Movimentos na Educação Matemática: tremores perfurantes nas verdades instituídas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2357724X08172020001

Palavras-chave:

Educação Matemática, Produções acadêmicas, Diferença

Resumo

Este artigo constrói – enquanto se faz – compreensões das autoras sobre uma Filosofia da Diferença para/na/da/sobre Educação Matemática, a partir de movimentos de pesquisa e de prática – de academia e de vida [de ser, de estar e de haver] – EXpostos nos artigos do Boletim online de Educação Matemática – BOEM que foram publicados na Edição Temática Educação Matemática e Filosofia da Diferença, em novembro de 2020, no número dezessete do volume oito. A provocação sobre tremores perfurantes nas verdades instituídas é nossa! É nossa, mas só despertada graças às dezesseis contribuições de colegas professores com/em formação, cujos textos colocam em evidência experiências, teorias e ideias sobre temas relacionados ao (des)foco da edição. Como resultado, apresentamos um convite à leitura e a reflexões para ampliação de compreensões a respeito da Filosofia da Diferença e de suas relações com a Educação Matemática.  

Biografia do Autor

Claudia Glavam Duarte, UFRGS

Possui graduação em Licenciatura Plena em Ciências e Matemática - 1º g pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1990), Mestrado em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2003) e doutorado em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2009). Atualmente é professora do curso de licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul- Campus Litoral Norte e do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da vida e saúde - UFRGS. Atua na linha de pesquisa Educação Científica: Implicações das práticas científicas na constituição dos sujeitos, vinculada ao campo da Educação Matemática e Educação do campo nas suas vertentes pós-estruturalistas, tendo como ferramentas as teorizações de Michel Foucault, Gilles Deleuze, Ludwig Wittgenstein. É colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica da UFSC.Tem experiência na área de Educação atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Matemática; Diversidade, Educação do Campo, saberes populares e conhecimento científico,Etnomatemática e currículo . Coordena o Grupo de Estudos em Educação Matemática e Contemporaneidade (GEEMCo).

Kátia Liége Nunes Gonçalves, UFPA

Doutora em Educação em Ciências e Matemáticas e Mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas pela Universidade Federal do Pará-UFPA, Especialização em Educação Matemática Para os Anos- UFPA. Graduação em Pedagogia-Universidade da Amazônia. Graduanda em Licenciatura em Matemática Faculdade do Pará. Professora de Educação Matemática da UFPA- Campus Castanhal. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática e Linguagens, atuando principalmente nos seguintes temas: Pesquisas em Cultura e Subjetividade na Educação Matemática; Filosofia da Diferença; Discussões sobre Ensino e Aprendizagem de Matemática; Educação Matemática do Campo; Práticas e de/formação Docente; Práticas Pedagógicas e Metodológicas em Educação Matemática; Etnomatemática e suas movências; Linguagem Natural/Materna e Matemática implicações; Avaliação da/para Aprendizagem.

Luciane Mulazani dos Santos, UDESC/FAED

Professora Associada do Departamento de Pedagogia/FAED/UDESC, do curso de Licenciatura em Pedagogia, do Mestrado e Doutorado em Educação e do Mestrado Profissional em Ensino de Ciências, Matemática e Tecnologias.

Referências

DELEUZE, Gilles. Conversações. Trad. Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1992.

DELEUZE, G. Em quê a filosofia pode servir a matemáticos ou mesmo a músicos: mesmo e sobre tudo quando ela não fala de música ou de matemática. In: Gilles Deleuze – Educação e Realidade. v. 27, n. 2. Porto Alegre: UFRGS, 2002. p. 225-226.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Tradução de L. Orlandi e R. Machado. 2.ed. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

DUARTE, Claudia Glavam; FARIA, Juliano Espezim Soares. Educação do Campo e Educação Matemática: possíveis entrelaçamentos. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 25, n. 1, p. 80-98, Jan./Abr. 2017.

DUARTE, Claudia Glavam. Problematizando a neutralidade e universalidade do conhecimento matemático. Revista Trajetórias Multidisciplinares. – Ed. Esp. XVI Fórum Internacional de Educação – ano 3, Nº 7, - Ago/2012.

GONÇALVES, K. L. N. Nomadismo da educação matemática ribeirinha: potências da multiplicidade. 2018. p. 141. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Educação Matemática e Científicas, Universidade Federal do Pará, Belém, 2018.

LARROSA, Jorge. Linguagem e educação depois de Babel. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

NIETZSCHE, Friedrich. A Gaia Ciência (tradução de Paulo César de Souza). São Paulo:

Companhia das Letras, 1ª ed. 2001.

Downloads

Publicado

2020-11-30