As licenciaturas em matemática no período pós-pandemia: o que a extensão universitária sugere?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2357724X09182021013

Palavras-chave:

Formação docente, Curricularização da extensão, Pedagogia Freiriana, P`rofessor de matemática, Cultura africana

Resumo

A pesquisa inquere sobre permanências na formação inicial de professores de matemática no contexto da extensão universitária. Para isso, considera dois momentos: antes da pandemia e durante ela, na fase de isolamento social. Por um lado, remete a quatro oficinas sobre o uso da matemática na fabricação de artefatos simbólicos de algumas culturas africanas, levadas à cabo em 2019, numa escola de educação básica. Por outro, considera um projeto que diz respeito à elaboração de propostas pedagógicas em regime remoto. Tais propostas tiveram como mote conceitos matemáticos úteis para a compreensão de fenômenos relacionados à pandemia da COVID-19. A pesquisa, qualitativa, descritiva e de cunho reflexivo, tem o objetivo de propor ações para a licenciatura em matemática no período pós-pandemia. O olhar para os dados constantes em relatórios de nove licenciandos membros da equipe foi orientado pelas teorizações do educador Paulo Freire. Defende-se que, em tempos de isolamento social e após ele, é fundamental buscar a humanização, o diálogo e as relações entre os sujeitos do processo educativo escolar. As reflexões suscitadas apontam sugestões que se caracterizam como compromissos éticos, estéticos e políticos, necessários à produção de conhecimentos docentes para uma educação humanizadora.

Biografia do Autor

Wanderleya Nara Gonçalves Costa, Universidade Federal de Mato Grosso

Licenciada em Matemática pela UFG.

Mestre em Educação Matemática pela UNICAMP.

Doutora em Educação pela USP. 

Admur Severino Pamplona, Universidade Federal de Mato Grosso - Campus do Araguaia

Licenciado em Matemática pela Universidade Federal de Goiás.

Mestre em Estatística pela UNICAMP.

Doutor em Educação Matemática pela UNICAMP.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Chiarimenti. Quodlibet, Una você. Macerata. Publicado em 17 de março de 2020. Disponível em https://www.quodlibet.it/giorgio-agamben-chiarimenti. Acesso em 16/09/2020.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES/MEC nº7, de 18 de dezembro de 2018. Estabelece as Diretrizes para a Extensão na Educação Superior Brasileira e regimenta o disposto na Meta 12.7 da Lei nº 13.005/2014, que aprova o Plano Nacional de Educação - PNE 2014-2024e dá outras providências. Brasília, 2018. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/- /asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/55877808. Acesso em 14/11/2019.

CASTRO, Luciana Maria Cerqueira. A universidade, a extensão universitária e a produção de conhecimentos emancipadores. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 27. Caxambu, 2004. Anais da 27 reunião da ANPEd. Caxambu: ANPEd, 2004. Disponível em http://27reuniao.anped.org.br/gt11/t1111.pdf. Acesso em 08/09/2020.

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

FREIRE, Paulo. Educação e mudança. 24. Ed. São Paulo: Paz e Terra, 2001

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d’água, 1997.

FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. 10.ed. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1986.

GOMES, Nilma Lino. Desigualdades e diversidade na educação. Campinha, 2012.

JESUS, Saul N. Professor sem stress: realização profissional e bem-estar docente. Porto Alegre: Mediação, 2007.

MARTINS, Ricardo Evandro Santos. O vírus neoliberal no Brasil e a polêmica com Giorgio Agamben. Voluntas, Santa Maria, v.11, e20, p. 1-8, jul. 2020. Disponível em https://periodicos.ufsm.br/voluntas/article/view/44019. Acesso em 26/08/2020.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. 3 ed. São Paulo: n-1 edições, 2018.

SANTOS, Lais Silveira. Dilemas morais da gestão pública brasileira no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro, v. 54, n. 4, p. 909-922, ago. 2020. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-76122020000400909&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 28/08/2020.

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO. Planejamento. Instrumento de mobilização popular. São Paulo: Prefeitura do Município de São Paulo, 1992.

SILVEIRA, Helder Eterno da. Mas, afinal: o que é iniciação à docência? Atos de Pesquisa em Educação. Blumenau, v. 10, n.2, p.354-368, mai./ago. 2015. Disponível em https://proxy.furb.br/ojs/index.php/atosdepesquisa/article/view/4704/3046. Acesso em 15/09/2020.

ZUIN, Elenice de Souza Lodron. Da régua e do compasso: as construções geométricas como um saber escolar no Brasil. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte – MG 2001. Disponível em https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/FAEC-85DGQB/1/zuin_elenice_disserta_nopw.pdf. Acesso e 17/09/2020.

Downloads

Publicado

2021-10-30

Como Citar

COSTA, W. N. G.; PAMPLONA, A. S. As licenciaturas em matemática no período pós-pandemia: o que a extensão universitária sugere?. Revista BOEM, Florianópolis, v. 9, n. 18, p. 13-29, 2021. DOI: 10.5965/2357724X09182021013. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/boem/article/view/18779. Acesso em: 30 nov. 2021.