A disciplina de Tópicos de Educação Matemática I: afetos e desafetos

Autores

  • Luana Cristina Baier Universidade Federal do Paraná
  • Elenilton Vieira Godoy Universidade Federal do Paraná
  • Elisangela de Campos Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5965/2357724X09182021192

Palavras-chave:

Práticas Colaborativas, Ensino Emergencial Remoto, Formadoras/o, Pandemia

Resumo

Este relato de experiência tem como objetivo narrar as experiências de três vozes formadoras ao ministrar, por meio do Ensino Remoto Emergencial (ERE), uma disciplina optativa em um curso de licenciatura em matemática de uma IESP durante a pandemia. Desta forma, apresentamos três narrativas que priorizam o lugar de fala dos/as formadores/as de futuros/as professores/as de matemática e os afetamentos produzidos ao ministrarem a disciplina. A partir das narrativas e de uma breve discussão teórica sobre colaboração, indicamos alguns sentidos que atravessam os três relatos, “Se adaptar ao momento é preciso” e “O trabalho remoto potencializou a colaboração”. No primeiro sentido, se destaca que a colaboração foi uma maneira encontrada pelas três vozes docente de se adaptar a necessidade de ministrar uma disciplina durante o Ensino Emergencial Remoto (EMR). No segundo sentido, se identificou que o fato de se acreditar que o trabalho remoto potencializou a colaboração está relacionado a presença que a colaboração exige, apresentado nos relatos por meio do envolvimento intenso de cada voz docente em todas as demandas da disciplina.

Biografia do Autor

Luana Cristina Baier, Universidade Federal do Paraná

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e em Matemática (PPGECM). Possui graduação em Matemática pela Universidade Federal do Paraná (2017). Foi bolsista de Iniciação à Docência do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID), atuando no Subprojeto Matemática 2 (2015) . Tem experiência como professora de matemática na rede privada de Curitiba e região metropolitana. 

Elenilton Vieira Godoy, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Bacharelado em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1998), graduação em Licenciatura Plena em Matemática pelo Centro Universitário Sant'Anna (1999), mestrado em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2002) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2011). Pós-doutorado em Educação pela Universidade de Educação (2018). Atualmente é professor do departamento de Matemática, do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e em Matemática e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Tem experiência na área de Ensino de Matemática desenvolvendo estudos e pesquisas associadas aos aspectos teóricos do currículo da Matemática escolar e à transição do Ensino Médio para o Ensino Superior.

Elisangela de Campos , Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal de Uberlândia (1995), mestrado em Matemática pela Universidade Estadual de Campinas (1998) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (2009). Atualmente é professora associada da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área de Matemática e Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, ensino e aprendizagem de Matemática.

Referências

BOAVIDA, Ana Maria; PONTE, João Pedro. Investigação colaborativa: Potencialidades e problemas. In GTI (Org), Reflectir e investigar sobre a prática profissional. p. 43-55. Lisboa: APM, 2002.

COORDENADORIA DE INTEGRAÇÃO DE POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA – CIPEAD. ERE – Ensino Remoto Emergencial. Disponível em: http://www.cipead.iesp.br/portal1/index.php/cipead/periodo-especial-iesp/ere-ensino-remoto-emergencial/. Acesso em: 20 nov. 2020.

FIORENTINI, Dario. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: BORBA, M. de C.; ARAÚJO, J. de L. (organizadores). Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática. 5ª ed. 144 p. (Tendências em Educação Matemática, 9). Belo Horizonte: Autêntica Editora, p. 53-86, 2013.

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICA – IESP. Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE). Resolução nº 59/2020 – CEPE. Cidade, 2020.

JESUS, Humberto Luis de. Sobre alteridade, autonomia, autoridade e saberes docentes nas aulas de matemática. 596 f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, jan./fev./mar./abr., 2002.

LARROSA, Jorge. Experiência e alteridade em Educação. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v.19, n. 2, p. 04-27, jul./dez., 2011.

LARROSA, Jorge. Tecnologias do EU e Educação. In: SILVA, T. T. (organizador). O sujeito da Educação. 8ª ed. 260 p. Petrópolis: Vozes, p. 35-86, 2011a.

PASSOS, Cármen Lúcia Brancaglion. (organizadora). Processos de formação de professores: narrativas, grupo colaborativo e mentoria. 74 p. – (Coleção UAB-UFSCar). São Carlos: EdUFSCar, 2010.

MISKULIN, Rosana Giaretta Sguerra. As possibilidades didático-pedagógicas de ambientes computacionais na formação colaborativa de professores de matemática. In: FIORENTINI, D. (organizador). Formação de professores de matemática: explorando novos caminhos com outros olhares. Campinas: Mercado de Letras, p. 217-248, 2003

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti; REALI, Aline Maria de Medeiros Rodrigues. (organizadoras). Aprendizagem profissional da docência: saberes, contextos e práticas. São Carlos: EdUFSCar, 2010.

NONO, Maria Anabel; MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Casos de ensino e processos de aprendizagem profissional docente. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos – RBEP, Brasília, v. 83, n.203/204/205, p. 72-84, jan./dez., 2002.

PONTE, João Pedro da.; QUARESMA, Marisa; PEREIRA, Joana Mata; BAPTISTA, Mónica. O Estudo de Aula como Processo de Desenvolvimento Profissional de Professores de Matemática. Bolema, Rio Claro (SP), v. 30, n. 56, p. 868 - 891, dez. 2016.

ROLDÃO, Maria do Céu. Colaborar é preciso: Questões de qualidade e eficácia no trabalho dos professores. NOESIS, Lisboa, n. 71, p. 24-29, out./dez., 2007.

Downloads

Publicado

2021-10-30

Como Citar

BAIER, L. C.; GODOY, E. V. .; CAMPOS , E. de. A disciplina de Tópicos de Educação Matemática I: afetos e desafetos. Revista BOEM, Florianópolis, v. 9, n. 18, p. 192-210, 2021. DOI: 10.5965/2357724X09182021192. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/boem/article/view/19137. Acesso em: 30 nov. 2021.