Ensino da Arte: qual ensino queremos?

Autores

  • Karine Ramaldes Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984317813022017073

Palavras-chave:

Ensino de Arte, Imaginação Criativa, Formação Inicial, Formação Continuada,

Resumo

Neste estudo, a partir da análise de conteúdo e da pesquisa bibliográfica, verificando especialmente as informações constantes em leis federais, e o registro histórico da Arte/Educação no Brasil, reflito sobre como o Ensino da Arte tem se desenvolvido no Brasil, qual o senso comum e qual o real valor do Ensino da Arte, de que modo a Arte é inserida no contexto escolar como instrumento pedagógico e/ou área do conhecimento. Pondero ainda, de que modo, as aulas de Arte podem tolher ou ampliar a imaginação criativa dos alunos. Realizo uma retomada histórica de que forma a Arte veio se inserindo na Educação, analisando as principais leis brasileiras referentes ao assunto. Os resultados apresentados evidenciam que ainda não conseguimos desfazer muitos preconceitos arraigados na sociedade brasileira sobre o Ensino da Arte. Concluo que a Arte é essencial para a formação humana, porém deve ser trabalhada por profissionais preparados. Meu objetivo é aprofundar os estudos relacionados ao assunto.

Biografia do Autor

Karine Ramaldes, Universidade Federal de Goiás

Mestra em Performances Culturais pela Universidade Federal de Goiás. Especialista em Arte e Educação pela Faculdade do Noroeste de Minas. Licenciada em Artes Cênicas pela Universidade Federal de Goiás. Atriz e Professora de Teatro.

Referências

BARBOSA, Ana Mae. Arte-Educação no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1995.

_________________. Teoria e Prática da Educação Artística. São Paulo: CULTRIX,1975.

BRASIL. Lei nº 4.024 de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União - Seção 1 - 27/12/1961, Página 11429.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa diretrizes e bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial da União - Seção 1 - 12/8/1971, Página 6377.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, v. 134, n. 248, 23 dez. 1996. Seção 1, p. 27834-27841.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução nº 7 de 14 de dezembro de 2010. Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos. Diário Oficial da União, Brasília, 15 de dezembro de 2010, Seção 1, p. 34.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. 562p.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei 12.796 de 04 de abril de 2013. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 05 de abril de 2013, Seção 1, p.1.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 13.278 de 02 de maio de 2016. Altera o § 6o do art. 26 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que fixa as diretrizes e bases da educação nacional, referente ao ensino da arte. Diário Oficial da União, Brasília, 03 de maio de 2016, Seção 1, p.1.

BRASIL. Medida Provisória nº 746 de 22 de setembro de 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e a Lei nº 11.494 de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 setem. 2016. Seção 1, p.1, 2.

COURTNEY, Richard. Jogo, Teatro e Pensamento. 2ª edição. Tradução: Karen Astrid Müller e Silvana Garcia. São Paulo: Perspectiva, [1968] 2003.

DEWEY, John. Arte como Experiência. Tradução: Vera Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, [1934] 2010.

DUARTE Jr., João Francisco. Fundamentos Estéticos da Educação. 7ª edição. São Paulo: Papirus [1988], 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. 43ª edição. São Paulo: Paz e Terra, [1996] 2011.

KOUDELA, Ingrid Dormien; JÚNIOR, José Simões de Almeida (Org.). Léxico de Pedagogia do Teatro. São Paulo: Perspectiva, 2015.

LANGER, Susanne. Ensaios Filosóficos. Tradução: Jamir Martins. São Paulo: Cultrix, 1962.

RAMALDES, Karine. Arte Teatral: Essencial à Educação Enquanto Arte. Goiânia, GO, 2005. 42 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Artes Cênicas) - Universidade Federal de Goiás, UFG, 2005.

RAMALDES, Karine. Os Jogos Teatrais de Viola Spolin: Uma Pedagogia da Experiência. Goiânia, GO, 2015. 118 p. Dissertação (Mestrado em Performances Culturais) - Universidade Federal de Goiás, UFG, 2015.

RAMALDES, Karine. A Relação entre Espectador e Obra de Arte. Revista ASPAS, São Paulo, Vol. 6, nº1, p.150-161, 2016.

UNESP, Universidade Estadual Paulista. Ensino da Arte no Brasil: aspectos históricos e metodológicos d02. Rede São Paulo de Formação Docente. São Paulo, 2011. Disponível em http://www.acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/40427/3/2ed_art_m1d2.pdf Acesso em 24/05/2016.

Downloads

Publicado

2017-08-01