"Falo para guardar 8 na cabeça e contar nos dedinhos o restante": estratégias de resolução de problemas adotadas pelas famílias durante a pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2357724X09182021067

Palavras-chave:

Ensino remoto, Educação Matemática, Práticas de numeramento

Resumo

Pretendemos analisar, neste paper, saberes matemáticos mobilizados em estratégias de ensino adotadas por mães quando do auxílio nas tarefas escolares, especificamente de seus filhos, matriculados em turmas do ciclo da alfabetização (1º ao 3º ano) de uma escola pública localizada em São Carlos-SP. Fruto de uma pesquisa institucional, em termos de justificativa, destacamos a importância do conhecimento informal dos sujeitos letrados, muitas vezes baseado em ações que permeiam a vida cotidiana. Os dados foram coligidos a partir da abordagem qualitativa, por meio de entrevistas semiestruturadas virtuais, devido ao distanciamento social. Os resultados demonstram que estas mulheres-mães, ao que tudo indica, para além do ato da coragem de assumirem mais um afazer, em meio a tantos que se responsabilizam em seus lares, conseguem driblar as dificuldades e recorrem a estratégias fundamentais para pensar matematicamente, mesmo não sendo convencionais. A exemplo da prática de contagem nos dedos (visualização), fazer cálculos "de cabeça" (cálculo mental) e exploração de jogos na internet (recurso à tecnologia), tendências que buscam desenvolver autonomia na aprendizagem. Em síntese, identificar, descrever e analisar qual é o contributo central deste auxílio em casa para a aprendizagem matemática das crianças representa, na leitura interpretativa que fazemos deste momento histórico vivenciado desde 2020, enxergar os espaços dos círculos das "culturas matemáticas" que permeiam os lares brasileiros.

Biografia do Autor

Brenda Cristina Antunes, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, São Carlos-SP

Licencianda em Pedagogia pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, São Carlos-SP; Bolsista de Iniciação Científica da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Integrante do "MANCALA - Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática, Cultura e Formação Docente" (CNPq/UFSCar). 

Klinger Teodoro Ciríaco, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, São Carlos-SP

Professor Adjunto do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas - DTPP - do Centro de Educação e Ciências Humanas - CECH - da Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, São Carlos-SP. Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da UFMS, Campo Grande-MS. Líder do "MANCALA - Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática, Cultura e Formação Docente" (CNPq/UFSCar).

Francieli Aparecida Prates dos Santos , Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Instituto de Matemática (INMA)

Mestranda em Educação Matemática pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS, Instituto de Matemática (INMA); Licenciada em Pedagogia pela UFMS, Câmpus Naviraí. Integrante do "MANCALA - Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática, Cultura e Formação Docente" (CNPq/UFSCar).

Referências

ABRANTES, Paulo; SERRAZINA, Lurdes; OLIVEIRA, Isolina. A Matemática na educação básica. Lisboa: ME/DEB, 1999.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa e educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora, LTDA, 1994.

CAMILO DOS SANTOS, Lívia Maria. "Escorregar não é cair": por quedas com amortecedores. In: SAWAIA, B. B. Apresentação. Boletim “Expressões em tempos de pandemia”. Vol.1. p.12-15. 2020. Disponível em: http://www4.pucsp.br/nexin/expansoes-da-pandemia/expressoes-da-pandemia-vol-1.pdf. Acesso em: 27 mai. 2020.

CARRAHER, Teresinha Nunes; CARRAHER, David William; SCHLIEMANN, Analúcia Dias. Na vida dez, na escola zero. São Paulo: Cortez, 1988.

CASTRO, Joana Pacheco de; RODRIGUES, Marina. Sentido de número e organização de dados: textos de apoio para educadores de infância. Biblioteca Nacional de Portugal – Catalogação na Publicação. 2008. Disponível em: https://www.esev.ipv.pt/mat1ciclo/textos/sent_num_net.pdf. Acesso em: 17 jul. 2020.

CIRÍACO, Klinger Teodoro; SOUZA, Neusa Maria Marques de. Um estudo na perspectiva do letramento matemático: a matemática das mães. Vidya (Santa Maria. Impresso), v. 31, p. 43-56, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/VIDYA/article/view/291/266. Acesso em: 29 set. 2019.

ESPÍNDOLA, Ana Lúcia; SOUZA, Neusa Maria Marques de. Contextos e práticas sócio-culturais de letramento e letramento matemático inerentes às relações família/escola. Zetetiké. v. 18, p. 67-87, 2010. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646670/13572. Acesso em: 14 mai. 2020.

FONSECA, Maria da Conceição Ferreira Reis. A educação matemática e a ampliação das demandas de leitura escrita da população brasileira. In: FONSECA, M. C. F. R. (Org.). Letramento no Brasil: habilidades matemáticas. São Paulo: Global, 2004. p.11-28.

FONSECA, Maria da Conceição Ferreira Reis. Letramento e Numeramento: Educação Matemática e práticas de leitura. Apresentação Seminário do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa - PNAIC. 2014. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte (Mg). Disponível em: http://www.ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/files/uploads/Palestras%20Pnaic%202014/Letramento%20e%20Numeramento%20-%20Maria%20da%20Concei%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acesso em: 26 ago. 2020.

FONSECA, Maria da Conceição Ferreira Reis; RIBEIRO, Vera M. Educação matemática de pessoas jovens e adultas: demandas e contribuições na promoção da apropriação de práticas de letramento. In: Anais do X Encontro Nacional de Educação Matemática, Salvador – BA, 2010. Disponível em: http://www.lematec.net.br/CDS/ENEM10/artigos/PA/Palestra7.pdf. Acesso em: 11 abr. 2019.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. 34. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. Traduzido por Moacir Gadotti e Lilian Lopes Martin. 12. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 12ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

GRANDO, Regina Célia; MENDES, Jaqueline. (Orgs.). Múltiplos olhares: matemática e produção de conhecimento. São Paulo: Musa Editora, 2007.

KNIJNIK, Gelsa. O saber popular e o saber acadêmico na luta pela terra. Revista da Sociedade Brasileira de Educação Matemática. Educação Matemática em Revista. Ano 9, n. 1, p. 27-39, 2002.

LOOS, Helga Sant’Ana. Atitude e desempenho em matemática, crenças auto-referenciadas e família: uma path-analysis. Campinas, SP. 2003. 296f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/253109. Acesso em: 10 mar. 2019. MATOS, João Felipe. Educação matemática e cidadania. Quadrante, [S. l.], v. 11, n. 1, p. 1-6, 2002. Disponível em: https://quadrante.apm.pt/index.php/quadrante/article/view/289. Acesso em: 26 out. 2020.

MCINTOSH, Alistair; REYS, Barbara J.; REYS, Robert E. A proposed framework for examining basic Number Sense. For the Learning of Mathematics, Canadá, v. 12, n. 3, p. 2-44, 1992. Disponível em: https://flm-journal.org/Articles/94F594EF72C03412F1760031075F2.pdf. Acesso em: 30 out. 2019.

MENEGHETTI, Renata Cristina Geromel; FILHO, Edinei de Oliveira. Etnomatemática e Trabalho Colaborativo na Educação Inclusiva de Adultos no Contexto da Economia Solidária. Revista Latinoamericana de Etnomatemática,12(4), 121-140. 2019. DOI: 10.22267/relatem.19124.38.

ORTEGA, Eliane Maria Vani; PARISOTTO, Ana Luzia Videira. Alfabetização matemática na perspectiva do letramento no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Educação em Revista, Marília, v.17, p. 53-62, 2016, Edição Especial. Disponível em: http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/educacaoemrevista/article/view/5845/3982. Aceso em: 12 abr. 2020.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A cruel pedagogia do vírus. EDIÇÕES ALMEDINA, S.A. 2020. Disponível em: https://www.cpalsocial.org/documentos/927.pdf. Acesso em: 18 mai. 2020.

SÃO PAULO Governo do Estado. Decreto nº 64.862, de 13 de março de 2020. Diário oficial do Estado de São. São Paulo, v. 130, n. 63, p. 01, 2020a. Disponível em: http://diariooficial.imprensaoficial.com.br/nav_v5/index.asp?c=4&e=20200331&p=1. Acesso em: 24 abr. 2020.

SÃO PAULO, Governo do Estado. Decreto Nº 64.881, de 22 de Março de 2020. Diário oficial do Estado de São. São Paulo, v. 130, n. 57, p, 01, 2020. Disponível em: http://dobuscadireta.imprensaoficial.com.br/default.aspx?DataPublicacao=20200323&Caderno=DOE-I&NumeroPagina=1. Acesso em: 24 abr. 2020.

SCANDIUZZI, Pedro Paulo. Educação matemática indígena: a constituição do ser entre os saberes e fazeres. In: BICUDO, Maria Aparecida Viggiani; BORBA, Marcelo Carvalho (Orgs). Educação Matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, p. 186-197, 2004.

SZYMANSKI, Heloísa. A relação família escola: desafios e perspectivas. 2. ed. Brasília: Líber Livro, 2007.

TOLEDO, Maria Elena Roman de Oliveira. As estratégias metacognitivas de pensamento e o registro matemático de adultos pouco escolarizados. 2003. 200f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, FE/USP. São Paulo, 2003.

Downloads

Publicado

2021-10-30

Como Citar

ANTUNES, B. C.; CIRÍACO, K. T.; SANTOS , F. A. P. dos. "Falo para guardar 8 na cabeça e contar nos dedinhos o restante": estratégias de resolução de problemas adotadas pelas famílias durante a pandemia. Revista BOEM, Florianópolis, v. 9, n. 18, p. 67-84, 2021. DOI: 10.5965/2357724X09182021067. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/boem/article/view/18959. Acesso em: 2 dez. 2021.