey com pessoas com deficiência visual, a maioria frequentadoras do Instituto Benjamin Constant, instituição centenária localizada no Rio de Janeiro. Os resultados revelaram referenciais artísticos majoritariamente de origem europeia, com o agravante de serem as suas formas desconhecidas, ou seja, não houve intermediação através de audiodescrição e/ou material tátil. No que tange à acessibilidade em museus e instituições culturais, os resultados apontam para a falta de oportunidades e descuido com esse público. No caso de eventos ditos inclusivos, foi observada a ineficiência da audiodescrição como recurso único de acessibilidade para as artes visuais, enfatizando a importância do toque em materiais táteis com sua respectiva audiodescrição. A percepção tátil de esculturas se revelou um potente catalisador da fruição estética, justificando a defesa da possibilidade do toque em originais de obras tridimensionais para pessoas com deficiência visual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leila Gross, Federal University of Rio de Janeiro

Professora de Artes Visuais, doutora em Educação pelo PPGE-UFRJ, pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Educação, Arte e Cultura – GECULT, PPGE-UFRJ.

Monique Andries Nogueira, Federal University of Rio de Janeiro

Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Educação, Arte e Cultura. Pós-Doutorado na Universidade das Ilhas Baleares, UIB, Espanha. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Pós-Doutorado na Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, Brasil.

Referências

BARBOSA, A. M. A imagem no ensino da arte: anos 80 e novos tempos. São Paulo: Perspectiva, 2009.

BENJAMIN, W. A Obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. In: ADORNO, T. et al. Teoria da cultura de massa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

CARIJÓ, F. H.; MAGALHÃES, J. M. Q.; ALMEIDA, M. C. Acesso tátil: uma introdução à questão da acessibilidade estética para o público deficiente visual nos museus. In: KASTRUP, V.; MORAES, M. (org.). Exercícios de ver e não ver: arte e pesquisa com pessoas com deficiência visual. Rio de Janeiro: Nau, 2010.

FRANCO, E. P. C.; SILVA, M. C. C. C. Audiodescrição: breve passeio histórico. In: MOTTA, L. M. V. M.; ROMEU-FILHO, P. (org.). Audiodescrição: transformando imagens em palavras. São Paulo: Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Estado de São Paulo, 2010, p. 23-42. Disponível em: http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br/usr/share/documents/LIVRO_AUDIODESCRICAO_TRANSFORMANDO_IMAGENS_EM_PALAVRAS.pdf. Acesso em: 6 mar. 2022.

GROSS, L., Arte e Inclusão: o Ensino da Arte na inclusão de alunos com deficiência visual no Colégio Pedro II. Tese (doutorado) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2015.

GROSS, L.; NOGUEIRA, M. A. Ensino da Arte e Inclusão: Relatos de alunos com deficiência visual em aulas de Artes Visuais no Colégio Pedro II. Revista Educação, Artes e Inclusão v. 12, n. 3, 2016, p. 33-59. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/ 7890/pdf. Acesso em: 18 jun. 2022.

GROSS, L.; NOGUEIRA, M. A. OBRAS-PRIMAS DASARTES VISUAIS: o que pessoas cegas têm a dizer sobre esse tema? In: SANTOS JÚNIOR, E.A.; BRAGA, L.P.S.; MELLO, M.N. (org.). Conectando Conhecimentos, Vol. II, Textos referentes às palestras e trabalhos apresentados nas edições de VI a IX do Seminário, Rio de Janeiro: Instituto Benjamin Constant, 2021. ISBN: 9786500312188. Disponível em: https://www.gov.br/ibc/pt-br/pesquisa-e-tecnologia/publicacoes-do-ibc-1/livros_pdf/anexos/conectando-conhecimentos_vol_ii___.pdf. Acesso em: 01 maio 2022.

KASTRUP, V. Experiência estética para uma aprendizagem inventiva: notas sobre a acessibilidade de pessoas cegas a museus. Informática na Educação: Teoria & Prática, Porto Alegre, v. 13, n. 2, p. 38-45, jul./dez. 2010.

MOREIRA, H.; CALEFFE, L.G. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.

REBEL, E. Ikonen der Bildgedächtnisses (Ícones da Memória Imagética). Seminário proferido no curso de Pedagogia da Arte. Universidade Ludwig-Maximilian, Munique, 2002.

REBEL, E. Sehen und Sagen: Das Öffnen der Augen beim Beschreiben der Kunst, Ostfildern: Ed. Tertium, 1996.

Downloads

Publicado

2023-10-01

Como Citar

GROSS, Leila; NOGUEIRA, Monique Andries. Como pessoas cegas se relacionam com as artes visuais?: um estudo de caso sobre refereciais artísticos, acessibilidade e fruição estética. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 7, n. 3, p. 1–25, 2023. DOI: 10.5965/25944630732023e3896. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/23896. Acesso em: 24 fev. 2024.

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.