A constituição de si: uma cartografia das subjetividades no devir professor de matemática dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2357724X08172020144

Palavras-chave:

Cartografia, Devir, Filosofia da diferença, Formação, Matemática, Subjetividade

Resumo

Este trabalho apresenta um recorte das discussões e observações de campo realizadas para produção de dados da dissertação de mestrado “ALICE NO PAÍS DA DIFERENÇA: Uma aventura pelo devir professor de matemática dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental”. A qual teve por objetivo principal compreender as subjetividades presentes no devir professor de matemática dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Um estudo decorrente do método da cartografia das subjetividades, realizado durante a pesquisa de campo com professores de uma escola pública de Jaboatão dos Guararapes - PE. Embasado na filosofia da diferença de Deleuze e na perspectiva de sujeito e sociedade defendida por Foucault para pensar o professor e suas subjetividades. Os resultados encontrados desvelam o professor enquanto sujeito composto de subjetividades, onde em um emaranhado de marcas, afetos e desejos resultantes do trajeto antropológico, movimentos e devir, o que impacta na constituição de si legitimando as singularidades presentes no processo de ensino e aprendizagem matemática.

Referências

BRASIL. Conselho Nacional de Educação; Câmara de Educação Básica. Resolução nº 7, de 14 de dezembro de 2010. Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos. Diário Oficial da União, Brasília, 15 de dezembro de 2010, Seção 1, p. 34. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb007_10.pdf. Acesso em: 24 Ago. 2019.

BARROS, G.; MUNARI, S.; ABRAMOWICZ, A. Educação, cultura e subjetividade: Deleuze e a Diferença, Revista Eletrônica de Educação, v.11, n.1, p.108-124, jan./maio, 2017.

DELEUZE, G. Diferença e Repetição. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

DELEUZE, G. Foucault. Tradução: C. S. Martins. São Paulo: Brasiliense. 2005.

DELEUZE, G. O que é um dispositivo? In: Michel Foucault, filósofo. Barcelona:

Gedisa, 1990.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia? Tradução Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. São Paulo: Editora 34, 1992.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: do capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995a. V. 1.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. Tradução: SuelyRolnik. V.4. São Paulo: Ed. 34, 1997

DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. Tradução Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Escuta, 1998.

FIORENTINI, D. LORENZATO, S. Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. 3 ed. Campinas: Autores Associados, 2012. Coleção formação de professores

FOUCAULT, M. O que é um autor? (1969) In: Ditos e Escritos – Estética: literatura e pintura; música e cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

GASPAROTTO, G. C. F. Alfabetização Matemática: Cartografando as Narrativas de Alguns Alunos na Série Final do Ensino Fundamental. 2010. 248f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2010.

GALLO, S. Deleuze e a Educação. Belo Horizonte: Autêntica. 2003.

GALLO, S. O Que é Filosofia Da Educação: anotações a Partir de Deleuze e Guattari. Perspectiva. Florianópolis, v. 18, n.34, pag. 49-68, julho/dez. 2000.

JABOATÃO DOS GUARARAPES. Instrução Normativa n. 03 de 12 de dezembro de 2015. Estabelece critérios para distribuição de carga horária e regulamenta o trabalho docente de formação coletiva- TDFC dos professores da rede Municipal do Jaboatão dos Guararapes.

LEMOS, F. Diferença e educação: um diálogo com Hélio Rebello Cardoso Jr.Artifícios, Pará, v.1, n.2, p. 1-11, dez/2011. Disponível em:

https://pt.scribd.com/document/244403480/Entrevista-Deleuze-e-a-filosofia-da-diferencapdf. Acesso em 10 de setembro 2018.

MIRANDA, W. A filosofia da diferença em Deleuze e Heidegger. Revista Ítaca, n.15, p. 250-271, Rio de Janeiro 2010. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/Itaca/article/view/265. Acesso em: 02 Nov. 2018.

OLIVEIRA, Thiago Ranniery Moreira.; PARAÍSO, Marlucy Alves. Mapas, dança, desenhos: a cartografia como método de pesquisa em Educação. Pro-posições, v.23, n.3, set./dez. 2012, p. 159-178. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-73072012000300010. Acesso em: 04 Nov. 2018

PEIXOTO JUNIOR, C.A. Singularidade e subjetivação: ensaios sobre clínica e cultura. Rio de Janeiro. 7 Letras: Editora PUC-Rio, 2008. 206p.

PETERS, M. Pós-estruturalismo e filosofia da diferença: uma introdução. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

PRECIOSA, R. Pensar o texto acadêmico como Produção de Subjetividade: anotações preliminares. Inclui bibliografia. In: Colóquio de Moda, 07, 2011, 08 p. Minas Gerais. Anais... Juiz de Fora: ISSN, l 982 -0941.

QUEIROZ, S. M. Movimentos que permeiam o devir professor de matemática de alguns licenciandos. Rio Claro, 2015. 206 f.

ROLNIK, S. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. SãoPaulo: Estação Liberdade, 1989.

ROLNIK,S. Uma insolita viagem a subjetividade – Fronteiras com a ética e com a cultura. In: Daniel S. Lins (org.) Cultura e Subjetividade: Saberes nômades. Campinas (SP): Papirus, 1997. PP.25-34.

ROLNIK, S. Pensamento, Corpo e Devir - uma perspectiva ético/estética/política no trabalho acadêmico In: Cadernos de Subjetividade. PUC/SP, set./fev, p 241-244.1993.

ROLNIK, S. Cartografia ou de como pensar com o corpo vibrátil, 1989.

SILVA, M. T. et al. Mapas e cartografia em educação matemática. In: XI Encontro Nacional de Educação Matemática (ENEM), 07, 2013, Curitiba. Anais... Parana: SBEM, 2005, artigos, p. do XI Encontro Nacional de Educação Matemática – ISSN 2178-034X. Disponível em:http://enem2013.pucpr.br/2013/07/19/anais-do-xi-enem/ Acesso em: 24 Nov 2018.

TÁRTARO, T. F. Ex Docente: Invenções do devir-guerreiro no professor de Matemática. Rio Claro, 2016. 178 f.

Downloads

Publicado

2020-11-30