Formação de professores de matemática em projeto de extensão: percepções docentes em tempos da pandemia da COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2357724X09182021085

Palavras-chave:

Formação Continuada, Matemática, Projeto de Extensão, Investigação-Ação, COVID-19

Resumo

Apresentam-se percepções sobre participações docentes em ações de um projeto de extensão para a formação inicial e continuada de professores de matemática da educação básica, realizado ao longo de 2019 e durante a pandemia da COVID-19, em 2020. São descritos aspectos metodológicos adotados e, por meio da abordagem qualitativa, percepções dos participantes sobre: relevância de suas participações; aspectos positivos e negativos; e sugestões para melhoria da qualificação do processo formativo. Também são apresentadas percepções relacionadas ao processo de formação em tempos da pandemia. Concluiu-se que, apesar da necessidade de mudança/adequação para a modalidade remota, os objetivos do projeto de formação continuada foram atingidos. Os professores perceberam todos os aspectos relacionados aos pressupostos adotados da investigação-ação, o que indica que a proposta continuou sendo viável. Também se constatou a percepção de que suas participações os ajudaram no processo de transição, pois houve a socialização e troca de saberes, tanto sobre conhecimentos matemáticos e pedagógicos, como sobre possibilidades de abordagens alternativas, com o uso de recursos tecnológicos digitais. Nas percepções sobre a experiência em 2020, um aspecto positivo que se destacou foi a realização de encontros online, favorecendo constituição de um grupo maior de professores. E um aspecto negativo relevante foi que os acadêmicos não tiveram a oportunidade de desenvolver seus saberes práticos, devido a impossibilidade de estarem em sala de aula presencial. Também apareceram percepções de que o projeto de extensão possibilitou aproximar a Universidade dos professores da Educação Básica e, ainda, permitiu a integração entre ações de ensino, pesquisa e extensão.

Biografia do Autor

Paula Boito, Universidade de Passo Fundo (UPF), Passo Fundo/ RS/BR

Mestre em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade de Passo Fundo (UPF); Especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Faculdade Anglicana de Tapejara (FAT); Graduada em Matemática Licenciatura pela Universidade de Passo Fundo (UPF). É professora de matemática na Educação Básica (Centro de Ensino Médio Integrado UPF) e professora titular da área de matemática da faculdade Instituto de Educação Tapejara (FAT). Também atua em projeto de extensão na área de ensino de ciências e matemática.

Juliana Valério, Universidade de Passo Fundo (UPF), Passo Fundo/ RS/BR

Acadêmica Juliana Valério, é graduanda em Licenciatura em Matemática na Universidade de Passo Fundo (UPF)/RS/BR. Atua como bolsista extensionista no projeto de extensão, Formação Continuada de Professores de Matemática.

Referências

ANDERSON, Gary; HERR, Kathryn. O docente-pesquisador: a investigação-ação como uma forma válida de geração de conhecimentos. Revista Interinstitucional Artes de Educar. Rio de Janeiro, v.02, n. 1, p.4-24, 2016.

BORBA, Marcelo de Carvalho; PENTEADO, Miriam Godoy. Informática e Educação Matemática. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Educação matemática da teoria à prática. 16.ed. Campinas/SP: Papirus, 2008.

KAMPFF, Adriana Justin Cerveira. Tecnologia da informática e comunicação na educação. Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2006. 144 p.

KENSKY, Vani Moreira. Educação tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Papirus, 2007.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: ed. 34, 1993.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio da pesquisa social. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 27. ed., Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2008. p.9-30.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti, et al. Escola e Aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Paulo: EdUFSCar, 2002.

MOLINA, Rinaldo. A pesquisa-ação/investigação-ação no Brasil: mapeamento da produção (1966-2002) e os indicadores internos da pesquisa-ação colaborativa. Orientador: Elza Garrido. 2007. 177 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. doi:10.11606/T.48.2007.tde-25072007-150643.

NÓVOA, Antônio. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa. v. 47, n. 166, p.1106-1133, 2017.

PONTE, João Pedro da. Da formação ao desenvolvimento profissional. In: ProfMat, 1998, Lisboa, Portugal. Actas. Lisboa: APM, 1998, p. 27-44

SARAIVA, Manuel; PONTE, João Pedro da. O trabalho colaborativo e o desenvolvimento profissional do professor de Matemática. Quadrante, Portugal: APM - Associação de Professores de Matemática, v. 12, n. 2, p. 25-52, 2003.

SOUZA, Ruan Lion Costa de et al. Evidenciando a extensão e sua importância nas licenciaturas. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI. v. 14, n. 27, p. 38-45, 2018.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

Downloads

Publicado

2021-10-30

Como Citar

KRIPKA, R. M. L.; BOITO, P. .; VALÉRIO, J. Formação de professores de matemática em projeto de extensão: percepções docentes em tempos da pandemia da COVID-19. Revista BOEM, Florianópolis, v. 9, n. 18, p. 85-102, 2021. DOI: 10.5965/2357724X09182021085. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/boem/article/view/19135. Acesso em: 30 nov. 2021.